Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

01/09/2006 07:48

Indeferida liminar para suspender ações sobre DPVAT

STF

O Plenário do Supremo Tribunal Federal (STF) indeferiu a liminar em ação proposta pela Confederação Nacional do Sistema Financeiro (Consif) que questiona a vinculação da indenização do Seguro DPVAT a múltiplos de salário-mínimo (artigo 3º da Lei 6.194/1974). A ação alega que a vinculação contraria a Constituição que nega esta possibilidade (artigo 7º, inciso IV, da Constituição Federal). A matéria foi discutida na Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental (ADPF 95).

A Consif alega que mais de 30 mil ações foram ajuizadas na Justiça brasileira por pessoas que buscam o pagamento da diferença entre os valores estabelecidos em resoluções do Conselho Nacional de Seguros Privados (CNSP) e aqueles que seriam devidos, caso observada a vinculação ao salário mínimo estabelecida pelo artigo 3º da Lei n. 6.194/74. Afirma que, embora seja clara a disposição veiculada pelo artigo 7º, IV, da Constituição do Brasil, há julgados dos tribunais admitindo que o artigo 3º da Lei n. 6.194/74 seja compatível com a proibição imposta pelo texto constitucional, de utilização do salário mínimo como fator de atualização monetária.

No pedido de cautelar, a confederação pedia a “suspensão do andamento de todos os processos, ou os efeitos de todas as decisões judiciais ou de quaisquer outras medidas que apresentem relação com a matéria objeto desta demanda, ou seja, que tratem de alguma forma, direta ou incidentalmente, da vinculação do salário mínimo à indenização do Seguro DPVAT, salvo se decorrentes de coisa julgada”.

O ministro Eros Grau, relator da ação, votou pelo deferimento da liminar, já que “o artigo 3º da Lei 6.194 fixou o valor das indenizações do seguro em múltiplos de salário mínimo. Aplicado esse critério ao cálculo das indenizações, isso implica, a meu ver, vinculação vedada pelo artigo 7º, inciso IV, da Constituição”, destacou o ministro-relator. Ele ainda observou que havia também o periculum in mora (perigo de demora) em razão das demandas judiciais sobre o assunto.

“Embora esta Corte tenha considerado possível vincular valores ao salário mínimo em situações excepcionais, creio que a hipótese dos autos não se inclui entre tais exceções”, declarou o ministro. “Ocorre que, aqui, a vinculação ao salário mínimo foi utilizada como critério de isonomia e não para os fins de definição de valores”, observou Eros Grau. Ele ressaltou que, como “na hipótese dos autos o salário mínimo é aplicado para fins remuneratórios e indenizatórios”, existe sim a restrição constitucional.

A ministra Cármen Lúcia Antunes Rocha seguiu o voto do relator, mas, em seguida, o ministro Ricardo Lewandowski abriu a divergência. Segundo o ministro Lewandowski, a finalidade (teleologia) do artigo 7º, inciso IV, da Constituição, conforme o entedimento da Corte, é “pretender vedar o emprego do salário mínimo como fator de unidade monetária ou como fator de indexação de prestações periódicas, e não como parâmetro quantificador de indenização ou valor inicial de condenação”.

O ministro Ricardo Lewandowski afirmou que, além de não observar à luz da jurisprudência da Corte a aparência de validade jurídica do que se alega (fumus boni juris) nesta ADPF 95, não percebe também a ocorrência de prejuízos para a sociedade (periculum in mora) por se tratar de uma lei de 1974.

Os ministros Joaquim Barbosa, Carlos Ayres Britto, Cezar Peluso, Celso de Mello e Ellen Gracie seguiram a divergência aberta por Lewandowski. Foram vencidos os ministros Eros Grau (relator), Cármen Lúcia Antunes Rocha, Marco Aurélio Mello e Gilmar Mendes.

Assim, por seis votos a quatro, os ministros negaram o pedido cautelar ajuizado pela Consif para suspender o andamento de milhares de processos na Justiça, ou a proclamação de decisões sobre a questão, até o julgamento do mérito da ADPF.

Veja o dispositivo questionado:

Lei n. 6.194/74:

“Art. 3º Os danos pessoais cobertos pelo seguro estabelecido no artigo 2º compreendem as indenizações por morte, invalidez permanente e despesas de assistência médica e suplementares, nos valores que se seguem, por pessoa vitimada:
a) - 40 (quarenta) vezes o valor do maior salário-mínimo vigente no País - no caso de morte;
b) - Até 40 (quarenta) vezes o valor do maior salário-mínimo vigente no País - no caso de invalidez permanente;
c) - Até 8 (oito) vezes o valor do maior salário-mínimo vigente no País - como reembolso à vítima - no caso de despesas de assistência médica e suplementares devidamente comprovadas.”

Texto constitucional supostamente ofendido:

“Art. 7º São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social:

IV - salário mínimo, fixado em lei, nacionalmente unificado, capaz de atender a suas necessidades vitais básicas e às de sua família com moradia, alimentação, educação, saúde, lazer, vestuário, higiene, transporte e previdência social, com reajustes periódicos que lhe preservem o poder aquisitivo, sendo vedada sua vinculação para qualquer fim.”

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)