Cassilândia, Sexta-feira, 20 de Outubro de 2017

Últimas Notícias

18/05/2017 15:36

JBS doou R$ 16 milhões à campanha eleitoral de quatro partidos em MS, diz site

Aline dos Santos, Campo Grande News

 

A JBS S/A, protagonista da delação premiada que ameaça Michel Temer (PMDB) na presidência e que aponta propina para 1.890 políticos, doou R$ 16 milhões para as campanhas de governo e Senado em 2014 no Estado.

O maior valor foi para o PSDB: R$ 10,5 milhões. Conforme consulta ao TSE (Tribunal Superior Eleitoral), o montante foi em cinco doações destinadas à direção nacional do partido. Foram quatro repasses de R$ 2,5 milhões e um de R$ 500 mil.

Na sequencia, está PMDB, que recebeu R$ 5 milhões. Neste caso, há suspeita que a fonte seja dinheiro de propina após a empresa obter isenção fiscal em acordo com o governo na gestão de André Puccinelli (PMDB).

Há uma semana, a 4ª fase da operação Lama Asfáltica, realizada pela PF (Polícia Federal), cumpriu mandados de busca e apreensão em duas unidades da JBS em Campo Grande e na sede em São Paulo. A direção do partido negou irregularidades e que até 2014 doações de empresas eram permitidas na Justiça Eleitoral.

A campanha do PP também teve doação da empresa, com valor de R$ 400 mil. Para o PT, foram R$ 154 mil.

O grupo JBS, companhia que em 2015 registrou receita líquida de R$ 163,9 bilhões, domina o cenário da carne. Em março, quando foi alvo da operação Carne Fraca, o setor em Mato Grosso do Sul temeu a maior crise da história devido à liderança da companhia no segmento. São dez unidades no Estado. O grupo também é dono da Eldorado Celulose, em Três Lagoas.

Delação - O presidente Michel Temer (PMDB) foi flagrado em uma gravação feita pelos irmãos Joesley e Wesley Batista autorizando o deputado federal Rodrigo Rocha Loures (PMDB-PR) a intermediar a resolução de um assunto relativo a holding J&F. O parlamentar foi filmado pela Polícia Federal recebendo propina de R$ 500 mil.

Na deleção premiada dos irmãos Batista, eles ainda contam que disseram para Temer que estavam pagando uma mesada para ex-deputado federal Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e ao operador Lúcio Funaro para permanecerem calados na prisão. A situação foi incentivada por Temer, que afirmou o pagamento deveria ser mantido. Nesta quinta-feira, a empresa informou que não vai se manifestar sobre a delação.

 

Por: Campo Grande News

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 20 de Outubro de 2017
Quinta, 19 de Outubro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 18 de Outubro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)