Cassilândia, Domingo, 28 de Maio de 2017

Últimas Notícias

28/09/2005 14:26

Indústria compensa a queda agrícola

Famasul

Depois de um começo de ano desaquecido, com muitas preocupações sobre a valorização do real frente ao dólar e as sucessivas altas na taxa de juros, o setor industrial brasileiro retomou a trajetória de crescimento, levando a Confederação Nacional da Indústria (CNI) a rever as perspectivas para este ano. Para a CNI, o Produto Interno Bruto (PIB) do país deve crescer 3,5%, contra a previsão anterior de 3,2%. O PIB industrial também ficará um pouco maior — dos 4,2% esperados inicialmente, a CNI agora acredita num crescimento de 4,4%.

Mas se as perspectivas da indústria são de um fim de ano melhor, com otimismo para 2006, a agricultura, pecuária e o agronegócio já consideram 2005 como um ano perdido. A desaceleração do setor no fechamento do primeiro semestre foi forte, com redução de 5,18% no PIB da agropecuária entre janeiro e junho. E os próximos meses não devem melhorar esse cenário.

“Até o final do ano, a atividade rural deverá atingir um PIB anual de R$ 144,7 bilhões, frente aos R$ 160,6 bilhões de 2004. É uma diminuição de 9,93% na renda dos produtores em 2005”, avalia o chefe do Departamento Econômico da Confederação Nacional da Agricultura (CNA), Getúlio Pernambuco.

Isoladamente, a agricultura tem o pior panorama para o futuro próximo, com uma perda de faturamento estimada em R$ 15 bilhões — ou seja, uma queda de 16,4% na renda obtida com as lavouras em comparação com o resultado do ano passado. Nem parece o setor que, apenas no primeiro semestre de 2003, cresceu 14,5%. Já a queda no setores agropecuário e do agronegócio juntos será menor, de 1,15%. O PIB estimado somará R$ 527,84 bilhões, contra R$ 533,98 bilhões do ano passado.

Enquanto isso, uma otimista CNI calcula que a inflação (IPCA) ficará na meta pretendida pelo Banco Central, em 5,1%. Por isso, os industriais acreditam numa redução maior da taxa de juros (Selic), que fecharia o ano em 17,5% (hoje está em 19,5%). “Mesmo assim ainda teríamos a maior taxa de juros real do mundo”, diz o coordenador da unidade de política econômica da CNI, Flávio Castelo Branco.

Motivos

Os maiores argumentos da indústria, porém, vêm do ritmo forte que continua prevalecendo nas exportações – o saldo da balança comercial dos últimos 12 meses já ultrapassou os US$ 40 bilhões. Além disso, o setor entende que a expansão do crédito (especialmente o consignado, que já representa 35% do total de crédito pessoal no país) e do rendimento médio real impulsionam o consumo das famílias brasileiras.

Esse consumo familiar também foi revisado para cima pela CNI, que prevê uma ampliação de 3,2% este ano (era 2,9% nas previsões iniciais). “Teremos um fim de ano com maior demanda das famílias, inflação em queda e crescimento real dos salários, sem falar nas exportações”, diz o economista Paulo Mol, também da CNI.

No campo, o retrato é o oposto. Segundo a CNA, a redução no faturamento do setor é conseqüência direta das perdas com seca, que atingiu importantes áreas produtoras na última safra, e da queda de preços de certas commodities. Alguns produtos, como o milho, são emblemáticos. A colheita deste ano, além de menor que no ano passado (34,9 milhões de toneladas, contra 49,7 milhões em 2004), também teve problemas de preço. Em 2004, o milho era negociado a R$ 330 por tonelada, mas caiu para R$ 290. Mesmo a grande vedete do agronegócio, a soja, que valia R$ 790 por tonelada no ano passado, agora é negociada a R$ 560.

Autor:
CNA

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 28 de Maio de 2017
Sábado, 27 de Maio de 2017
10:00
Receita do Dia
Sexta, 26 de Maio de 2017
10:01
Cassilândia
10:00
Receita do Dia
Quinta, 25 de Maio de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)