Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

17/09/2005 08:16

Governo afrouxa combate à febre aftosa a partir de 2006

Graciliano Rocha e Aline dos Santos / Campo Grande News

O governo do Estado vai afrouxar as regras de combate à febre aftosa a partir do ano que vem. Neste sábado, o secretário Dagoberto Nogueira vai à Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS) para anunciar oficialmente as mudanças na campanha de 2006.

As principais mudanças são a supressão da etapa da vacinação dos bezerros em fevereiro e a suspensão da exigência de devolução dos frascos de vacina usados pelo produtor rural. As decisões agradam os pecuaristas, mas preocupam técnicos.

O lobby para mudar as regras foi bancado pela Acrissul (Associação de Criadores de MS). Os pecuaristas reclamam dos custos e alegam que o setor passa por uma crise severa por conta da queda do preço da arroba.

Pelas contas do governo, supressão da etapa de fevereiro representa uma economia de R$ 12 milhões ao produtor com custo do manejo, vacina e profissionais que aplicam a vacina.

“Só no último semestre o custo da produção teve um crescimento de cerca de 33%. Aliado a outros fatores, como a baixa cotação da arroba, o produtor acaba acarretando prejuízos”, disse Dagoberto por meio de sua assessoria de imprensa.

Os opositores às mudanças estão principalmente entre os médicos veterinários que consideram as mudanças temerárias. O presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinário, Roberto Bacha, diz que a suspensão da etapa de fevereiro deve ser vista “com cautela”.

“Qualquer modificação na campanha deve ser feita com muita segurança. È necessário que seja elaborado um inquérito sorológico, para verificar se ainda há atividade viral dentro do rebanho, e até o momento esse relatório não nos foi apresentado”, argumenta.

Outra preocupação é a liberação do produtor de devolver os frascos usados. Os críticos da medida dizem que, ao suspender a exigência, as autoridades sanitárias perdem o controle efetivo sobre a fiscalização e abrem uma brecha para que, se quiserem, alguns produtores podem simplesmente adquirir notas de vacinas sem promover a imunização do rebanho.

“Qual é a dificuldade em entregar os frascos? Por que abrir mão de uma medida que afiançava um bom procedimento”, questiona Bacha, ressaltando que qualquer alteração na campanha deve ter a anuência do Ministério da Agricultura.

Em 1999, o Mato Grosso do Sul registrou um foco de aftosa em Naviraí, a 352 quilômetros de Campo Grande, que atingiu cerca de 150 animais e resultou no abate de mais de 400 e provocou grandes prejuízos ao setor com o fechamento de mercados externos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)