Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

15/03/2005 09:28

Incabível comutação de pena em caso de crime hediondo

STJ

Impossível comutação de pena referente a crime considerado hediondo, ainda que praticado anteriormente à sua inclusão no rol dos delitos assim denominados. Com esse entendimento, a Sexta Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), por maioria, negou o pedido de habeas-corpus impetrado em favor de Carlos Alves de Araújo, condenado por latrocínio.

Araújo foi condenado a 27 anos e nove meses de reclusão, em regime inicialmente fechado. Tendo cumprido 13 anos e dez meses de sua pena, a Defensoria Pública do Distrito Federal impetrou habeas-corpus. O objetivo era ver reconhecido o seu direito à comutação da pena nos termos do Decreto 4.495/2002, uma vez que os fatos que ensejaram sua condenação ocorreram em período anterior à vigência da Lei nº 8.072/1990, a qual definiu os crimes hediondos.

O pedido de comutação foi indeferido pelo juiz da Vara de Execuções Penais sob o argumento de que o Decreto 4.495/2002 veda a concessão de benefícios aos condenados por crime hediondo. Inconformada, a Defensoria Pública impetrou outro HC perante o Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, novamente indeferido, por maioria de votos.

No STJ, a defensora pública alegou que o indeferimento do benefício constitui aplicação retroativa da lei penal mais gravosa, em aberto confronto com a vedação contida na Constituição Federal.

O relator do processo, ministro Paulo Medina, concedeu o habeas-corpus para que, afastada a vedação à concessão do benefício da comutação quanto ao crime de latrocínio, seja analisada pelo juízo da execução a possibilidade de comutar-se a pena respectiva, obedecidos os parâmetros do Decreto 4.495/2002.

"Tendo sido o delito praticado anteriormente à vigência da lei que o inclui entre os crimes denominados hediondos, descabe considerá-lo como tal para efeito de verificação do preenchimento dos requisitos relativos à comutação, sob pena de restarem violados os princípios constitucionais da legalidade, da anterioridade e da irretroatividade da lei penal mais severa", afirmou o ministro.

Para o ministro Hélio Quaglia Barbosa, é entendimento corrente no STJ, assim como no Supremo Tribunal Federal (STF), que a não-concessão do benefício previsto no artigo 7º do Decreto 4.495/2002 àqueles que praticaram crime considerado hediondo, ainda que antes da entrada em vigor da Lei nº 8.072/90, não ofende a vedação constitucional de irretroatividade da lei penal mais gravosa.

Os ministros Hamilton Carvalhido e Paulo Gallotti votaram com o ministro Hélio Quaglia Barbosa. O ministro Nilson Naves votou com o relator.

Cristine Genú

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)