Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

12/11/2011 12:05

Jornalistas encontram "cenário devastador" na Usina Nuclear de Fukushima

Agência Lusa

Brasília - Os jornalistas que, neste sábado (12), foram pela primeira vez autorizados a entrar na Central Nuclear de Fukushima assistiram a um \"cenário devastador\", com caminhões virados, lixo amontoado e prédios por ruir, segundo reporta a agência de notícias Associeted Press (AP). Alguns representantes dos meios de comunicação internacionais e japoneses, na visita que tinha como objetivo mostrar a estabilização da central desde o terremoto seguido por tsunami em 11 de março, tiveram de usar equipamento de proteteção em todo o corpo e submeter-se a um teste de radiação no final da visita.

De acordo com o relato, os caminhões virados pela força do tsunami continuam nas ruas da usina, há pilhas de lixo amontoado e largas piscinas de água ainda cobrem boa parte do complexo nuclear. Mas os responsáveis garantem que a situação na central nuclear, que sofreu várias explosões na sequência do desastre natural, tinha melhorado o suficiente para permitir a visita dos jornalistas.

O governo japonês e a equipe que gere a planta, a Empresa de Energia Elétrica de Tóquio (Tepco), dizem que os vazamentos de radiação são bastante menos perigosos agora que nos dias que se seguiram ao acidente, e sublinham que o trabalho está em andamento para permitir um \"desligamento frio\", ou seja, no momento em que as temperaturas dos reatores ficam suficientemente baixas e controladas.

No entanto, o governo prevê que deve demorar mais 30 anos até que seja possível remover, de forma segura, o combustível nuclear e desativar a central nuclear. Pode, também, demorar décadas até ser possível trazer as dezenas de milhares de habitantes que foram obrigados a sair da zona de exclusão de 20 quilômetros ao redor da usina.

A tragédia que ocorreu em Fukushima, a 240 quilômetros ao norte de Tóquio, em 11 de março deste ano, deu-se na sequência de um grande terremoto de 9 graus na Escala Richter, seguido de um tsunami com ondas de 14 metros, tudo em 50 minutos, que mataram cerca de 20 mil pessoas.

A catástrofe natural fez com que os sistemas de resfriamento dos reatores na central de Fukushima fossem desativados, provocando o derretimento das barras de combustível e o vazamento de radiação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)