Cassilândia, Segunda-feira, 11 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

12/11/2011 12:05

Jornalistas encontram "cenário devastador" na Usina Nuclear de Fukushima

Agência Lusa

Brasília - Os jornalistas que, neste sábado (12), foram pela primeira vez autorizados a entrar na Central Nuclear de Fukushima assistiram a um \"cenário devastador\", com caminhões virados, lixo amontoado e prédios por ruir, segundo reporta a agência de notícias Associeted Press (AP). Alguns representantes dos meios de comunicação internacionais e japoneses, na visita que tinha como objetivo mostrar a estabilização da central desde o terremoto seguido por tsunami em 11 de março, tiveram de usar equipamento de proteteção em todo o corpo e submeter-se a um teste de radiação no final da visita.

De acordo com o relato, os caminhões virados pela força do tsunami continuam nas ruas da usina, há pilhas de lixo amontoado e largas piscinas de água ainda cobrem boa parte do complexo nuclear. Mas os responsáveis garantem que a situação na central nuclear, que sofreu várias explosões na sequência do desastre natural, tinha melhorado o suficiente para permitir a visita dos jornalistas.

O governo japonês e a equipe que gere a planta, a Empresa de Energia Elétrica de Tóquio (Tepco), dizem que os vazamentos de radiação são bastante menos perigosos agora que nos dias que se seguiram ao acidente, e sublinham que o trabalho está em andamento para permitir um \"desligamento frio\", ou seja, no momento em que as temperaturas dos reatores ficam suficientemente baixas e controladas.

No entanto, o governo prevê que deve demorar mais 30 anos até que seja possível remover, de forma segura, o combustível nuclear e desativar a central nuclear. Pode, também, demorar décadas até ser possível trazer as dezenas de milhares de habitantes que foram obrigados a sair da zona de exclusão de 20 quilômetros ao redor da usina.

A tragédia que ocorreu em Fukushima, a 240 quilômetros ao norte de Tóquio, em 11 de março deste ano, deu-se na sequência de um grande terremoto de 9 graus na Escala Richter, seguido de um tsunami com ondas de 14 metros, tudo em 50 minutos, que mataram cerca de 20 mil pessoas.

A catástrofe natural fez com que os sistemas de resfriamento dos reatores na central de Fukushima fossem desativados, provocando o derretimento das barras de combustível e o vazamento de radiação.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)