Cassilândia, Quinta-feira, 30 de Março de 2017

Últimas Notícias

24/09/2009 17:59

Greve dos Correios vai para dissídio coletivo

Lourenço Canuto, Agência Brasil

Brasília - Os trabalhadores da Empresa Brasileira de Correios e Telégrafos rejeitaram a proposta do vice-presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST), ministro João Oreste Dalazen, de concessão linear de R$ 100 sobre todos os salários e reajuste de 4,5%, aplicado retroativamente a agosto.

Agora, a greve vai para dissídio coletivo, ação proposta à Justiça do Trabalho ou por entidades que representam os trabalhadores ou pelos próprios empregadores para solucionar questões que não tiveram consenso durante a negociação.

Dalazen propôs que a categoria aceitasse, para até agosto de 2010, apenas a inflação do período, abrindo mão de qualquer outro ganho que não fossem negociações em torno de abonos.

O ministro disse que está havendo "radicalização" do movimento e avisou aos trabalhadores que a instauração de dissídio poderá resultar em perda de vantagens já oferecidas, além da possibilidade de a greve ser considerada abusiva, o que implicaria em multa para as entidades representativas.

A greve já dura nove dias e os trabalhadores dos Correios classificaram a proposta de Dalazen inaceitável, já que, nos últimos anos, eles conseguiram, em negociação diretamente com a empresa, ganhos reais que superam essa oferta.

A empresa propôs, inicialmente, reajuste de 9% válido até julho de 2011 e concessão, a todos os servidores, a partir de janeiro de 2010, de R$ 100 sobre os salários, de forma linear.

Outras sugestões do ministro para o estabelecimento de um acordo foram: reajuste do auxílio alimentação, que passaria a valer R$ 21,50; vale cesta de R$ 120 e vale cesta extra de R$ 494,50 em dezembro de 2009.

Dalazen propôs também o fim imediato da greve, sem punição para os grevistas, pois considerou um direito legítimo a paralisação. As horas paradas seriam compensadas pelos funcionários para que o serviço de entrega dos Correios fosse colocado em dia.

A empresa aceitou as sugestões do ministro. E as entidades que representam os trabalhadores propuseram uma sessão de conciliação, mas o pedido foi rejeitado. Dalazen ponderou que os representantes dos trabalhadores têm autonomia para decidir pela categoria.

O ministro, no entanto, registrou que os trabalhadores dos Correios estão colocando em risco o monopólio que a empresa detém e que os favorece enquanto força de trabalho. Segundo ele, os servidores vêm conseguindo avanços "que não se veem no conjunto da iniciativa privada e têm que atentar para o papel que lhes cabe ao prestar um serviço essencial ao público". A greve começou no último dia 16.



Edição: Lana Cristina

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 30 de Março de 2017
Quarta, 29 de Março de 2017
20:34
Loteria
Terça, 28 de Março de 2017
21:41
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)