Cassilândia, Sábado, 29 de Abril de 2017

Últimas Notícias

22/06/2016 15:00

Governo libera importação de feijão para combater alta do preço

Anny Malagolini, Campo Grande News

Para combater a alta de preço do feijão no país e baixar o custo da venda nos mercados brasileiros, o presidente em exercício Michel Temer anunciou hoje (22), o aumento da importação do produto de países vizinhos do Mercosul, como Argentina, Paraguai e Bolívia.

O Ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Blairo Maggi, ainda não descartou a possibilidade de que o cereal passe a ser importado também do México e China para que os preços não aumentem ainda mais.

Ele também garantiu que irá conversar com as principais redes de supermercado do país, que comprem o produto onde há maior oferta, e que assim, haja queda do preço final para o consumidor. “Tenho me envolvido nas negociações com os cerealistas, com os grandes supermercados, para que eles possam fugir do tradicional que se faz no Brasil, e ir diretamente à fonte onde tem esse produto e trazer. E, à medida que o produto vai chegando ao Brasil, nós temos certeza de que o preço cederá na medida em que o mercado for abastecido”, propôs, o ministro.

De acordo com o Instituto Brasileiro do Feijão, a alta é resultado de problemas climáticos, principalmente no centro-oeste, que perdeu praticamente toda a safra. O aumento se deve à seca em grande parte dos estados que produzem o grão. Com isso, houve queda na oferta e, com o aumento da demanda, os preços acabaram subindo. Até maio deste ano, o preço do feijão subiu 33,49%. O acumulado dos últimos 12 meses chega a 41,62%.

O aumento de preços atinge o prato típico dos brasileiros, o feijão com arroz, e dificulta dificulta principalmente a vida dos consumidores de baixa renda, que, acuados pela recessão e pelo desemprego, cortam a compra de itens supérfluos no supermercado.

Em Campo Grande, o quilo do produto que antes custava em média R$ 5, agora chega a custar R$ 12,98. E quem precisa servir o produto todo dia, já enfrenta as dificuldades da alta, como a comerciante Valentina Aparecida Moreira, proprietária de um restaurante na Capital.

Segundo ela, a alta do feijão ainda não gerou prejuízos, mas contou que é preciso criar alternativas para isso. “Ainda não aumentei o preço das refeições, mas tentamos inovar no cardápio. No local, a refeição em seu comércio é vendida a R$ 10, e o valor deverá ser mantido: “Não tem como fazer o cliente pagar mais, o jeito é se virar nos 30”, amenizou.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 29 de Abril de 2017
Sexta, 28 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)