Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

20/11/2005 10:27

Jovem de 16 anos descobre como detectar Mal de Chagas

Érica Santana e Mylena Fiori/ABr

Uma menina de 16 anos, moradora de uma favela em Belo Horizonte e aluna do ensino público foi a ganhadora do 21º Prêmio Jovem Cientista do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (Cnpq), na categoria Ensino Médio. Natália Évelin Martins foi premiada por ter criado um novo processo para identificar o Mal de Chagas.

Com outros alunos da Escola Estadual Olegário Maciel, Natália foi selecionada pela Fundação Oswaldo Cruz para participar de um programa de vocação científica. Os estudantes podiam escolher sua área de preferência e ela optou pelo laboratório de Doença de Chagas. "Sempre me interessei muito pela doença de Chagas", contou a estudante em entrevista à Rádio Nacional AM. "Todo mundo tem a visão de que é uma doença de interior, só porque está controlada, e não tem importância. Mas é uma doença importante, tem milhões de casos no Brasil e na América Latina", afirmou.

O trabalho de Natália, intitulado Análise da Reatividade do IGC Antiepimastigotas fixadas de Trypanosoma cruzi em soros de pacientes portadores de diferentes doenças parasitárias parece complicado, mas trata de um novo método para diagnosticar a doença por exame de soro, usando um aparelho já existente na maioria dos hospitais brasileiros.

Segundo a estudante, além de mais eficaz, o novo procedimento descartará a falha humana na detecção da doença. "Acho que os dois pontos importantes para o Brasil na Doença de Chagas é o controle e contenção da doença, porque um diagnóstico com falhas causa muitos danos".

Natália não se preocupa com o fato de ainda não ter recebido propostas de laboratórios ou empresas multinacionais. "Espero que ninguém me procure não, para eu poder dar continuidade. Mas se algum dia eu desenvolver alguma coisa a ponto de patentear e tudo mais, sou do seguinte acordo: que é um bem para o meu país tem de ser livre. Para fora, eu já não sei".

A jovem cientista sabe que ainda tem um longo caminho a percorrer. "A Ciência é uma coisa muito demorada, às vezes leva dez ou quinze anos. Ele (o projeto) ainda tem de ser realizado novamente, tem de ser testado, tem de ser contestado", lembrou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)