Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/07/2014 14:18

Jogo tradicional das rodas de tereré, o velho Bozó está em extinção?

Campo Grande News
Os dados e o tradicional copinho ao fundo. (Fotos: Marcelo Victor)Os dados e o tradicional copinho ao fundo. (Fotos: Marcelo Victor)

Cinco dados, um copo, papel e caneta. Pronto, é o necessário para montar a roda de tereré e jogar Bozó. Em Campo Grande sempre foi assim, nos bairros, nos domingos de Altos da Afonso Pena, no churrasco dos amigos...Mas com as redes sociais e a cidade crescendo, hoje quase não se ouve comentário de tardes de Bozó, o que levantou dúvidas sobre até que ponto ainda é uma diversão importante na cidade.

Veja Mais
› Velhinhos, "cãopanheiros" viveram muito e difícil agora é aceitar a despedida
› Grupo encontra pen drive com fotos de chá de bebê e tenta localizar os pais

Na praça Ary Coelho, não encontramos ninguém jogando. Nos pontos de moto táxi, por exemplo, é proibido qualquer jogo nos intervalos entre as corridas, mas em casa é diferente. “Aqui não pode mais jogar, mas lá em casa a gente joga na brincadeira as vezes”, afirma Jorge Alves Ribeiro, de 52 anos.

Já na periferia, não foi preciso andar muito para encontrar quem ainda passe adiante a tradição do jogo. No bairro Jóquei Clube, o Bozó rende, inclusive, boas histórias. “A gente jogava muito, passava a madrugada. Teve até um velhinho que era vizinho aqui, a gente jogou a noite inteira e quando ele chegou em casa morreu. O pessoal brinca que eu matei o velho de nervoso no jogo”, relata Vergerina Meneses da Silva, de 56 anos.

A história tem mais de 15 anos. Sentada em frente de casa com os dois filhos, Catia Cristina da Silva, de 42 anos, e João Henrique da Silva, de 41, a família lembra que sempre gostou de jogo, uma prática ainda comum entre eles. “Não saiu de moda não. Mas é que varia, tem tempo que a gente joga mais bralho, tempo que joga mais Bozó. Agora a gente tá na fase da cacheta”, conta João. Mesmo assim, não dá para jogar com qualquer um. "Entre os mais novos o jogo não é tão popular", comenta Catia.

No "Boas Bar", um boteco de paredes vermelhas que fica em frente a uma praça do bairro, o jogo é o preferido nas noites em que os parceiros se reúnem. “A gente toma uma cervejinha e joga as rodadas valendo dois reais, só pra poder tomar mais uma”, brinca José Luiz Oliveira, de 52 anos, o frentista é conhecido como Dedé pelos amigos, e um dos frequentadores das rodas de Bozó do bar.

O jogo já fica guardado na prateleira, mostra Marta de Oliveira, de 49 anos, dona do estabelecimento. “Eles aparecem quase toda a noite. No sábado, se deixar, passam o dia todo jogando”, completa. Ela diz gostar da jogatina, por manter o lugar animado.

Milton de Medeiros Morais, 70 anos, é um dos mais animados da turma do Bozó, para ele, é um dos melhores jeitos de fazer “a hora passar”. O aposentado ainda trabalha como mestre de obras e demonstra energia de sobra nas partidas. “Eu já fiz oito generais no mesmo dia” enfatiza sobre o tipo de pontuação, que ainda tem a seguida, o full...

Outro companheiro de jogo, Jairo Manoel da Silva, de 71 anos, um senhor de barba branca, já escuta com dificuldade, mas não perde os jogos e afirma ser muito bom com os dados. "Eu sou bem esportistas. Gosto de todos os jogos", brinca.

Já entre os mais novos o jogo é conhecido, mas deixado meio de lado. A última vez que Rafael Duarte, de 16 anos, jogou foi há dois anos. “Quando tem bastante gente é legal jogar, mas fica em último caso, se não tem nada na TV nem videogame para jogar a gente lembra do Bozó”, conta.

O primo, Tony Duarte, de 13 anos, conta que a mãe Cleidmar sempre joga com a avó ou os vizinhos, mas ele acha o jogo muito parado. “Prefiro jogar futebol”, explica. Inclusive, era o que eles estavam fazendo, quando a reportagem os abordou no Parque Belmar Fidalgo.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)