Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

09/09/2008 20:54

Homossexuais defendem legislação que permita casamento

Vinicius Konchinski /ABr

São Paulo - Um debate sobre o direito de duas pessoas do mesmo sexo se casarem abriu hoje (9) a 4ª edição do Congresso da Associação Brasileira de Estudos da Homocultura (Abeh). Em evento realizado no Museu de Arte de Contemporânea de São Paulo, representantes da comunidade homossexual discutiram formas de pressionar o Poder Legislativo para que sejam aprovadas mudanças na legislação que permitam o casamento de gays, lésbicas, bissexuais, travestis e transexuais.

De acordo com a desembargadora Maria Berenice Dias, do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul, as leis brasileiras não prevêem o direito ao casamento entre pessoas do mesmo sexo nem mesmo a união estável entre homossexuais. Segundo ela, propostas para o reconhecimento dessas uniões já foram encaminhadas ao Congresso, mas nenhuma sequer chegou a ser votada. Por esse motivo, segundo ela, o assunto é debatido juridicamente.

“O nosso legislador é complicado. A Justiça é que tem tratado do assunto”, afirmou, em entrevista à Agência Brasil. “O Judiciário vem reconhecendo a união estável, mas ainda não garante todos os direitos aos casais.”

A desembargadora foi uma das primeiras magistradas a reconhecer a união entre pessoas do mesmo sexo. Ela admite, entretanto, que esse reconhecimento não garante aos homossexuais os mesmos direitos de cônjuges de casamentos formais. “Quando o companheiro morre, por exemplo, o repasse dos bens a um homossexual continua complicado”, explicou.

O presidente do Grupo Gay da Bahia (GBB), Luiz Mott, disse que, ao todo, o Estado brasileiro nega 37 direitos aos homossexuais: do casamento à inclusão do parceiro como dependente na declaração do Imposto de Renda.

Segundo ele, algumas instituições, como o Instituto Nacional do Seguro Social (INSS), já alteraram seus regulamentos para que casais de pessoas do mesmo sexo tenham o mesmo tratamento de casais heterossexuais. Contudo, na opinião dele, isso ainda é pouco comparado ao que é feito em outros países, como a Espanha, onde o casamento homossexual é legal.

O militante João Silvério Trevisan ratifica as dificuldades enfrentadas pela comunidade gay no Brasil e acredita que só a mobilização massiva pelo direito ao casamento poderá surtir efeito.

“No Brasil, a lei só vai mudar depois que o Judiciário julgar inúmeros processos reconhecendo o direito dos homossexuais. Aí, o Legislativo verá que não há mais volta.”


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 18 de Dezembro de 2017
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)