Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

11/04/2004 09:42

Inscrições para concurso na Força Áerea

Assessoria Imprensa

Confira abaixo todas as informações do concurso da Força Áerea

DEPARTAMENTO DE ENSINO
ACADEMIA DA FORÇA AÉREA

EDITAL No- 1, DE 1o- DE ABRIL DE 2004CONCURSO
PÚBLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO
DE CARGOS DE PROFESSOR ASSISTENTE NÍVEL 1 DA
CARREIRA DO MAGISTÉRIO DA AERONÁUTICA

O Comandante da Academia da Força Aérea (AFA), por delegação de competência do Exmo. Sr. Diretor-Geral do Departamento de Ensino da Aeronáutica torna pública a realização de Concurso Público de Provas e Títulos, destinado ao provimento de Cargos de Professor Assistente Nível l da Carreira do Magistério da Aeronáutica, com lotação na Academia da Força Aérea, Pirassununga, São Paulo, nos termos da Lei n° 8.112, de 11 de dezembro de 1990, da Portaria n° 824/GM1, de 22 de novembro de 1988, e de acordo com o previsto na Portaria nº 2, de 09 de janeiro de 2004, do Ministério de Planejamento, Orçamento e Gestão, conforme publicação no D.O.U. nº 9, de 14/01/04 e segundo as condições estabelecidas no presente Edital.

1. CONSIDERAÇÕES INICIAIS
Caberá ao Comandante da Academia da Força Aérea (AFA) instituir a Comissão do Concurso Público, designando o seu Presidente.

2. DO REGIME DE TRABALHO E REMUNERAÇÃO
2.1 -O candidato aproveitado assumirá o cargo sob o Regime Jurídico Único instituído pela Lei Nº 8.112, de 11 de dezembro de 1990, para exercer atividades docentes na Academia da Força Aérea, Campo Fontenelle, Pirassununga, SP, como Professor Assistente Nível 1, em regime de trabalho de 40 ( quarenta ) horas semanais, submetendo-se às normas instituídas pelo Comando da Aeronáutica e legislação complementar.
2.2 -A remuneração inicial será a de Professor Assistente Nível 1, em regime de trabalho de 40 (quarenta) horas semanais, de acordo com a tabela de remuneração aplicável ao ensino superior, relativa ao Plano Único de Classificação e Retribuição de Cargos e Empregos, de que trata a Lei nº 7.596, de 10 de abril de 1987, sendo a mesma de R$ 1624,96 ( aí incluídos o Vencimento Básico, a Gratificação de Atividade Executiva - GAE, a Gratificação de Estímulo à Docência - GED e Vantagem Pecuniária Individual)

3. DAS VAGAS
Os cargos a serem preenchidos totalizam 28 ( vinte e oito ) vagas, assim distribuídas:
Disciplinas Nº de Vagas
Filosofia: 01
Sociologia: 01
Administração geral: 06
Comunicação e expressão: 01
Sistemas de informação e administração geral: 02
Economia: 02
Contabilidade e finanças: 06
Recursos humanos e administração geral: 02
Marketing e administração geral: 04
Administração de materiais e administração geral: 02
Administração da produção e administração geral: 01
TOTAL: 28

4. DA INSCRIÇÃO
4.1-LOCAL: ACADEMIA DA FORÇA AÉREA - AFA.
Estrada de Aguaí,Pirassununga, São Paulo.
Divisão de Ensino.
Telefone (019) 3565 7259
4.2-PERÍODO: De 19 de abril a 07 de maio de 2004.
4.3-HORÁRIO: Das 8:00 às 11:30 horas e das 13:00 às 15:30 horas, de 2ª à 6ª feira, apenas nos dias úteis.
4.4-PROCEDIMENTOS
4.4.1-Recolher a taxa de inscrição no valor de R$ 40,00 (quarenta reais), depositados em nome da Academia da Força Aérea, Conta n° 170.500-8, Agência 4.201-3, Banco do Brasil por meio de depósito identificado 120060 00001 129/7.
4.4.2-Preencher a ficha de inscrição, optando por uma única disciplina, anexando o comprovante do recolhimento da taxa de inscrição, duas fotos 3 x 4 recentes e iguais e munido de documento de identidade original.
4.4.3-Se portador de deficiência, preencher a declaração no verso da ficha de inscrição.
4.4.4-Para a inscrição por procuração, além da observância aos subitens anteriores, deverá ser apresentado o original do instrumento de mandato acompanhado de fotocópia do documento de identidade do procurador.
4.4.5-Não será admitida a inscrição por via postal.
4.4.6-O candidato deverá apresentar até 07/06/2004 diploma de graduação plena de nível superior na área escolhida ou o mestrado na área escolhida, sendo o título de Mestre obtido em mestrado acadêmico “strictu sensu” autorizado/recomendado pela CAPES, ou título equivalente, emitido por instituição estrangeira, convalidado no Brasil por Instituição competente.

5. REQUISITOS PARA NOMEAÇÃO E POSSE
5.1 -Condições exigidas para provimento em cargo público:
- Nacionalidade brasileira;
- gozo dos direitos políticos;
- quitação com obrigações militares e eleitorais;
- idade mínima de 18 ( dezoito anos );
- aprovação em exame de aptidão física e mental, em Junta de Saúde indicada pela Academia da Força Aérea;
- outras previstas pela legislação pertinente.

6. DA COMISSÃO E DAS BANCAS EXAMINADORAS
6.1 -O concurso será organizado por Comissão do Concurso da Academia da Força Aérea, cujo presidente será nomeado pelo Comandante da Academia de Força Aérea - AFA.
6.2 -A Comissão do Concurso instituirá tantas Bancas Examinadoras quantas forem necessárias, as quais serão compostas por Oficiais e Professores da AFA, podendo, quando necessário, ser convidados participantes de outras organizações, ainda que estranhas ao Comando da Aeronáutica.
6.3 -As provas serão elaboradas, aplicadas, avaliadas e julgadas por Bancas Examinadoras compostas de, pelo menos, 03 ( três ) professores com titulação mínima de mestre, ou professor da classe de Adjunto, designados pelo Presidente da Comissão do Concurso.

7. DAS PROVAS
7.1 -O Concurso Público será realizado de acordo com o Cronograma do Concurso, parte integrante deste Edital (ANEXO I), sendo constituído de Prova Escrita, Prova Didática e Prova de Títulos.
7.2 -A Prova Escrita terá valor de 100 ( cem ) pontos, sendo EXCLUÍDO do Concurso o candidato que não obtiver o mínimo de 60 ( sessenta ) pontos.
7.3 -A Prova Didática terá valor de 100 ( cem ) pontos, sendo EXCLUÍDO do Concurso o candidato que não obtiver o mínimo de 60 ( sessenta ) pontos.
7.4 -A Prova de Títulos terá valor de 100 ( cem ) pontos. Esta prova terá caráter CLASSIFICATÓRIO.
7.5 -O candidato deverá comparecer ao local indicado para as provas, com antecedência mínima de 30 (trinta minutos ) do horário previsto para o início dos trabalhos, munido da Ficha de Inscrição e do original do Documento de Identidade, não sendo aceitas cópias, ainda que autenticadas.
7.6 -Não será permitida a entrada de retardatários.
7.7 -O não comparecimento do candidato a qualquer das provas acarretará a sua eliminação.

8. DA REALIZAÇÃO DAS PROVAS
8.1 -PROVA ESCRITA
8.1.1 -Será realizada no dia 16 de maio de 2004, às 9:00h, na Divisão de Ensino da Academia da Força Aérea não se admitindo a entrada de retardatários. Durante a realização da prova não será permitida qualquer forma de consulta, nem o uso de calculadoras e tampouco a utilização de agendas eletrônicas ou similares, telefone celular, BIP, ou qualquer outro receptor de mensagem.
8.1.2 -Constará de 30 (trinta) questões de múltipla escolha, de igual valor, com quatro alternativas e uma única alternativa correta, sem correção para palpite, versando sobre os assuntos do programa previsto para a disciplina, com duração máxima de 3 ( três ) horas, devendo ser realizada com caneta esferográfica de tinta azul ou preta.
8.2 PROVA DIDÁTICA
8.2.1 -A Prova Didática será aplicada unicamente aos candidatos aprovados na prova escrita e em número que não ultrapasse a 10 (dez) candidatos por vaga existente, obedecida a ordem classificatória da prova escrita.
8.2.2 -A Prova Didática constará de aula, expositiva, com duração de 50 (cinqüenta) minutos, sobre assunto sorteado pelo candidato, com 24 (vinte e quatro) horas de antecedência, observado o programa do Concurso, sendo vedada a assistência da aula pelos demais candidatos. Caberá, ao candidato, providenciar todo o material de apoio de que necessitar.
8.2.3 -Os candidatos selecionados na forma do subitem 8.2.1 deverão tomar conhecimento, na Divisão de Ensino da Academia da Força Aérea, do DIA, HORA e do LOCAL em que serão realizados o sorteio e a Prova Didática.
8.2.4 -Na avaliação da Prova Didática serão considerados: CONHECIMENTO DO ASSUNTO, CAPACIDADE DE SÍNTESE, CLAREZA, ORDEM NA EXPOSIÇÃO , LINGUAGEM, PLANEJAMENTO e UTILIZAÇÃO DE RECURSOS DIDÁTICOS.
8.3 PROVA DE TÍTULOS
8.3.1 -O candidato aprovado na Prova Escrita deverá apresentar, no ato do sorteio do ponto para a Prova Didática, o seu Curriculum Vitae, em 03 ( três ) vias, devendo uma delas estar acompanhada dos documentos comprobatórios, conforme especificado no item 4.4.6.
8.3.2 - No julgamento da Prova de Títulos, serão considerados:
8.3.2.1 -Formação Acadêmica: até 70 ( setenta ) pontos.
Curso de Graduação até 15 pontos.
Curso de Especialização até 05 pontos.
Mestrado até 20 pontos.
Doutorado ou Livre-Docênciaaté 30 pontos.
8.3.2.2 - Experiência Profissional: até 20 ( vinte ) pontos.
Docência de aulas, até 02 pontos para cada ano comprovado, em disciplinas de 3º grau.
Experiência gerencial, até 02 pontos para cada ano comprovado.
8.3.2.3 - Trabalhos publicados: até 10 ( dez ) pontos.
Livros até 05 pontos.
Publicação em revista especializada ou comercial até 05 pontos.
Apresentação de trabalhos em congressos até 05 pontos.
8.3.3 - Os diplomas, certificados e comprovantes outros de conclusão de cursos, inclusive de mestrado e doutorado, serão considerados apenas quando expedidos por Instituição de Ensino Superior pública ou privada credenciada e curso autorizado/reconhecido pelo MEC, e observadas as normas que lhes regem a validade. O curso de Especialização, em particular, somente será julgado se tiver duração mínima de 360 horas, com a apresentação de avaliação formal, histórico das disciplinas cursadas e realizado por Instituições de Ensino públicas ou privadas, igualmente credenciada e curso autorizado/ reconhecido pelo MEC.
8.3.4 - Os documentos relativos a cursos realizados no exterior só serão considerados quando traduzidos para a Língua Portuguesa por tradutor oficial, e atendidas também as condições para a sua validade em território nacional.

9. DA INTERPOSIÇÃO DOS RECURSOS
9.1 - O candidato poderá, no prazo de até 48 ( quarenta e oito ) horas após a divulgação do resultado da Prova Escrita pela Comissão do Concurso, interpor recurso ao Comandante da AFA, sobre a referida prova.
9.2 - O recurso deverá ser protocolado na Secretaria da Divisão de Ensino da AFA, a qual o encaminhará à Comissão do Concurso para os procedimentos necessários, sendo que a decisão sobre o recurso será homologado pelo Comandante da AFA. O recurso terá indeferimento liminar se não for fundamentado, nem indicar, com precisão, os pontos a serem revistos.
9.3 - Os recursos serão julgados no prazo de 05 ( cinco ) dias úteis, contados após o término do prazo previsto no subitem 9.1.
9.4 - Não caberá recurso para as Provas Didática e de Títulos.

10. DA DIVULGAÇÃO E HOMOLOGAÇÃO DOS RESULTADOS
10.1 - Os resultados parciais e finais serão divulgados pela Comissão do Concurso, por meio de editais, em local próprio da Divisão de Ensino da AFA.
10.2 - O resultado final do concurso ( classificação dos candidatos ) será homologado pelo DEPENS, cujo ato será publicado no Diário Oficial da União.

11. DA CLASSIFICAÇÃO
11.1 - Os candidatos habilitados serão classificados segundo a ordem decrescente das notas finais ( totalização dos pontos das três provas ) obtidas no Concurso Público de Provas e Títulos. Ocorrendo empate entre candidatos, serão observados, sucessivamente, os seguintes critérios:
11.1.1 -maior pontuação na Prova Escrita;
11.1.2 -maior pontuação na Prova Didática;
11.1.3 -maior pontuação na Prova de Títulos;
11.1.4 -maior tempo de atividades de Magistério;
11.1.5 -maior tempo de serviço público federal; e
11.1.6 -maior idade.
11.2 -O aproveitamento dos candidatos será feito rigorosamente na ordem de classificação. Em caso de desistência, de não assunção do cargo no prazo regulamentar, ou, ainda, de não serem satisfeitas as condições de ingresso, será aproveitado o candidato que se seguir na ordem de classificação.
11.3 - Os candidatos que, no ato da inscrição, se declararem portadores de deficiência, se selecionados, terão seus nomes publicados em lista à parte, observada a ordem de classificação dentro do limite de vagas reservadas a deficientes.

12. DA VALIDADE DO CONCURSO
12. 1 O Concurso Público de Provas e Títulos terá validade de 02 ( dois ) anos, a contar da data da publicação do resultado final no Diário Oficial da União, sendo prorrogável por mais 02 (dois) anos, a critério do Departamento de Ensino da Aeronáutica.

13. DOS PROGRAMAS
O programa de cada disciplina, parte integrante deste Edital (ANEXO II), estará afixado em local próprio da Divisão de Ensino da AFA.

14. DAS DISPOSIÇÕES FINAIS
14.1 -A titulação que exceder à mínima exigida para o Concurso somente será considerada para fins de progressão funcional depois que o docente cumprir o estágio probatório previsto na legislação vigente, ressaltando-se, ainda, a existência de vagas para o nível imediatamente superior, bem como interesse da administração pública, tudo nos termos dos art. 9° e 10° da Portaria 824/GM1 de 22 de novembro de 1998.
14.2 - Não será permitida a complementação documental fora do prazo fixado para a inscrição.
14.3 - Em nenhuma hipótese haverá restituição da taxa de inscrição.
14.4 - Em hipótese alguma haverá segunda chamada ou revisão de provas.
14.5 - A Comissão do Concurso não se responsabilizará pela não localização do candidato, se o endereço constante da Ficha de Inscrição não estiver atualizado. Em caso de convocação para nomeação, será utilizado o endereço da Ficha de Inscrição.
14.6 - Será excluído do Concurso o candidato que:
14.6.1 - utilizar ou tentar utilizar meio ilícito, bem como praticar ou tentar praticar fraude contra o Concurso em quaisquer de suas fases.
14.6.2 -deixar de comparecer ou chegar atrasado aos locais designados nos dias e horários determinados para a realização dos eventos programados do Concurso;
14.7 - A classificação no Concurso não assegura ao candidato o direito de nomeação para o cargo de professor da carreira do Magistério da Aeronáutica, mas apenas a expectativa de ser admitido, segundo a ordem classificatória, ficando esse ato condicionado à observância das disposições legais pertinentes e ao interesse da administração.
14.8 - A posse e o conseqüente exercício das atribuições do cargo somente se darão na disciplina para a qual o candidato se inscreveu.
14.9 - A inscrição no Concurso implica, desde logo, o conhecimento e a tácita aceitação das condições estabelecidas neste Edital.
14.10 - Será assegurada às pessoas portadoras de deficiências o direito de inscrição no Concurso, desde que tais deficiências sejam compatíveis com as atividades docentes, em obediência ao disposto no § 2° , Art. 5°, da Lei n° 8.112/90.
14.11 - Serão reservados 10% (dez por cento) das vagas, para cada disciplina do Concurso, às pessoas portadoras de deficiências, nos termos do § 2° , Art. 5°, da Lei n° 8.112/90.
14.12 - Na aplicação do percentual a que se refere o item acima, quando o resultado for fração de número inteiro, arredondarse-ão as vagas para o número imediatamente posterior, se a parte fracionária for igual ou maior que 0,5; e para o número imediatamente anterior, se a parte fracionária for inferior a 0,5.
14.13 -No caso de não haver candidatos portadores de deficiência selecionados para o preenchimento das vagas a eles destinados, o número de vagas não preenchidas será destinado aos demais candidatos selecionados, observada a ordem de classificação.
14.14 A Junta de Saúde indicada pela Academia da Força Aérea terá decisão normativa sobre a qualificação ou não do candidato com deficiência e sobre o grau de dificuldade capacitante para o exercício do cargo considerado.
14.15 -Os casos não previstos neste Edital serão resolvidos pelo Comandante da Academia da Força Aérea.

ANEXO I
CRONOGRAMA DE EVENTOS DO CONCURSO PÚBLICO
DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE CARGOS
DE PROFESSOR ASSISTENTE NÍVEL 1 DA CARREIRA DO
MAGISTÉRIO DA AERONÁUTICA.
CALENDÁRIO EVENTOS
19/abr./04 a 07/maio/04 Inscrições.
16/maio/04 Realização da Prova Escrita.
19/maio/04 Resultado da Prova Escrita.
19/maio/04 Divulgação do calendário das Provas de Títulos e Didática
07/jun./04 Início das Provas de Títulos e Didática
OBSERVAÇÃO:
O resultado das provas de Títulos e Didática bem como o resultado final do Processo Seletivo será anunciado posteriormente em função do número de candidatos.

ANEXO II
PROGRAMAS DAS DISCIPLINAS DO CONCURSO PÚ-
BLICO DE PROVAS E TÍTULOS PARA PROVIMENTO DE CARGOS
DE PROFESSOR ASSISTENTE NÍVEL 1 DA CARREIRA
DO MAGISTÉRIO DA AERONÁUTICA.
A bibliografia relacionada ao final de cada programa de matéria é indicada apenas a título de sugestão, cabendo ao candidato a opção e mesmo o dever de pesquisar em outras fontes que tratem do assunto.
PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO GERAL
1-Enfoque Clássico da Administração
1.1-Teoria Científica
1.2-Teoria Anatômica
2-Enfoque Humanista da Administração
2.1-Teoria de Relações Humanas
2.2-Teoria Comportamentalista
3-Enfoque Organizacional
3.1-Teoria Estruturalista
3.2-Teoria Burocrática
3.3-Teoria Geral dos Sistemas
3.4-Teoria da Contingência
3.5-Desenvolvimento Organizacional
4-Enfoque Moderno da Administração
4.1-Técnicas industriais japonesas
4.2-Teoria Neoclássica
4.3-Administração por Objetivos
5-Ação Administrativa
5.1-Planejamento
5.2-Organização
5.3-Processo Decisório
5.4-Direção
5.5-Controle
6-Marketing ( conceitos, teorias e técnicas)
6.1-Marketing de serviço
6.2-Marketing de produto
6.3-Marketing para organizações que não visam ao lucro
6.4-Endomarketing
6.5-Teorias do comportamento do consumidor
7-Vendas
7.1-Gerência de vendas
7.2-Planejamento, organização e controle de vendas
7.3-Equipe, supervisão e remuneração
7.4-Técnicas de vendas
Bibliografia:
1-CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw-Hill, 1989. v. I e II.
2-COBRA, Marcos. Marketing básico. São Paulo: Atlas, 1989.
3-COBRA, Marcos e ZWARG, Flávio A. Marketing de serviços. São Paulo: McGraw-Hill, 1986.
4-KOONTZ e O\'DONELL. Princípios de administração. São Paulo: Pioneira, 1977.
5-KOTLER, Philip. Marketing para profissionais que não visam lucro.
6-MAXIMINIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 1991.
7-MOTTA, Fernando C. Prestes. Teoria geral da administração. São Paulo: Pioneira, 1977.
8-SILVA, A. T. Administração básica. São Paulo: Atlas, 2000.
9-SILVA, Sebastião Orlando da. Estilos de administração. Rio de Janeiro: EDC-ERCA, 1992.
10-SILVA, Reinaldo. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning, 2002.
11-LAS CASAS, A. Administração de vendas. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.
PROGRAMA DE CONTABILIDADE E FINANÇAS
CONTABILIDADE BÁSICA
1-Estática patrimonial (o balanço patrimonial).
2-Procedimentos contábeis básicos (segundo o método das partidas dobradas).
3-As variações do patrimônio líquido: receita, despesa e apuração do resultado; regimes contábeis.
4-Operações com mercadorias: CMV , RCM e critérios de controle no inventário permanente.
5-Balanço patrimonial e demonstração de resultado: aspectos contábeis legais e societários.
6-Devedores duvidosos.
7-Ativo permanente e depreciação.
CONTABILIDADE GERENCIAL
1-Análise de balanços como instrumento de avaliação de desempenho: análise horizontal e vertical; cálculo de quocientes: liquidez imediata, corrente, geral e seco; estrutura de capital; grau de imobilização do patrimônio líquido; quocientes de atividade e rentabilidade.
2-Custos para avaliação, controle e tomada de decisões: fundamentos; relações custo/volume/lucro.
3-Custeio padrão, absorção e variável.
4-Margem de contribuição.
CONTABILIDADE PÚBLICA
1-Contabilidade pública: conceito; campo de atuação; sistema orçamentário, financeiro, patrimonial e de compensação.
2-Regimes contábeis: regime de caixa e regime de competência.
3-Orçamento público e princípios orçamentários.
4-Receita pública e despesa pública.
5-Licitações.
6-Empenho da despesa.
7-Restos a pagar.
8-Regime de adiantamento.
9-Créditos adicionais.
GESTÃO FINANCEIRA
1-Estrutura do Balanço Patrimonial conforme Lei n. 6.404/76; Capital Circulante Líquido CCL e DOAR (Demonstração de Origens e Aplicações de Recursos).
2-Gerência do ativo circulante: caixa, bancos, contas a receber e estoques.
3-Gerência do ativo permanente: ativos permanentes e orçamento de capital.
4-Gerência do exigível a curto prazo e a longo prazo: sistema financeiro nacional; fontes de recursos a curto prazo e longo prazo.
5-Gerência da estrutura do capital: o custo do capital de terceiros e o capital próprio; alavancagem operacional e financeira; política de dividendos.
GESTÃO ORÇAMENTÁRIA
1-Conceitos básicos de planejamento e controle.
2-Princípios fundamentais de planejamento e controle.
3-Sistema de informações.
4-Desenvolvimento do plano de negócios.
5-Planos de: marketing, produção, compras e estocagem, investimentos no ativo permanente, recursos humanos, financeiro e projeção de gastos.
6-Revisão da proposta orçamentária e acompanhamento orçamentário.
CONTROLADORIA E AUDITORIA
1-Gestão empresarial e controladoria.
2-Conceitos básicos para o gerenciamento da informação.
3-Sistema integrado de informações e o conceito de \'äccountability”.
4-Conceito de sistema, a empresa como sistema, filosofia de negócio e objetivos.
5-Conceito de gestão.
6-Sistema de informações contábeis.
7-Sistema de orçamentos (orçamento empresarial integrado).
8-Sistema contábil de informações.
9-Princípios de contabilidade geralmente aceitos.
10-Princípios de auditorias e suas normas usuais.
11-Auditoria externa e interna.
12-Controle interno.
13-Papéis de trabalho.
14-Procedimentos de auditoria.
15-Resultados e eventos subseqüentes.
Bibliografia:
1-Equipe de professores da FEA/USP. Contabilidade Introdutória. Ed. Atlas, 1998.
2-MARION, José Carlos. Contabilidade Básica. Ed. Atlas, 1998.
3-MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. Ed. Atlas, 2003.
4-RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral. Ed. Saraiva, 2000.
5-FIPECAFI (Fundação Instituto de Pesquisas Contábeis, Atuariais e Financeiras. Manual de Contabilidade das Sociedades por Ações aplicável às demais sociedades. Ed. Atlas, 2001.
6-CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Gerencial. Ed. Atlas, 1998.
7-IUDÍCIBUS, Sérgio de. Contabilidade Gerencial. Ed. Atlas, 1998.PADOVEZE, Clóvis Luis. Contabilidade Gerencial. Ed. Atlas, 1997.
8-LEONE, George Guerra. Custos - planejamento, implantação e controle. Ed. Atlas, 2000.
9-PEREZ, José H. Jr. OLIVEIRA, Luis Martins. Contabilidade de custos para não contadores. Ed. Atlas, 1998.
10-ANGÉLICO, João. Contabilidade Pública. Ed. Atlas, 1994.
11-KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública - teoria e prática. Ed. Atlas, 2003.
12-KOHAMA, Heilio. Balanços públicos. Ed. Atlas, 2000.
13-PISCITELLI, Roberto Bocaccio e TIMBÓ, Maria Zulene Farias e ROSA, Maria Berenice. Contabilidade pública: uma abordagem da administração financeira pública. São Paulo: Atlas, 2002.
14-NEVES, Silvério dos; VICECONTI, Paulo Eduardo V. Contabilidade avançada e análise das demonstrações financeiras. São Paulo: Frase Editora, 2001.
15-BRIGHAN, E. F. e WESTON, F. Fundamentos da administração financeira. São Paulo: Pearson, 2000.
16-ASSAF Neto, Alexandre. Estrutura e Análise de Balanços - um enfoque econômico-financeiro. São Paulo: Atlas, 2002.
17-WELSCH, Glenn ª Orçamento empresarial. São Paulo: Ed. Atlas, 1996.
18-FREZATTI, Fábio. Orçamento empresarial: planejamento e controle gerencial. Ed. Atlas, 2000.
19-MOREIRA, José Carlos. Orçamento empresarial – manual de elaboração. São Paulo: Atlas, 2002.
20-SANVICENTE, Antonio Zoratto e SANTOS, Celso da Costa. Prática de orçamento empresarial - um exercício programado. São Paulo: Atlas, 1995.
21-FIGUEIREDO, Sandra e CAGGIANO, Paulo César. Controladoria: teoria e prática. São Paulo: Atlas, 1997.
22-GIL, Antônio de Loureiro. Auditoria operacional e de gestão. São Paulo: Atlas, 2000.
23-MOSIMANN, Clara Pellegrinello e FISCH, Silvio. Controladoria: seu papel na administração de empresas. São Paulo: Atlas, 1999.
24-NAKAGAWA, Masayuki. Introdução à controladoria: conceitos, sistemas e implementação. São Paulo: Atlas, 1998.
25-PEREZ JUNIOR, José Hernandez. Controladoria de gestão: teoria e prática. José Hernandez Perez Junior, Armando Oliveira Pestana, Sérgio Paulo Cintra Franco. São Paulo: Atlas, 1995.
26-OLIVEIRA, Luis Martins de e DINIZ FILHO, André. Curso básico de auditoria. São Paulo: Atlas, 2001.
27-CURSO BÁSICO DE AUDITORIA: normas e procedimentos. (CRC). São Paulo: Atlas, 1998.
28-CRUZ, Flávio da. Auditoria governamental. São Paulo: Atlas, 2002.
PROGRAMA DE ECONOMIA
1-Introdução à economia.
2-Teoria do consumidor.
3-Demanda, Oferta e Equilíbrio.
4-Medidas de elasticidade.
5-Teoria da produção.
6-Custos de produção.
7-Estruturas de Mercado.
8-Introdução à Macroeconomia.
9-O governo e o nível de renda.
10-Teoria keynesiana.
11-Modelo IS-LM.
12-Política monetária, fiscal. e cambial.
13-Teorias da inflação e a experiência brasileira de combate à inflação.
14-Setor Externo.
15-Setor público.
Bibliografia:
1-DORNBUSH, R & FISHER, E, Macroeconomia. São Paulo: McGraw-Hill, 1995
2-FERGUSON, C.E., Microeconomia. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 1984
3- FROYEN, R.T. Macroeconomia. São Paulo: Saraiva, 1999.
4-GORDON, R. J. Macroeconomia. 7a. ed. Porto Alegre: Bookman, 2000.
5-MANKIW, N. G., Introdução à economia. Rio de Janeiro: Campus, 1997.
6-Manual de Economia Equipe de professores da USP. São Paulo: Saraiva, 2003.
7-PINDYCK, R.S. e RUBINFELD, D.L. Microeconomia. 5a. ed. São Paulo: Prentice House, 2002.
8-SACHS, J. D. e LARRAIN, F. B. Macroeconomia. São Paulo: Makron Books, 2000.
9-SALVATORE, D., Microeconomia. São Paulo: McGraw- Hill, 1984
10-SIMONSEN, M.H. e CYSNE, R.P. Macroeconomia. 2a. ed. Rio de Janeiro: Atlas, FGV, 1995.
11-SOUZA, NALI DE JESUS. Curso de economia. 2a. ed. São Paulo: Atlas, 2003.
PROGRAMA DE COMUNICAÇÃO E EXPRESSÃO
1-LINGUAGEM, LÍNGUA E ESTILO
Linguagem e língua; língua comum e suas variações; elementos da comunicação e funções da linguagem; denotação e conotação; figuras de linguagem; discurso e texto; gêneros do discurso; estrutura e seqüências discursivas predominantes; marcas lingüísticas recorrentes; intertextualidade.
2-ENSINO DA LÍNGUA, VARIAÇÃO E NORMA LINGÜÍSTICA
Concepções de gramática; diferenças entre padrão oral e padrão escrito; norma culta; propriedades morfológicas e sintáticas; conexões entre orações e períodos: coordenação e subordinação; léxico.
3-PRÁTICAS DE LEITURA E PRODUÇÃO DE TEXTO
O texto como unidade de sentido: mecanismos de coesão e fatores de coerência.
4-LITERATURA
A literatura e sua história; obras e autores representativos; paradigmas estéticos e movimentos literários em língua portuguesa; teatro e gênero dramático; romance, novela e conto.
Bibliografia:
1-BARROS, D.L.P. Teoria semiótica do texto. São Paulo: Ática, 1990.
2-BECHARA, E. Moderna gramática portuguesa. Rio de Janeiro: Lucerna, 2001.
3-BOSI, A. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1997.
4-CÂMARA JR, J.M. Estrutura da língua portuguesa. Petrópolis: Vozes, 2002.
5-FIORIN, J.L. & SAVIOLI, F.P. Para entender o texto - leitura e redação. São Paulo: Ática, 2002.
6-________ Lições de texto: leitura e redação. São Paulo: Ática, 2003.
7-FIORIN, J. L. Elementos de análise do discurso. São Paulo: Contexto/Edusp, 1989.
8-GARCIA, O.M. Comunicação em prosa moderna. Rio de Janeiro: FGV e Biblioteca do Exército.
9-GNERRE, M. Linguagem, escrita e poder. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
10-KLEIMAN, A.B. Texto e leitor. Campinas: Pontes, 1997.
11-KOCH, I.V. O texto e a construção de sentidos. São Paulo: Contexto, 1997.
12-________. A coesão textual. São Paulo: Contexto, 1991.
13-KOCH, I.V. & TRAVAGLIA,L.C. A coerência textual. São Paulo: Contexto, 1991.
14-MESERANI, S. O intertexto escolar: sobre leitura, aula e redação. São Paulo: Cortez, 1995.
15-ROCHA LIMA, C.H. Gramática normativa da língua portuguesa. Rio de Janeiro: José Olympio.
16-POSSENTI, S. Discurso, estilo e subjetividade. São Paulo: Martins Fontes, 2001.
17-THEREZO, G.P. Ccomo corrigir redação. Campinas: Alínea, 2002.
PROGRAMA DE SOCIOLOGIA
1-Fundamentos da Sociologia.
Origem histórica da sociologia. Teorias sociológicas e questões metodológicas. A questão do objeto da Sociologia em Marx, Durkheim e Weber. Socialização e comunicação simbólica. Cultura e Aculturação. Meios e modos de controle social. Normas explícitas e implícitas. Status social. Papéis, expectativas e normas. Estratificação social: grupos e categorias sociais. A questão da desigualdade social. Mobilidade social. Fatores de mudança social e cultural. Castas, estamentos e classes. Mudança, desenvolvimento e progresso: teorias da mudança social. Instituições sociais. Universalidade, origem e interdependência das instituições. Interação e ação social: cooperação e competição. Ação coletiva e movimentos sociais. A força na vida social: o uso da força e o estabelecimento de valores e normas como formas de controle social. Tipos, agências e meios de controle social. Revolução e contra-revolução. Religião, moralidade e controle social. O Direito no sistema de controle social. A Educação como forma de controle social.
2-Sociologia organizacional
Sociologia e administração. O homem no trabalho: cultura e estrutura das organizações.
Processos organizacionais: formas de controle organizacional. O poder nas organizações. Processo de comunicação nas organizações. Burocracia administrativa: Weber e Merton.
As organizações na sociedade. As organizações no ambiente sócio-cultural brasileiro.
3-Sociologia da sociedade brasileira
Análise da sociedade brasileira: capitalismo europeu e sociedade colonial brasileira. Independência e formação da identidade brasileira. A passagem do trabalho escravo para o trabalho livre. Sociedade agrária brasileira na 1ª República: coronelismo e mandonismo. Conflitos sociais no campo: messianismo e cangaço. As lutas operárias das primeiras décadas do século XX. Sociedade brasileira no pós 2ª-guerra: processo de industrialização no Brasil Forças Armadas e Estado no Brasil. Associativismo e relações de trabalho no Brasil atual O Brasil no contexto internacional contemporâneo. O atual ambiente sócio-cultural brasileiro: novos movimentos sociais urbanos e rurais. Desenvolvimento tecnológico e sociedade globalizada.
Democracia e cidadania no Brasil.
Bibliografia:
1-ARON, Raymond. As etapas do pensamento sociológico. São Paulo, Martins Fontes, 1993.
2-AVRITZER, Leonardo. Um desenho institucional para o novo associativismo. In Lua Nova, São Paulo, nº 38, 1996.
3-BERGER, Peter. A construção social da realidade. Petrópolis: Vozes, 1973.
4-_______. Perspectivas sociológicas; uma visão humanística, Petrópolis: Vozes, 1997. (original inglês: 1963).
5-BERNARDES, Cyro & MARCONDES, Reynaldo. Sociologia aplicada à administração. 5ª ed. São Paulo: Saraiva, 2000.
6-BOTTOMORE, Tom B. Introdução à sociologia. 9ª ed. Rio de Janeiro: LTC, 1987.
7-CARVALHO, José Murilo de. As forças armadas na primeira república: o poder desestabilizador. In: FAUSTO, Boris (coord.)
História geral da civilização brasileira. 2ª ed. Tomo III: O Brasil republicano, 2º volume: Sociedade e instituições (1889-1930). São Paulo: Difel, 1978.
8-COULSON, Margaret A. e RIDDELL, David, S. Introdução crítica à sociologia. Rio de Janeiro: Zahar, 1979.
9-DAGNINO, Evelina. Os movimentos sociais e a emergência de uma nova noção de cidadania. In: DAGNINO, Evelina. (org.) Anos 90: política e sociedade no Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1994.
10-DAVIS, Keith & NEWSTROM, John W. Comportamento humano no trabalho. Vol. II: uma abordagem organizacional. São Paulo: Pioneira, 2001.
11-FAORO, Raymundo. Os donos do poder. Porto Alegre: Editora Globo, 1958.
12-FERNANDES, Florestan. A revolução burguesa no brasil. Rio de Janeiro: Zahar, 1975.
13-FRANCO, Maria Sylvia de Carvalho. Homens livres na ordem escravocrata. São Paulo: Ática, 1976.
14-FRASER, Nancy. Rethinking the public sphere; a contribution to the critique of actually existing democracy. In: The phantom public sphere. Univ. of Minnesota Press, 1995.
15-FREYRE, Gilberto. Casa grande & senzala. 16ª ed. Rio de Janeiro: José Olympio, 1973.
16-GIDDENS, Anthony. Capitalismo e moderna teoria social. Lisboa: Presença, 1990.
17-HIRSCHMAN, Albert. De consumidor à cidadão. São Paulo: Brasiliense, 1983.
18-LAKATOS, Eva Maria. Sociologia da administração. São Paulo: Atlas, 1999.
19-PRADO JÚNIOR, Caio. História econômica do Brasil. 30ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1984. (1ª ed.: 1945).
20-________. Formação do brasil contemporâneo. São Paulo: Brasiliense, 1992.
21-SALES, Teresa. Raízes da desigualdade social na cultura política brasileira. In: Revista brasileira de ciências sociais. ANPOCS, nº 25, ano 9, junho de 1994.
22-SARTORI, Giovanni. A teoria da democracia revisitada; o debate contemporâneo. (vol. 2). São Paulo: Ática, 1994.
23-TELLES, Vera. Cultura da dádiva, avesso da cidadania. In: Revista brasileira de ciências sociais. ANPOCS, nº 25, ano 9, junho de 1994.
24-VILA NOVA, Sebastião. Introdução à sociologia. 5ª ed. São Paulo: Atlas, 2000.
25-VITA, Álvaro de. Sociologia da sociedade brasileira. 6ª ed. São Paulo: Editora Ática, 1997.
PROGRAMA DE FILOSOFIA
1-Reflexão e método filosófico.
As peculiaridades do pensamento filosófico.
Desenvolvimento do raciocínio lógico e crítico: elementos da lógica formal.
2-As principais correntes filosóficas ocidentais.
O desenvolvimento histórico do pensamento filosófico nas civilizações grega e romana antigas, medieval ocidental e moderna. Grandes formulações do pensamento contemporâneo.
3-Ética e cidadania
As reflexões da antropologia filosófica: o homem na sociedade atual. As principais formulações filosóficas no campo da ética e da política. A filosofia moral: caráter histórico, pessoal e social dos valores. O campo da ética: dever, consciência moral e conflitos éticos. Cultura, valores e normas sociais. Controle social e a questão da liberdade. Ética profissional no cotidiano. A ética nos negócios e os desafios morais na empresa.
4-Filosofia da Administração
Fundamentos filosóficos das teorias e práticas administrativas
As ideologias na Administração.
Bibliografia:
1-ABBAGNANO, Nicola. Dicionário de filosofia. São Paulo: Mestre Jou, 1970.
2-ABRÃO, Bernadette S (org.). História da filosofia. Col. \"Os Pensadores\". São Paulo: Nova cultural, 1999.
3-AJDUKIEWICZ, Kazimierz. Problemas e teorias da filosofia: teoria do conhecimento e metafísica. São Paulo: Ciências Humanas, 1979.
4-BOCHENSKI, I. M. A filosofia contemporânea ocidental. São Paulo: EDUSP, 1975.
5-BORNHEIM, Gerd A. Introdução ao filosofar; o pensamento filosófico em bases existenciais. Porto Alegre: Globo, 1970.
6-CAMARGO, Marculino. Fundamentos de ética geral e profissional. Petrópolis: Vozes, 1999.
7-CARRAHER, David W. Senso Crítico. 4ª ed. São Paulo: Pioneira, 1997.
8-CASSIER, E. Antropologia filosófica. São Paulo: Mestre Jou, 1972.
9-CHALMERS, Alan F. O que é ciência afinal? São Paulo, Brasiliense, 1998.
10-CHARBONNEAU, P. E. Curso de filosofia: lógica e metodologia. São Paulo: EPU, 1986.
11-CHÂTELET, François (org.). História da Filosofia; idéias, doutrinas. Rio de Janeiro, Zahar, 1987. 8 v.
12-CHÂTELET, François. A filosofia e a história. Vol. 5. Rio de Janeiro, Zahar Editores, 1990.
13-CHAUÍ, Marilena. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 1981.
14-CHAUÍ, Marilena et al. Primeira filosofia: lições introdutórias. São Paulo: Brasiliense, 1984.
15-CHEVALLIER, J. J. História do pensamento político. Rio de Janeiro: Zahar, 1982.
16-COPI, Irving M. Introdução à Lógica. 3º ed. São Paulo: Mestre Jou, 1981.
17-CORBISIER, Roland. Introdução à filosofia. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1983.
18-COSTA, Newton C. Ensaio sobre os fundamentos da lógica. São Paulo: Hucitec & Edusp, 1980.
19-GILES, Thomas R. Introdução à filosofia. 3ª ed. São Paulo: EPU, 1980.
20-HEMPEL, Carl. Filosofia das Ciências Naturais. Rio de Janeiro, Zahar, 1981.
21-HODGKINSON, Christopher. Proposições para uma filosofia da administração. São Paulo: Atlas, 1983.
22-JASPERS, Karl. Introdução ao pensamento filosófico. São Paulo: Cultrix, 1971.
23-KONDER, L. O que é dialética. São Paulo: Brasiliense, 1981.
24-LOSEE, John. Introdução histórica à filosofia da ciência. Ed. Itatiaia e EDUSP, 1979.
25-LUCKESI, Cipriano C. & PASSOS, Elizete S. Introdução à filosofia; aprendendo a pensar. São Paulo, Cortez, 1985.
26-LUNGARZO, Carlos. O que é Lógica. 2ª ed. São Paulo: Brasiliense, 1990.
27-MARCUSE, H. Cultura e sociedade. Vol. I. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1997.
28-MÁTTAR, João. Filosofia e administração. São Paulo: Makron Books, 1997.
29-NIETZSCHE, F. A gaia ciência. In: \"Os pensadores\". Vol. XXXII, 3ª ed. São Paulo: Abril Cultural, 1983.
30-NOGARE, Pedro D. Humanismos e anti-humanismos; introdução à antropologia filosófica. 10ª ed. Petrópolis: Vozes, 1985.
31-ORTEGA Y GASSET, José. O que é filosofia. Ed. Iberoamericana.
32-POPPER, Karl. La lógica de la investigación científica. Madrid, Editorial Tecnos, 1971.
33-PORTY, R. A filosofia e o espelho da natureza. Rio de Janeiro: Relume Dumará, 1995.
34-PRADO JÚNIOR, Caio. Introdução à lógica dialética. São Paulo: Brasiliense, 1974.
35-ROUANET, Sérgio Paulo. As razões do Iluminismo. São Paulo, Companhia das Letras, 1987.
36-RUSSELL, Bertrand. Fundamentos de Filosofia. Rio de Janeiro: Zahar, 1977.
37-SALMON, Wesley C. Lógica. 3a ed. Prentice-Hall, 1993.
38-SEVERINO, Antônio. J. Filosofia. São Paulo: Cortez, 1992.
39-SEVERINO, Emanuele. A filosofia contemporânea. Lisboa, Edições Setenta, 1986.
40-SCIACCA, Michele F. História da filosofia. Paulo: Mestre Jou, 1966. [1ª ed. italiana: 1941. 3 v.]
41-VÁSQUEZ, Adolfo S. Ética. Rio de Janeiro: Brasiliense, 1998.
42-WOLFANG, S. A filosofia contemporânea. São Paulo: EDUSP, 1977.
PROGRAMA DE SISTEMA DE INFORMAÇÃO E ADMINISTRAÇÃO GERAL
1.Evolução histórica da teoria administrativa.
2.Novos modelos de Administração.
3.Conceito de dado, informação e conhecimento.
4.Qualidade e segurança de dados.
5.Conceito de sistemas.
6.Conceito de Sistemas de Informação.
7.Conceitos e aplicações de Sistemas de Informação.
8.Conceitos e aplicações das principais Tecnologias da Informação:
Business to Business - B2B, Business to Consumer B2C,
Business to Government - B2G, Enterprise Resource Planning - ERP,
Customer Relationship Management - CRM, Supply Chain Management
- SCM, Sistemas de Apoio á Decisão - SAD, Business Inteligence
- BI e Knowlegde Management - KM.
Bibliografia:
1-BOGUI, Cláudio e SHITUKA, Ricardo. Sistemas de Informações: um enfoque dinâmico. São Paulo: Érica, 2002, 288p., ISBN 8571949271.
2-CASSARRO, A.C. Sistemas de Informação para tomada de decisões. São Paulo: Editora Pioneira, 1999. ISBN 8522100020
3-CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw Hill., 1989.
4-LAUDON, J. P.; LAUDON, K. C. Gerenciamento de sistemas de informação. São Paulo: LTC, 3. ed., 2001 ISBN8521612672.
5-MANAS, A.V. Administração de sistemas de informação. São Paulo: Editora Érica, 1999. ISBN 8571946353.
6-MAXIMINIANO, Antonio Cesar Amaru. Introdução à administração. São Paulo: Atlas, 1991.
7-MELO, I. S. Administração de sistemas de informação. São Paulo: Pioneira, 1999. ISBN 8522102104.
8-OLIVIEIRA, J. F. Sistemas de informação: um enfoque gerencial inserido no contexto empresarial. São Paulo: Érica, 2000.ISBN 8571947422.
9-POLLONI, E.G.F. Administrando sistemas de informação: estudo de viabilidade. São Paulo: Futura, 2000. ISBN 8574130281.
10-RODRIGUES BIO, S. Sistemas de Informação: Um enfoque gerencial. São Paulo: Atlas, 1985.
PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO DE RECURSOS
HUMANOS E ADMINISTRAÇÃO GERAL
1-Evolução histórica da teoria administrativa.
2-Taylor e a administração científica.
3-Fayol e o processo organizacional.
4-Max Weber e a burocracia.
5-Enfoque humanista.
6-Enfoque sistêmico.
7-Novos modelos de administração.
8-Abordagem sistêmica de RH.
9-Mercados de trabalho e RH.
10-Recrutamento e seleção e pessoas.
11-Desenho, descrição e análise de cargos.
12-Remuneração, incentivos e benefícios.
13-Treinamento e desenvolvimento de pessoas.
14-Controle e monitoração de pessoas.
15-Banco de dados e sistemas de informações em RH.
16-Higiene, segurança e qualidade de vida no trabalho.
17-Novas perspectivas e tendências para a gestão de RH.
Bibliografia:
1-CHIAVENATO, Idalberto. Recursos Humanos. Edição compacta. São Paulo: Editora Atlas, 2000.
4-Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw-Hill, 2000. V. I e II
5- Gestão de Pessoas. O novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 2002.
6- Gerenciando pessoas. São Paulo: Pratice Hall, 1997.
7-FLEURY, Afonso e FLEURY Maria Tereza. Estratégias empresariais e formação de competências. Um quebra-cabeça caleidoscópico da indústria brasileira. São Paulo: Atlas, 2000.
8-GIL, Antonio Carlos. Administração de Recursos Humanos - Um enfoque profissional. São Paulo: Atlas, 1994.
9-MAXIMIANO, A . C. A . Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas, 2000.
10-MILKOVICH, George T. e BOUDREAU, John W. Administração de recursos humanos. São Paulo: Atlas, 2000.
11-PACHECO JR, Waldemar et. all. Gestão da segurança e higiene do trabalho. São Paulo: Atlas, 2000.
12-SILVA, Reinaldo. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning, 2002.
13-VERGARA, Sylvia C. Gestão de pessoas. São Paulo: Atlas, 2000.
14-VRIES, Manfred F.R.K. de. Liderança na empresa: como o comportamento dos líderes afeta a cultura interna. São Paulo: Atlas, 1997.
PROGRAMA DE MARKETING, VENDAS E ADMINISTRAÇÃO
GERAL
1-Evolução histórica da teoria administrativa.
2-Taylor e a administração científica.
3-Fayol e o processo organizacional.
4-Max Weber e a burocracia.
5-Enfoque humanista.
6-Enfoque sistêmico.
7-Novos modelos de administração.
8-Objetivos gerais da função de marketing.
9-.Conceituação e evolução. Tipos de mercados.
10-Conhecimento sobre o cliente e segmentação de mercado.
11-Comportamento do consumidor.
12-Composto de marketing. Conceito e componentes de um sistema de informática de marketing.
13-Administração de marketing e o sistema de informação de marketing.
14-Marketing de serviço.
15-Marketing de produto.
16-Marketing para organizações que não visam ao lucro.
17-Endomarketing
18-Vendas: Administração, gerência, equipe, remuneração e técnicas.
Bibliografia:
1-CHASTON, Ian. Excelência em marketing. São Paulo: Makron Books, 1992.
2-CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw-Hill, 2000. V. I e II
3-COBRA, Marcos. Marketing básico. São Paulo. Atlas, 1989.
4-KOTLER, Phillip. Administração de marketing. São Paulo: Atlas, 1999.
5-KOTLER, Phillip. Marketing. São Paulo: Atlas, 1999.
6-MAXIMIANO, A . C. A . Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas, 2000.
7-MCKENNA, Regis. Competindo em tempo real. São Paulo: Campus, 1998.
8-MCKENNA, Regis. Marketing de relacionamento. São Paulo: Campus, 1992.
9-SILVA, Reinaldo. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning, 2002.
10-LAS CASAS, A. 4ª ed. São Paulo: Atlas, 1998.
PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO DE MATERIAIS E ADMINISTRAÇÃO GERAL
1-Evolução histórica da teoria admnistrativa.
2-Taylor e a administração científica.
3-Fayol e o processo organizacional.
4-Max Weber e a burocracia.
5-Enfoque humanista.
6-Enfoque sistêmico.
7-Novos modelos de administração.
8-Administração de materiais e patrimoniais nas empresas públicas e privadas.
9-A importância da administração de materiais e patrimoniais na obtenção dos objetivos da empresa.
10-Os sistemas de administração: normatização, controle, aquisição, armazenamento e manutenção.
11-As estratégias na utilização dos recursos patrimoniais e de materiais.
12-As disponibilidades dos recursos patrimoniais e materiais, e o impacto na produtividade e lucratividade.
13-Dimensionamento de controle de estoques.
Bibliografia:
1-CHIAVENATO, Idalberto. Iniciação à administração de materiais. São Paulo: Makron books, 2000.
2-CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw-Hill, 2000. V. I e II
3-DIAS, Marco Aurélio P. Administração de materiais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, 1993.
4-HOBBS, J. A . Controle de estoque e de produção. São Paulo: Makron books, 1989.
5-MAXIMIANO, A .C. A . Teoria Geral da administração. São Paulo: Atlas, 2000.
6-OHNO, T. O Sistema Toyota de produção : além da produção em larga escala. São Paulo: Bookman , 2002.
7-POZO, Hamilton. Administração de recursos materiais e patrimoniais: uma abordagem logística. São Paulo: Atlas, 2002.
8-SILVA, Reinaldo. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning, 2002.
9-SHINGO, S. Sistema de produção com estoque zero : O sistema Shingo para melhorias contínuas. São Paulo : Bookman , 2002.
10-VIANA, J. J., Administração de Materiais: um enfoque prático. São Paulo: Atlas, 2000.
PROGRAMA DE ADMINISTRAÇÃO DA PRODUÇÃO E ADMINISTRAÇÃO GERAL
1-Evolução histórica da teoria administrativa.
2-Taylor e a administração científica.
3-Fayol e o processo organizacional.
4-Max Weber e a burocracia.
5-Enfoque humanista.
6-Enfoque sistêmico.
7-Novos modelos de administração.
8.Fundamentos da gestão da produção: conceituação, origens e evolução.
9-Lay-outs, procedimentos de controle, técnicas de controle de estoque, conceitos de logística, métodos de controle de fluxos de materiais e insumos, abordagens específicas (just in time, Kan ban, células e manufatura).
10- Capacidade e organização da produção.
11-Aspectos do panorama competitivo industrial e sua relação com a administração de produção.
12-Competitividade e produtividade.
13-Tecnologias, estratégias empresariais para P&D.
14-Automação e robotização. Mudanças tecnológicas.
15-Desenvolvimento de novos produtos. Sistemas de gestão da produção e a escolha de SAP nas empresas.
16-Qualidade e produtividade. Modelos de qualidade.
Bibliografia:
1-CHIAVENATO, Idalberto. Teoria geral da administração. São Paulo: McGraw-Hill, 2000. V. I e II
2-GOLDRATT, Elyahu M. e COX. Jeff. A meta. São Paulo: Educator Editora, 1997.
3-JURAN, J. M. A qualidade desde o projeto. São Paulo: Pioneira, 1997.
4-MAYER, R. R. Administração da produção. São Paulo: Atlas, 1996.
5-MAXIMIANO, A . C. A . Teoria geral da administração. São Paulo: Atlas, 2000.
6-MEREDITH, J. R. e SHAFER, S.M. Administração da Produção para MBAs. São Paulo: Bookman, 2002.
7-MIRSHAWKA, Victor. A implantação da qualidade e produtividade. São Paulo: McGraw-Hill, 1990.
8-MOREIRA, Daniel A . Administração da produção. São Paulo: Pioneira, 1994.
9-MOREIRA, Daniel A . Os benefícios da produtividade industrial. São Paulo: Pioneira, 1994. Bookman , 2002.
10-SILVA, Reinaldo. Teorias da administração. São Paulo: Pioneira/Thompson Learning, 2002.
11-SLACK, N. et.all. Administração da produção. Edição compacta. São Paulo : Atlas, 1999.
12-SLACK, N. et.all. Administração da produção. São Paulo : Atlas, 1999.
13-TACHIZAWA, T. e SCAICO, O. Organização flexível :qualidade na gestão por processos. São Paulo : Atlas, 1997.
14-TUBINO, D.F. Sistemas de Produção: a produtividade no chão de fábrica. São Paulo: Bookman , 2002.
15-TUBINO, Dalvo F. Manual de planejamento e controle de produção. São Paulo: Atlas, 2000.

BRIG.-DO-AR-MARCO AURÉLIO GONÇALVES MENDES
DEPARTAMENTO DE PESQUISAS



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)