Cassilândia, Domingo, 10 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

16/05/2006 19:42

Governo recebeu pedido de trégua, diz secretário

Marli Moreira e Paulo Montoia/ABr

O secretário da Administração Penitenciária do estado de São Paulo, Nagashi Furukawa, disse hoje (16) que não houve negociações com as lideranças do Primeiro Comando da Capital (PCC) para o fim das rebeliões que eclodiram entre sexta-feira e domingo no estado de São Paulo. Segundo o secretário, o governo recebeu uma proposta de trégua do PCC, através de uma representante, mas não negociou.

Em entrevista coletiva de imprensa, Furukawa afirmou que sua secretaria foi procurada pela advogada e ex-delegada Iracema Vaseiaveco. Ela não advoga para dirigentes do PCC, mas teria aceitado levar um recado dos líderes da organização.

Segundo o secretário, Iracema afirmou que a organização se propunha a encerrar as rebeliões e os ataques desde que tivessem certeza que não estava ferido o dirigente do PCC, Marco Camacho, conhecido como Marcola. Os integrantes também teriam pedido que a advogada verificasse se Marcola estava bem. Também queriam garantias de que não haveria "esculacho" (revanche) contra os detentos do PCC.

No domingo (14), de acordo com Furukawa, um avião da Polícia Militar paulista partiu da capital e voou para a prisão de segurança máxima de Presidente Bernardes, na qual Camacho está preso, em Regime Disciplinar Diferenciado. O avião levava a advogada e três testemunhas: Antonio Ruiz Lopes (corregedor da Secretaria de Administração Penitenciária), José Luiz Cavalcante, vice-diretor do Departamento de Investigações sobre Narcóticos (Denarc), além de um militar, citado pelo secretário apenas como Coronel Brandão, que representaria o governo do estado.

"As rebeliões foram encerradas sem nenhum acordo", disse o secretario Furukawa, que classificou como "irresponsáveis e levianas as afirmações veiculadas pela imprensa de que o governo havia fechado qualquer tipo de acordo". O secretário também informou que o prazo médio de duração de rebeliões como essas é de três dias, uma vez que nesse período os detentos ficam sem água ou alimentos.

Uma reportagem publicada hoje (16) pelo jornal O Estado de S. Paulo afirmava que os ataques do PCC foram encerrados por ordem de Marcola, após fazer um acordo com três representantes do governo paulista. O jornal atribui a informação a funcionários públicos que não teriam se identificado.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 09 de Dezembro de 2017
09:09
Cassilândia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)