Cassilândia, Sexta-feira, 09 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

10/01/2004 11:02

Índios divididos se acusam na questão da homologação

Luciana Vasconcelos/ABr

Os índios em Roraima estão divididos entre aqueles que querem a homologação contínua e os contrários à decisão do governo federal. Eles não se entendem. Todos falam em manipulação, seja por parte de organizações que seduzem os índios a defenderem a homologação, seja por parte dos fazendeiros e do governo, que são contra.

Cada parte diz que conta com o apoio da maioria dos índios. O CIR (Conselho Indigenista de Roraima) que defende a homologação contínua e diz representar 47 mil índios, apresenta um mapa com a localização de malocas e de moradores. O coordenador geral da organização, Jacir José de Souza Macuxi, mostra quais são as malocas contrárias à homologação e diz que o total não chega a 20% de todos os índios que vivem na Raposa Serra do Sol.

Já os contrários à homologação chegam a afirmar até que 80% dos índios apóiam a causa. O Presidente da Sociedade de Defesa do Índio do Norte de Roraima (Sodiur), Jonas Marcolino Tuxaua, disse que um plebiscito comprovaria que a maioria não quer a homologação contínua. “Lutamos pela área não contínua para que todos os brasileiros que ali estão tenham seus direitos assegurados”, disse.

Para o administrador substituto da Fundação Nacional do Índio (Funai) no estado, Manuel Tavares, a manifestação é lamentável. “É orquestrada pelos plantadores de arroz que conseguiram envolver uma minoria de índios neste movimento e passar a idéia de que os índios são contrários a demarcação”, afirmou.

Jacir Macuxi acredita que a homologação contínua vai auxiliar no desenvolvimento das comunidades indígenas. “Queremos também desenvolver e mostrar a nossa realidade”, destacou. Segundo ele, não há como trabalhar junto com os fazendeiros. “Estamos pedindo que os rizicultores e fazendeiros dêem oportunidade aos que querem comercializar também com carne e outros produtos”, disse.

Os índios favoráveis à homologação contínua criticam a presença de grandes fazendeiros na região. Segundo afirmam, a ocupação por fazendas de brancos impede a passagem dos povos indígenas, polui os rios, causa desmatamento e a morte de animais. “Eles não respeitam o meio ambiente. A água do rio fica poluída e prejudica a comunidade próxima”, disse o macuxi Jairo Pereira da Silva,que nasceu na reserva Raposa Serra do Sol.

A coordenadora-geral da Organização das Mulheres Indígenas, Ivete da Cruz, disse que os invasores (como chama os fazendeiros) estão manipulando seus companheiros. Ela se confessa triste quando vê parentes do outro lado. “Fico com pena dos parentes que estão sendo enganados por esses invasores”, ressaltou. Segundo ela, os “invasores” chegam bonzinhos, mas depois prejudicam o índio.

Para o índio e estudante de direito Jonas Marcolino, não há manipulação. “Somos contra pelo fato de existir na região brasileiros não índios e índios, numa convivência de um século, praticamente”, disse. “A área não pode ser demarcada como uma reserva única e exclusiva dos índios, como se os índios vivessem em estado primitivo, como se não conhecessem nenhum sistema de produção. Não podemos isolar a reserva”, defende.

José Novaes, vice-prefeito de Uiramutã, uma das cidades dentro da reserva, acha importante preservar áreas produtivas e municípios que possuem potencial de desenvolvimento. “Temos turismo e agricultura que, a partir do momento da homologação da área contínua, não trão como continuar. Queremos desenvolver, compartilhar a economia, ter auto-sustentabilidade", afirma.

Morador de Uiramutã, o índio macuxi Vicente da Silva Lima se preocupa com o escoamento da produção e acredita que, se a reserva for homologada de forma contínua, a área ficará isolada e vai prejudicar o desenvolvimento local. “Conhecemos bem o processo de demarcação ao ver outras reservas que estão isoladas.Em São Marcos, os índios têm que pedir licença para tudo à Funai”, contou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)