Cassilândia, Segunda-feira, 21 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

26/11/2003 06:40

Impasse no Senado, votação da reforma fica para hoje

Agência Brasil

Um impasse envolvendo os subtetos salariais nos estados acabou provocando atraso na discussão da reforma da Previdência e, por acordo partidário, o início da votação foi adiado para hoje, em sessão que começará às 9h30 e deve se prolongar por todo o dia. Houve apenas um início de discussão da matéria no final da tarde de ontem .

O impasse foi provocado pelo líder do PMDB, senador Renan Calheiros (AL), que não aceitou a decisão da liderança do governo, após reuniões com os governadores de Minas e do Rio Grande do Sul, de manter na reforma o artigo que trata dos subtetos. Calheiros criticou o governador de Minas, Aécio Neves (PSDB), que veio a Brasília e negociou no Senado a manutenção do subteto. Renan vem defendendo que os senadores suprimam o artigo sobre tetos e que o assunto seja tratado na chamada “emenda paralela” da Previdência - também em tramitação.

Para resolver o assunto, o presidente do Senado, José Sarney, reuniu em seu gabinete, quando já havia começado a sessão em que a reforma seria votada, os líderes do governo, Aloizio Mercadante (PT-SP), do PT, Tião Viana (AC), e do PMDB, Renan Calheiros. Mais tarde, participaram da reunião os líderes dos partidos de oposição, senadores José Agripino (PFL-RN) e Arthur Virgílio (PSDB-AM), e o líder do PDT, Jefferson Peres (AM).

Na reunião, ficou acertado como será a votação da reforma e que, no caso do subteto do executivo estadual, o assunto continuará na reforma, mas a “emenda paralela” detalhará como os governadores encaminharão o assunto. “O PMDB dará a palavra final sobre a redação dos subtetos no projeto da emenda paralela”, informou Renan Calheiros. Os peemedebistas querem que haja apenas um subteto salarial (ativos e inativos) nos estados.

Assim, a discussão da reforma começou no plenário com um atraso de quase três horas, já às 18h15. Por mais de uma hora, senadores oposicionistas levantaram questões de ordem ao presidente José Sarney. Na primeira, apresentada pelo senador Demóstenes Torres (PFL-GO), foi pedida a retirada da reforma de votação, sob o argumento que o senador Tião Viana ainda não apresentou ao plenário uma segunda “emenda paralela”, que aproveita 112 emendas feitas à reforma da Previdência. Na Comissão de Constituição, Justiça e Cidadania (CCJ), na semana passada, Tião Viana informou que apresentaria a nova proposta em dois dias. O presidente José Sarney rejeitou a questão de ordem e Demóstenes Torres propôs que a decisão do presidente fosse votada por todos os senadores. No final, a decisão de Sarney foi aprovada com 47 votos favoráveis e 22 contrários.

A seguir, o senador Almeida Lima (PDT-SE) apresentou outra questão de ordem, sustentando que a tramitação da reforma não poderia ser aceita, pois contém artigos que ferem a Constituição, como a redução de salários. No caso, ele considera como redução salarial a instituição da contribuição previdenciária de 11% para todos os aposentados e pensionistas. Novamente o presidente José Sarney rejeitou a questão de ordem e, em votação simbólica, o plenário concordou com Sarney.

Por já ser tarde e não mais haver tempo para votação da reforma e das emendas, o presidente Sarney adiou a votação da matéria para a esta quarta (26), depois de consultar os líderes partidários. Ficou decidido que a sessão começará com a discussão da reforma da Previdência, quando cada senador poderá falar por cinco minutos. A seguir, será colocado em votação o projeto, que até aqui não recebeu qualquer mudança no Senado.

Após esta votação, serão lidos e submetidos a voto apenas 11 requerimentos para que sejam votadas, de forma separada, emendas dos senadores. Oito requerimentos serão disputados no voto e eles podem ser aprovados ou rejeitados por maioria de 41 votos (a base governista diz que conta com no mínimo 45 votos).

Se algum requerimento for aprovado, a seguir a emenda em destaque será submetida a votação. Se for emenda que altera conteúdo, o seu autor deve conseguir 49 votos para mudar a reforma. Se for emenda supressiva de algum artigo ou parágrafo, caberá aos governistas a apresentação de 49 votos para derrubá-la, já que o governo quer aprovar a reforma sem mudanças no Senado, o que permitirá sua promulgação, após uma segunda votação de plenário. Ainda por acordo, dezenas de requerimentos para votação em separado de outras emendas serão submetidos a votação conjunta - é praticamente certo que serão rejeitados.

As informações são do site do Senado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 21 de Setembro de 2020
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
09:00
Santo do Dia
Domingo, 20 de Setembro de 2020
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)