Cassilândia, Terça-feira, 06 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

12/12/2014 07:26

INSS recorre contra pedido de auxílio-doença

TJMS

Os desembargadores da 3ª Câmara Cível, por unanimidade, deram parcial provimento a reexame necessário e apelação cível, interposto pelo INSS, irresignado com sentença que julgou procedente ação previdenciária que concedeu auxílio-acidente a A.A.R.

Consta dos autos que o apelado trabalhava como mecânico e sofreu um acidente de trabalho, com lesões múltiplas, fratura exposta do fêmur da perna esquerda e do braço esquerdo. O acidente deixou sequelas que reduziram sua capacidade para exercer seu trabalho habitual.

Para o INSS, não obstante a declaração do perito de que houve redução da capacidade laborativa para a função declarada pelo autor no ato da perícia, não há nos autos documento que sinalize que de fato exercia a profissão de mecânico na época do acidente. Aponta que o Cadastro Nacional de Informações Sociais (CNIS) não comprova esse fato.

O Des. Oswaldo Rodrigues de Melo, relator dos processos, lembra que a primeira questão está relacionada à nulidade do julgamento em razão do vício contido na prova pericial, produzida por profissional da área médica que já foi perito do INSS e vem sendo processado civil e criminalmente por subscrever laudos, concedendo benefícios previdenciários indevidamente.

Em seu voto, o relator cita parte da sentença de primeiro grau. “Considerando que nas ações em que este é réu não houve nenhuma sentença com trânsito em julgado, há de ser aplicado o princípio da presunção de inocência, sendo o laudo por ele elaborado válido como prova nos autos”.

O desembargador explica que o auxílio-acidente somente é devido após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, tendo, portanto, natureza exclusivamente indenizatória, já que visa ressarcir o segurado em virtude de acidente que lhe tenha provocado redução da capacidade laborativa. Logo, em seu entender, agiu com acerto o julgador ao conceder o benefício previdenciário em questão.

“Ante o exposto, conheço do reexame necessário e do recurso de apelação e dou-lhes parcial provimento para, em reformando em parte a sentença recorrida, determinar a incidência da regra contida no artigo 1º-F, da Lei n.º 9.494/197, com a redação dada pela Lei n.º 1.960/209, que não retroagirá ao período anterior à sua vigência. No demais, mantenho inalterada a decisão”.

Processo nº 0801186-47.2012.8.12.0017

Autor da notícia: Secretaria de Comunicação - imprensa@tjms.jus.br

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)