Cassilândia, Quinta-feira, 14 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

25/07/2015 15:00

Homem com o corpo coberto de verrugas pede ajuda para tratamento

Notícias ao Minuto
Homem com o corpo coberto de verrugas pede ajuda para tratamento

O técnico de som Gualter Passarinho, de 50 anos, convive desde criança com uma doença que ele desconhece e que deixa seu corpo coberto por verrugas. A história de Passarinho foi divulgada pelo G1.

Ele mora de favor em uma casa no Segundo Distrito de Rio Branco e ajudado com doações e com a caridade da ex-esposa.

Segundo a publicação, ele está debilitado e refere que sofre com dores nas articulações, na cabeça e também com uma hérnia, situação que se agravou nos últimos dois meses. "Eu sinto muitas dores, queria pelo menos que alguém diagnosticasse a minha doença, porque quando vou ao médico, me perguntam o que eu tenho. Mas, se eu soubesse, me medicava sozinho", reclama.

O G1 conta que na quarta-feira (22), Passarinho procurou o Hospital das Clínicas, onde está internado em busca de tratamento para a doença. Foi solicitado uma bateria de exames para que possa ser dignosticada a doença que afeta o técnico.

Marlene Silveira, de 30 anos, ex-mulher de Passarinho, é quem se desdobra para cuidar dele. Para amenizar as dores do ex-marido, Marlene percorre unidades de saúde em busca de soro fisiológico e medicamentos para dor e ela mesmo aplica na veia do técnico. É ela também que está acompanhando o ex-marido no hospital.

Ela diz que não há previsão para alta. "Estão pedindo exames para que a gente descubra o que ele tem de fato e se é possível tratar".

A dona de casa, sensiblizada com a situação de Passarinho, além de cuidar dele, Marlene também conseguiu a casa onde ele mora atualmente, perto da casa dela.

"A gente é ser humano, se sensibiliza com a dor do outro. Ainda mais com ele que já fui casada. Lá em casa todo mundo ajuda, antes de eu conseguir essa casa para ele morar de favor, meu marido que pagava o aluguel para ele", diz.

Marlene ficou cerca de nove anos casada com Passarinho, depois da separação ficou mais cinco sem ter notícias dele, até que há sete meses soube que ele estava vivendo em uma casa no bairro Vila Acre e não teve dúvidas em ajudar. "Uma prima minha me disse que ele estava vivendo lá nessas condições, não tive dúvidas e fui ajudá-lo", lembra.

Para se livrar do aluguel, Marlene fez um acordo com uma proprietária de uma chácara. Em troca do técnico morar na casa, ela limparia o terreno e cuidaria do espaço."Meu filho vem dormir com ele à noite para que não fique só. Durante o dia, eu venho, faço comida e cuido dele. Minha preocupação é que estou prestes a me mudar para uma casa na Cidade do Povo e não queria deixá-lo aqui sozinho, queria uma casa para ele lá também", revela.

Passarinho disse ao G1 que o desconhecimento da doença o deixa preocupado. "Eu queria um diagnóstico e um tratamento. Tem dias que não aguento andar", reclama. Questionado se sofre preconceito, ele diz que não sai muito, mas às vezes percebe olhares diferentes. "A discriminação ainda é muita, as pessoas olham, mas nunca vieram me perguntar o que eu tinha. Eu não saio muito porque tenho dificuldades de me locomover", diz.

A doença

A reportagem do G1 entrou em contaot com a especialista em dermatologia e hanseníase, Leia Borges Carneiro. A especialista explicou que a doença de Passarinho se trata de neurofibromatose, também conhecida como síndrome de Von Von Recklinghausen. A doença, segundo ela, é degenerativa e afeta o crescimento de tecidos neurais. Leia acredita que dores sentidas por Passarinho não devem ter relação com a síndrome.

"Quem investiga geralmente é um geneticista para tirar um raio-X. Dor nas articulações não é característica da neurofibromatose. É mais uma questão genética e não tem nada que diminua essa lesões. O que pode ser feito é um procedimento cirúrgico para retirar neurofibromas, mas cresce novamente", destaca.

Leia ressalta ainda que há casos em que essas lesões acabam deslocando alguns órgãos e comprometendo a saúde do paciente, chegando inclusive, a ter cirurgias de correção. Ela alerta que a doença é hereditária. "É importante que o profissional que acompanhar esse caso faça um estudo de porcentagem e também o oriente sobre as questões de filho, porque isso é uma questão hereditária", finaliza.

Ainda de acordo com a publicação, o técnico diz que não se recorda de ninguém na família que tenha desenvolvido a doença. "Não tinha ninguém assim, nem meus pais", relembra.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)