Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

08/03/2013 13:08

INSS pede ressarcimento em seis casos de agressão contra a mulher

Carolina Sarres e Carolina Gonçalves, Agência Brasil

Brasília – O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) e a Procuradoria-Geral Federal (PGF) ajuizaram hoje (8) seis ações regressivas de mulheres que sofreram violência doméstica e familiar. Os casos são de Brasília, São Paulo, do Recife, de Itajaí (SC) e Caxias do Sul (RS). Em uma das ações, o INSS pede o ressarcimento de cerca de R$ 22 mil, o que foi pago aos três filhos de uma mulher morta por agressão. Ações regressivas são processos que oneram, posteriormente ao prejuízo e ao pagamento de indenização, algum dano causado a terceiros.

"Todos os casos envolvem crimes gravíssimos - que resultaram em morte, quando normalmente pagamos pensão aos filhos, ou em invalidez permanente da mulher, via de regra, jovens", informou o procurador-geral do INSS, Alessandro Antônio Stefanutto.

Em agosto de 2012, em comemoração ao aniversário da Lei Maria da Penha, foi estabelecido pelo instituto que autores de agressão contra a mulher poderão ter de ressarcir aos cofres públicos os benefícios pagos pela Previdência às vítimas, como auxílio-doença, pensão por morte ou por invalidez. Nesse período, foram ajuizadas nove ações regressivas.

O INSS não tem dados sobre quanto é gasto com esses benefícios, mas a estimativa é de que haja grande prejuízo ao Regime Geral da Previdência Social (RGPS), afetando o pagamento de benefícios a outros segurados. Até agora, o INSS conseguiu a condenação de apenas um agressor, na cidade gaúcha de Lajeado, com a decisão da Justiça no mês passado.

Apesar da dimensão financeira da iniciativa, o objetivo dos ressarcimentos, segundo a Previdência, é prevenir a violência e punir a transgressão. "Não é nosso objetivo arrecadar. Acabaremos arrecadando muito pelo número de ações, mas não temos a ambição de arrecadar R$ 1 com isso, mas de ter mais um instrumento a favor dessa luta", disse Stefanutto.

De acordo com ele, as mulheres ainda sentem vergonha ou não acreditam na eficácia das denúncias contra a violência. Uma das intenções de divulgar o projeto é estimular as pessoas que sofreram algum tipo de agressão a procurar o Instituto Maria da Penha, ligar para o 180 ou procurar o próprio INSS para que os casos sejam analisados.

Edição: Graça Adjuto

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)