Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

04/07/2007 06:47

Guilhotina: MP confirma lacre de 101 madeireiras em MT

sonoticias/sinop

O Norte de Mato Grosso deverá eclodir em uma nova crise. A Justiça Ambiental acatou pedido do Ministério Público e mandou “lacrar” 101 empresas madeireiras identificadas como participantes do esquema de fraude que resultou na retirada e comercialização ilegal de 83.161,077 metros cúbicos de madeira. A atividade rendeu aos fraudadores um lucro, aproximado, de R$ 58 milhões. O lacre, segundo anunciou o promotor Domingos Sávio de Barros, vale até a conclusão das investigações sobre o caso. Além disso, a Justiça também acatou o pedido de bloqueio dos bens das 75 pessoas que tiveram prisão temporária decretada como integrantes do esquema. Entre elas, 37 engenheiros florestais. O primeiro dia da operação, nesta segunda-feira, terminou com a prisão de 32 pessoas, de acordo com a polícia. Dentre eles estão os ex-chefes da Sema em Sinop Jakson Medeiros e Marcio Cavalcanti, que estão sendo investigados.

Ao lado da promotora Ana Luiza Peterlini de Souza, Domingos Sávio explicou que as madeireiras adquiriam os créditos florestais fraudados, a partir de Planos de Manejo Florestal Sustentável e de Projetos de Exploração Florestal fictícios. Ele explicou que esses planos existiam somente no papel e que jamais foram executados, servindo apenas para gerar créditos florestais que eram lançados no sistema de Cadastro de Consumidores de Produtos Florestais. Os empresários, donos das madeireiras, segundo ele, sabiam do esquema. Ainda não se sabe qual o estoque nas madeireiras que deixarão de ser comercializados.

A fraude foi descoberta a partir da fiscalização ambiental realizada pela Secretaria Estadual do Meio Ambiente em projetos aprovados de exploração florestal, desmate e manejo florestal. Há funcionários públicos envolvidos. Além da incompatibilidade entre o que havia sido declarado nos relatórios on line e a exploração constatada em campo, nas respectivas áreas ou até mesmo com a própria natureza da vegetação, observou-se rapidez impressionante na aprovação, dentro da Secretaria de Meio Ambiente, dos projetos de manejo: o que levava 90 dias, era concluído com 20.

O esquema funcionava de diversas formas. Em alguns casos a autorização de exploração florestal e/ou manejo florestal eram obtidos e a área respectiva sequer explorada. Em outros a autorização de desmate era obtida de forma fraudulenta, com uso de documentos falsos. Há casos também de projeto de exploração florestal em que a área foi declarada como sendo de floresta e, após a vistoria, constatou-se tratar, na realidade, de cerrado. Em todos os casos os créditos obtidos foram comercializados. Cálculos apresentados indicam que seriam seriam necessárias mais de 4 mil caminhões para transportar todos os créditos obtidos de forma fraudulenta.

As madeireiras que tiveram confirmação de terem participado do esquema, de acordo com a decisão judicial, deverão ser excluídas do sistema de comercialização de produtos florestais. Evidentemente, seus proprietários deverão enfrentar processos diversos, tanto de âmbito criminal como de reparação de danos. Por conta disso, os bens de todos os 75 envolvidos, entre eles engenheiros florestais, empresários do segmento e funcionários públicos, estão bloqueados por ordem judicial. “Os bens de todos estão seqüestrados pela Justiça” – frisou Sávio.

O secretário de Meio Ambiente, Luís Henrique Daldegan, afirmou que há um alívio com a operação realizada e a operação desenvolvida a partir das investigações realizada pelo Ministério Público Estadual, através do Grupo Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). Daldegan destacou que a questão envolvendo o esquema de fraude relacionada a produtos florestais é extremamente complexa e que exigiu dos promotores muita dedicação e paciência para alcançar os resultados concretizados na Operação Guilhotina.

O promotor Sávio, no entanto, fez duras observação quanto a máquina governamental que trata da questão ambiental. Ele destacou que existe fragilidade no sistema – o que já não é bem uma novidade. Há tempos, em outras operações, a maioria deflagradas no âmbito da Justiça Federal, já havia se falado de falhas no sistema da secretaria de Meio Ambiente. A fiscalização também foi criticada pelo promotor.

(Atualizada às 21:02hs, do dia 03)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
21:32
Loteria
13:15
Cassilândia
09:00
Maternidade
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)