Cassilândia, Quarta-feira, 25 de Novembro de 2020

Últimas Notícias

12/11/2020 11:00

Incertezas na venda e estiagem mantêm preços de hortifrútis em alta

Quiabo, abacate, milho verde, jiló, pimenta-de-cheiro, banana maça, tomate e batata lisa estão em ritmo crescente nos preços.

Governo de Mato Grosso
Em um comparativo da 1ª semana de março com o mesmo período de novembro, diversos itens comuns na mesa do mato-grossense ainda seguem em ritmo de alta - Foto por: Lucas Diego- SeafEm um comparativo da 1ª semana de março com o mesmo período de novembro, diversos itens comuns na mesa do mato-grossense ainda seguem em ritmo de alta - Foto por: Lucas Diego- Seaf

Mesmo após o início das chuvas e a retomada gradativa do comércio, a crise global de saúde, causada pela Covid-19, ainda afeta o mercado de hortifrutigranjeiros em Mato Grosso. Esta é a conclusão da Secretaria de Estado de Agricultura Familiar (Seaf) ao analisar os preços dos 69 principais produzidos pela agricultura familiar. Em um comparativo da 1ª semana de março com o mesmo período de novembro no comércio hortifrúti da Central de Abastecimento de Cuiabá, diversos itens comuns na mesa do mato-grossense ainda seguem em ritmo de alta.

Quiabo, abacate, milho verde, jiló, pimenta-de-cheiro, banana maça, tomate e batata lisa estão em ritmo crescente nos preços. Segundo a técnica da Seaf, Doraci Maria Siqueira, essa alta é consequência ainda da pandemia. “Com receio de plantar e não ter para quem vender, já que por muitas semanas o comércio ficou fechado, o agricultor familiar paralisou as atividades de plantio e essa decisão acarretou em uma diminuição drástica na oferta dos hortifrutigranjeiros. E com menos produtos em venda os atacadistas tiveram de recorrer a outros estados, com custos de frete, os preços dos itens trazidos de fora subiram”, explica a técnica de carreira da Seaf. Ela acrescenta ainda que a seca prolonga foi outra causa para o aumento. “Os daqui que decidiram manter o cultivo, mas que não têm irrigação na propriedade, tiveram perdas significativas com a demora do período de chuvas”, acrescenta.

Na sequência de alta de preços, a caixa de 14kg do quiabo de R$ 28 subiu para R$ 85. Esse aumento é de 204% em um período de oito meses. A caixa de 20kg do abacate em março era comercializada ao preço de R$ 60. Nesta semana essa mesma quantidade está ao preço de R$ 160, um acréscimo de 167%.

A caixa com 15kg de jiló e 8kg de pimenta-de-cheiro aumentou 116%, passando de R$ 60 para R$ 130 ambos. Milho verde, saca com 45kg, e a banana maçã, caixa com 20kg, dobraram de valor. De R$ 50 foram para R$ 100. Já o tomate, caixa com 20kg, aumentou 50% ao passar de R$ 80 para R$ 120. A batata lisa está 42% mais cara, já que a saca de 50kg passou de R$ 120 para R$ 170.

Queda

Na contramão de alta de preços aparece a cenoura. A raiz reduziu 32%. Em março a caixa de 22kg da cenoura era vendida a R$ 60, e neste mês reduziu para R$ 40.

A mandioca e o limão tahiti estão em ritmo de desaceleração de preços. Em setembro o saco de 22kg da fruta ácida custava R$ 100. Nesta semana está ao preço de R$ 50, mas em março passado custava R$ 35. De setembro a novembro o limão reduziu 50%, porém no comparativo de março e novembro, ele está 42% mais caro.

Já a mandioca, que em outubro chegou a ser vendida a R$ 140 a saca de 50 kg, nesta semana está sendo comercializada a R$ 100, mas em março custava R$ 50.

A tendência, ainda segundo Doraci Siqueira, é que nas próximas semanas, os preços dos produtos produzidos dentro do Estado registrem redução, já que a produção local começa a normalizar.

Cotação

A cotação de preços dos principais produtos da agricultura familiar é realizada semanalmente, todas às terças-feiras sempre às 5h. Os responsáveis pelo serviço são os técnicos da Seaf, Empresa Mato-grossense de Pesquisa, Assistência e Extensão Rural (Empaer) e a prefeitura de Cuiabá.

A pesquisa de preço é realizada na Central de Abastecimento de Cuiabá, levando em conta o preço mínimo mais comum, além preço máximo dos produtos encontrados nas barracas em três horários distintos durante o período matutino.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 25 de Novembro de 2020
Terça, 24 de Novembro de 2020
Segunda, 23 de Novembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)