Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

19/11/2009 06:49

Judicialização da saúde tem elevados índices em MT

24horasnews

A desembargadora Clarice Claudino, do Tribunal de Justiça de Mato Grosso, admitiu nesta quarta-feira, durante reunião com integrantes da CPI da Saúde, que o setor em Cuiabá é muito grave e muitas pessoas só conseguem o direito ao tratamento médico e medicamentos através de liminares judiciais. Segundo dados das Câmaras de Direito Público do TJ, já houve momentos em que mais de 30% dos processos eram relativos a solicitação de medicação de alto custo.

O presidente da CPI da Saúde , deputado estadual Sergio Ricardo (PR), o relator Walace Guimarães (PMDB) e os membros Chica Nunes (DEM) e o deputado Azambuja discutiram com a desembargadora três principais pontos que devem ser esclarecidos pela CPI: melhorias na infra-esturtura e nas condições de trabalho dos profissionais de saúde, a recuperação da remuneração digna a esse tipo de trabalho e a gestão pública da saúde não só em Cuiabá como em todo o Estado.

“Tivemos um entendimento que será necessário nos unirmos ao Ministério Público, ao Conselho Regional de Medicina – CRM , ao Tribunal de Justiça , sindicatos e gestores públicos para solucionar esse verdadeiro cáus na saúde e que tanto vem causando dor a população. Prova disso são as filas de espera para cirurgias de coração e ortopédicas . Tem gente que certamente não terá tempo de vida para esperar uma cirurgia de coração pois mensalmente tem 500 pessoas esperando ser socorrido” - disse Sergio.

O deputado Walace disse a desembargadora Clarice Claudino que como médico entende que as dificuldades para se conseguir medicamentos de alto custo são absurdas mas que infelizmente o processo licitatório para a compra dos remédios não é realizado pelas secretarias de saúde. “O processo é muito moroso” - disse o deputado.

Sergio Ricardo disse ainda que diante de tantas informações controversias a respeito do repasse do Estado para Cuiabá e da gestão da Secretaria de Saúde de Cuiabá será preciso esclarecer o mais rápido possível a situação. “ Ao meu ver, somente os senhores deputados e a boa vontade a esse trabalho que estão realizando na CPI pode tirar isso a limpo e saber o que realmente acontece entre Estado e município”, disse Clarice Claudino.

Segundo o deputado Azambuja que também é médico, Cuiabá realmente recebe muitos pacientes de outros municípios e estados mas não apresenta essa conta com transparência e nunca sentou a mesa para pactuar com os outros municípios. “ Cuiabá tem todo o direito de receber mais recursos mas precisa apresentar a conta já que recebem para atender pacientes de fora”, explicou

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)