Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

15/04/2005 08:50

Ibama inicia combate ao consumo ilegal de carvão vegetal

Valtemir Rodrigues/ABr

A Diretoria de Florestas do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama), juntamente com as gerências regionais em todo o país, está iniciando um processo inédito de combate ao consumo ilegal de carvão vegetal. A operação terá início pelas siderúrgicas dos estados de Minas Gerais, Pará e Maranhão. A idéia do Ibama é assinar termo de compromisso com as indústrias para cobrar a reposição florestal.

A diretoria está fazendo um levantamento da situação e recebendo declarações de consumo, de fornecedores e da origem do carvão recebido pelas siderúrgicas. Após esse trabalho, serão realizadas inspeções de campo para checar as informações recebidas. A ação do Ibama se justifica porque anualmente um grande volume de carvão de florestas nativas abastece o pólo siderúrgico do país.

De acordo com o diretor de Florestas do Ibama, Antônio Carlos Humell, há um esforço muito grande do instituto para fazer com que a legislação ambiental seja cumprida, que o carvão consumido seja de áreas legalizadas e que seja feito o reflorestamento para abastecer futuramente, de forma sustentável, os auto-fornos das siderúrgicas.

Carlos Humell ressaltou que o governo já vem desenvolvendo ações para coibir o comércio ilegal. "Existe um esforço do governo federal, no caso o Ibama, e de outros órgãos estaduais, como o Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais, no sentido de coibir esse comércio ilegal, que ainda é grande", afirmou.

Segundo o diretor, o esforço está sendo feito com o propósito de responsabilizar o consumidor final, no caso as siderúrgicas. Humell acrescentou que a assinatura do termo de ajustamento de conduta vai contribuir fortemente para diminuir a ilegalidade e proteger o cerrado, que hoje é um dos ecossistemas mais ameaçados em função do aumento da fronteira agropecuária e da produção de carvão.

Conscientizar as pessoas da importância de se obter o carvão vegetal de florestas plantadas e não nativas, como acontece hoje, é uma necessidade, disse Humell. Para ele, não se pode continuar empurrando o cumprimento da legislação ambiental com a barriga. "Não podemos imaginar que a grande quantidade de ferro gusa que é produzida hoje, seja à custa da destruição do nosso cerrado".

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Quinta, 01 de Dezembro de 2016
11:00
Mundo Fitness
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)