Cassilândia, Quarta-feira, 23 de Agosto de 2017

Últimas Notícias

09/01/2004 09:47

Homologação de acordo exige presença das partes

TST

A Segunda Turma do Tribunal Superior do Trabalho rejeitou recurso de um empregador que busca a homologação de acordo extrajudicial firmado com uma ex-empregada. Ela não compareceu à audiência da primeira instância e o juiz determinou o arquivamento do processo. “Exige-se para o processo trabalhista a presença pessoal das partes à audiência de julgamento, sob pena de arquivamento, se ausente o empregado-reclamante,” afirmou o juiz convocado do TST Décio Sebastião Daidone, relator do recurso. A exigência, segundo ele, destina-se a dar segurança recíproca às partes.

O recurso examinado pela Segunda Turma foi apresentado pela Usina da Barra S.A. Açúcar e Álcool, de São Paulo, contra decisão do Tribunal Regional do Trabalho de Campinas (15ª Região). A empresa havia celebrado acordo extrajudicial com uma ex-empregada que havia ingressado na Justiça do Trabalho com uma ação, no qual se previa que o pagamento ocorreria em data certa, desde que houvesse homologação judicial, o que não ocorreu porque a trabalhadora não compareceu à audiência.

O juiz de primeiro grau determinou o arquivamento do processo, depois de dar prazo de dez dias para que ela se apresentasse, a fim de ratificar o acordo celebrado. A empresa, que havia pago as verbas trabalhistas mesmo sem a homologação, e a trabalhadora recorreram contra essa decisão com o argumento de que o acordo resultou em “ato jurídico perfeito”.

Ao examinar ambos os recursos, o TRT observou que a homologação é um direito das partes, porém “não significa que o acordo seja sempre válido, tampouco que o magistrado seja sempre obrigado a homologá-lo”. “Se o juiz de primeira instância entendeu ser necessária a ratificação pessoal da reclamante, pode e deve se recusar a homologar o acordo”, concluiu o acórdão.

No recurso apresentado ao TST, a Usina da Barra alegou que a ausência do trabalhador na audiência destinada à homologação de acordo extrajudicial “pode estimular a prática de simulação, fraude, torpeza e má-fé por parte dos trabalhadores”. Isso porque eles poderiam receber os valores definidos no acordo e não comparecer em juízo para fugir aos efeitos da coisa julgada. “Essa ausência pode decorrer de uma manobra para que o empregador não se beneficie dos efeitos da coisa julgada”, sustentou a empresa.

“É dever das partes, principalmente se determinado pelo juízo, comparecer à audiência, ao menos para ratificar o acordo anteriormente assinado”, disse o juiz Décio Daidone, com base em normas do Código de Processo Civil (CPC). Segundo ele, “a alegada boa-fé da reclamada (empresa) não pode ser, nas circunstâncias presentes, tutelada pela norma processual em vigor, que prevê procedimento próprio e especifico para o caso”.

Daidone enfatizou que os procedimentos adotados pelo juízo de primeiro grau estão de acordo com os previstos na CLT, em relação aos dissídios individuais e às audiências de conciliação, e no CPC, que determina o arquivamento do processo “quando a parte não cumprir com os atos que lhe competir”. concluiu. (AIRR 787403/2001)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 23 de Agosto de 2017
Terça, 22 de Agosto de 2017
21:03
Cassilândia
06:11
Inocência, Alcinópolis, Figueirão e Paraiso das Àguas
Segunda, 21 de Agosto de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)