Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

28/05/2015 12:35

Governo considera greve de professores fiasco e diz que adesão é só de 30%

Campo Grande News

Professores da rede estadual entram nesta quinta-feira (28) no segundo dia de paralisação e o governo do Estado considera o movimento um "fiasco". De acordo com nota emitida pela assessoria da administração estadual, apenas 30% das escolas do interior aderiram a greve totalmente.

Segundo dados da secretaria de Educação do Estado, no interior 118 escolas estão funcionando normalmente, ou seja, cerca de 40% do total; 89 escolas pararam as atividades, e em outras 69 (23%), a paralisação está parcial.

A assessoria ressalta que o governo mantém o diálogo aberto e considera a greve uma atitude política.

Ainda segundo a secretaria de Educação, o Estado paga 38,84% acima do piso nacional. Enquanto a base no país é de R$1.917,78, Mato Grosso do Sul paga R$2.662,83.

Em todo o estado são 279 mil alunos na rede estadual de ensino, distribuídos em 362 escolas, com 20 mil professores e 6.200 funcionários administrativos. O presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) reafirma que 75% da categoria aderiu ao movimento e diz os 30% referentes às escolas funcionando não servem como parâmetro para avaliar o movimento.

“Cada escola tem mais de 50 profissionais. Falar apenas em escolas abertas não é suficiente para fazer um balanço. O fato de uma escola estar aberta não significa que está tendo aula", diz. Roberto Botarelli afirma que a categoria vem realizando reuniões diárias para avaliar o movimento e que no interior a adesão vem crescendo.

A categoria reivindicas 10,98% de reajuste para os professores e integralização do piso nacional para 20 horas semanais, além de antecipação da data base de maio para o mês de janeiro para os funcionários administrativos.

Já na rede municipal, o presidente da ACP (Sindicato Campo-Grandense dos Profissionais da Educação Pública), Geraldo Gonçalves, ressalta que o sindicato está preparando recurso para ingressar na Justiça na tentativa de suspender decisão do desembargador Carlos Eduardo Contar, que determinou que 66% dos grevistas retornem às salas de aula por considerar a Educação serviço essencial. Caso não cumpram a determinação, a categoria corre risco de arcar com multa diária de R$ 50 mil.

De acordo com Geraldo Gonçalves, a entidade rebate a afirmação do Tribunal de Justiça e ressalta que educação pública não é considerada um serviço de urgência.

Ele afirma que a entidade ainda não foi notificada sobre a decisão da Justiça e que a paralisação atinge 50% dos profissionais das 98 escolas da Capital.

Os professores, que estão no quarto dia de paralisação exigem reajuste de 13,01%, para elevar o piso da categoria para R$ 1.971 para jornada de 20 horas, mas o município sinalizou com aumento de 8,3% só a partir de outubro.

Segundo a assessoria da prefeitura, hoje, 37 escolas funcionam normalmente e outras 13 parcialmente. Ao todo são 94 estabelecimentos.

Os profissionais das redes estadual e municipal acompanham sessão da Câmara Municipal nesta quinta-feira com o objetivo de obter apoio dos vereadores. Segundo Roberto Botarelli, após a sessão os profissionais do setor, incluindo administrativos, irão até a região central da Capital realizar panfletagem.

Os professores do município pretendem passar o dia acampados na Câmara à espera de uma reunião com os vereadores.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)