Cassilândia, Quarta-feira, 13 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/09/2009 10:54

História da Amazônia ainda guarda segredos e mistérios

Amanda Mota, Agência Brasil

Manaus - A Rádio Nacional da Amazônia completou 32 anos nesta semana e hoje (5) é o Dia da Amazônia. Para comemorar as datas, a rádio organizou a série especial Viver na Amazônia, que a Agência Brasil está reproduzindo. A última reportagem é sobre arqueologia. Vamos saber o que a Amazônia revela do seu passado.

Com uma riqueza natural sem proporção, a Amazônia preserva uma história de milhões de anos. Ainda assim, detalhes sobre quem viveu nessa área, o que comiam e o que faziam os ancestrais do atual povo amazônico até chegarmos aos dias atuais não são fatos totalmente conhecidos.

Para tentar entender melhor a história da Amazônia, muitos são os estudos realizados na região. Exemplo disso são as pesquisas sobre os impactos da ocupação e do desenvolvimento na Floresta Amazônica, nos últimos 500 anos.

Parte da história da ocupação da Amazônia também passa pela África, como comprova pesquisa realizada pela Universidade Federal de Pernambuco. O estudo descobriu que uma das colônias africanas mais ricas, criada pelos portugueses - a vila de Mazagão, no Marrocos - foi transferida para a Amazônia.

Isso aconteceu por ordem do rei de Portugal, no século 18, para pôr fim às constantes invasões e saques que a vila de Mazagão sofria de outros povos interessados na riqueza desses marroquinos.

A escolha pela Amazônia foi uma estratégia e aliou a necessidade de impedir os conflitos constantes com o desejo da Coroa portuguesa de garantir a posse e o domínio da Amazônia brasileira. Depois de um tempo de pesquisa, a localização de restos da primitiva igreja e vestígios de outras unidades funcionais comprovaram a existência da Vila de Mazagão Velho exatamente onde hoje está o estado do Amapá.

Outra curiosidade histórica está no Amazonas. O maior estado do país em termos territoriais ainda guarda segredos nunca antes estudados. Em Eirunepé, no sul do estado, por exemplo, fósseis de animais gigantes que viveram há milhares de anos na região viraram enfeites exóticos em casas de ribeirinhos e de comunitários. Possivelmente, a falta de pesquisas e de orientações sobre o que essas peças representam, deixaram muitos desses objetos sem a devida importância histórica.

Entre os megafósseis encontrados no Amazonas, estão os do Toxodon - um gigante herbívoro, similar ao atual hipopótamo-, e os do crocodilo Purussaurus - que segundo cientistas, podia chegar a 18 metros de comprimento. A responsável pelo laboratório de Paleontologia da Universidade Federal do Amazonas, Rosemery Silveira, explicou que é considerado fóssil todo e qualquer vestígio de ser vivo preservado em rocha, ou seja, petrificado, e com idade superior a 11 mil anos.

“Ainda falta entender melhor como esses grupos de vertebrados evoluíram na América do Sul e por isso as pesquisas no campo da paleontologia são fundamentais”, destacou.

Outras pesquisas revelam que a maior riqueza de fósseis no Amazonas está na área do Rio Juruá. Essas águas seguem justamente até o estado vizinho do Acre, onde já foram identificados mais de 200 geoglifos - sítios arqueológicos construídos há pelo menos 2 mil anos.

Um geoglifo é uma marca na terra que, por suas dimensões, só é percebida se vista do alto. O desenho impresso no solo mede de 100 a 300 metros de diâmetro. Essas estruturas de terra se apresentam em formato de círculos, retângulos e outros.

Os geoglifos já fazem parte de uma lista do Instituto Nacional de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional – o Iphan – que recomenda à Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) o tombamento dessas estruturas.

Assim como as pirâmides do Egito e as ruínas de Machu Picchu, no Peru, os geoglifos do Acre poderão se tornar patrimônio cultural da humanidade.

Para a arqueóloga do Museu da Amazônia Helena Lima, as curiosidades aqui citadas são apenas alguns exemplos de que a Amazônia concentra muitas informações que precisam ser melhor divulgadas.

“Precisamos descobrir, estudar e pesquisar muitas coisas, mas o mais importante é divulgar esse conhecimento. Tudo isso precisa chegar nas escolas e nas comunidades para que se possa de fato aprender as lições que essa história tem para nos ensinar”, resumiu.

Estudar a história da Amazônia poderá contribuir, por exemplo, para entender melhor como se processaram as mudanças climáticas na região, a contar do período pré-histórico até os dias atuais. Além disso, o país pode descobrir se a floresta sempre foi detentora da vasta riqueza biológica tão cobiçada atualmente.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Terça, 12 de Dezembro de 2017
20:48
Loteria
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)