Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

18/02/2008 08:33

Japoneses criam curso para ensinar dizer "eu te amo"

BBC Brasil

Uma associação criada por japoneses ensina os maridos a dizer "eu te amo" para suas esposas, além de estabelecer regras para demonstrar a devoção às parceiras em público e em casa. A Nihon Aisaika Kyokai (Associação dos Maridos Devotados do Japão) foi formada em 2004 e conta como membros 150 homens de meia-idade. O órgão promove eventos em que os maridos expressam sua devoção em público, num movimento que a entidade define como capaz de "colaborar para a paz mundial", além de ajudar a "conservar o meio ambiente".

Eventos deste tipo vêm sendo realizados há três anos no Parque Hibiya, um dos maiores de Tóquio, e numa plantação de repolhos da localidade de Tsumagoi, distante quase 150 quilômetros da capital japonesa, onde se situa a sede da entidade.

"Na época dos samurais, o homem que mais tinha sucesso com as mulheres era o que não dizia Eu tem amo", conta o fundador da associação, Kiyotaka Yamana. "O japonês acha que há mais valor em não dizer Eu te amo do que em expressar este sentimento. Só que, na prática, isso não funciona. Regras Uma das principais iniciativas da associação é chamada slow life (vida lenta, em tradução livre), que estabelece cinco regras que o marido pode facilmente seguir em casa. Contentar a esposa assumindo para si pelo menos uma das tarefas de casa, expressar gratidão, ouvir as novidades que a esposa tem para contar em seu dia-a-dia, livrar-se do sentimento de vaidade masculina e de excessiva preocupação com as aparências e olhar diretamente nos olhos da esposa ao falar com ela são as regras estabelecidas pela Nihon. Além disso, o grupo designou a data de 31 de janeiro como o "Dia da Esposa Amada", quando o marido deve "mostrar na prática seu amor voltando para casa às 8 horas da noite, jantando com a família e dizendo à mulher o quanto ele gosta dela por tudo que ela faz para ele próprio e para a família".

O fundador, Kiyotaka Yamana, de 46 anos, que fez carreira no setor de publicidade e hoje trabalha com promoções de eventos, conta que era "viciado em trabalho" e dava pouca atenção à vida familiar.

Yamana lembra que um dia sua esposa o confrontou, dizendo que ele não se importava com ela e que os dois nunca conversavam. Pouco depois o casal se divorciou e encerrou um matrimônio de oito anos.

Há quatro anos, o ex-publicitário se casou novamente, determinado a mudar de atitude.

Ele declarou à BBC Brasil que o homem japonês normalmente não diz "Eu te amo" para a mulher na esperança de que, mesmo sem ouvir estas palavras, a esposa venha a perceber o que ele sente. Segundo o criador do movimento, a cultura japonesa atual não oferece mais os elementos favoráveis à silenciosa atitude tradicional e, nas grandes cidades, o tempo que o marido pode ficar em casa é muito curto.

"Antigamente a família fazia as refeições reunida e havia mais diálogo. Hoje, com cada vez menos tempo, o uso de palavras é mais necessário. Muitos maridos não querem voltar para casa e terminam o dia no bar, bebendo e conversando com os colegas. Em alguns casos nem as esposas desejam seu retorno", explica Yamana. "É que o homem japonês precisa estar ligado a uma organização, mas muitos não gostam nem da empresa nem do ambiente no lar. Então acabam se refugiando com um grupo de colegas no bar", conta. Divórcio Dados do Ministério da Saúde do Japão mostram que o índice de divórcios no país aumentou 26,5% em 10 anos.

O número de divórcios entre pessoas casadas por 20 anos ou mais chegou a 42 mil em 2004, o dobro do registrado em 1985.

Já o número de divórcios entre pessoas casadas por mais de 30 anos quadruplicou no mesmo período. Com a chegada da idade de aposentadoria da geração dos baby boomers, um número recorde de japoneses está se aposentando agora no Japão.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)