Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Últimas Notícias

08/02/2006 08:14

Judiciário de MS perde mais de 40,7 milhões por ano

TJ/MS

A OAB paulista encaminhará ao Congresso Nacional uma proposta de alteração na Lei de Responsabilidade Fiscal para aumentar a parcela dos Judiciários Estaduais nos recursos destinados aos gastos com pessoal de 6% para 8% nos orçamentos. Apesar do limite estipulado de gasto com pessoal, os tribunais podem utilizar parte desses recursos em investimentos com infra-estrutura.

O presidente do TJMS, desembargador Claudionor Miguel Abss Duarte, é plenamente de acordo com a medida. “O aumento do repasse será importante para o Judiciário de todo o país que terá mais recursos para investir em infra-estrutura”, esclarece.

Em Mato Grosso do Sul, a Lei de Diretrizes Orçamentárias Estadual determina os gastos do Judiciário em 6,835%, desde 2000. Já houve uma tentativa da atual Administração do TJMS em aumentar esse repasse, visto que antes de 1999, os valores do duodécimo atingiam 8,10% e a perda de 1,265% no orçamento representa R$ 40.762.000,00 anuais que deixam de ser investidos nas medidas de melhoria de acesso à justiça.

Atualmente, o tribunal utiliza recursos do Fundo Especial para Instalação, Desenvolvimento e o Aperfeiçoamento das Atividades dos Juizados Especiais Cíveis e Criminais (Funjecc) e do spread da Conta Única para possibilitar novos investimentos como construção de fóruns, ampliação de varas, contratação de mais servidores, informatização, aquisição de softwares e equipamentos que possibilitem a tão exigida celeridade processual. Essas importâncias também constituem receita para a manutenção e custeio do Poder Judiciário.

Somente os recursos advindos da LDO são insuficientes para a manutenção do Poder Judiciário que é composto por 50 comarcas, enquanto não for criada a comarca de Sonora; mais de 3,1 mil funcionários e 183 magistrados na ativa, além dos 78 aposentados e pensionistas.

Somado a isso, há a necessidade de criação de comarcas, varas, juizados, ainda assim em número insuficiente para fazer frente às reais necessidades e acompanhar a modernização exigida. Para o presidente do TJMS se não fossem as receitas do FUNJECC e da Conta Única, o Judiciário sul-mato-grossense já teria entrado em colapso.

Da mesma forma entende o presidente da OAB-MS, Dr. Geraldo Escobar, quando afirma que um dos fatores que gera a morosidade do processo é a falta de estruturas física, material e pessoal do Poder Judiciário. “Apóio a proposta da OAB/SP que visa a aumentar a parcela do judiciário nos recursos destinados pelos orçamentos estaduais desde que obrigatório o aumento da estrutura judiciária”, ressalta.

O advogado tributarista, Vladmir Rossi Lourenço, esclarece que não é correta a fixação de um valor máximo na LRF (Lei Complementar n. 101, de 04 de maio de 2000) e vai além, defendendo que deveria haver uma fixação mínima na referida lei e, anualmente cada tribunal, deveria por iniciativa exclusiva e própria, determinar o percentual necessário para o próximo ano na Lei de Diretrizes Orçamentárias.

“O limite fixo e único, como ocorre atualmente, gera situações de perplexidade orçamentária, pois em alguns tribunais pode sobrar recursos e em outros ocorre a falta de verba para primeiras necessidades, como é o caso de ampliar o acesso à Justiça ao cidadão”, destaca o advogado. A LDO é uma lei anual que prevê as metas e prioridades da administração e orienta a elaboração da lei orçamentária anual.


Autoria do texto:


Priscila Guimarães

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)