Cassilândia, Sábado, 26 de Maio de 2018

Últimas Notícias

17/09/2005 08:16

Governo afrouxa combate à febre aftosa a partir de 2006

Graciliano Rocha e Aline dos Santos / Campo Grande News

O governo do Estado vai afrouxar as regras de combate à febre aftosa a partir do ano que vem. Neste sábado, o secretário Dagoberto Nogueira vai à Famasul (Federação de Agricultura e Pecuária de MS) para anunciar oficialmente as mudanças na campanha de 2006.

As principais mudanças são a supressão da etapa da vacinação dos bezerros em fevereiro e a suspensão da exigência de devolução dos frascos de vacina usados pelo produtor rural. As decisões agradam os pecuaristas, mas preocupam técnicos.

O lobby para mudar as regras foi bancado pela Acrissul (Associação de Criadores de MS). Os pecuaristas reclamam dos custos e alegam que o setor passa por uma crise severa por conta da queda do preço da arroba.

Pelas contas do governo, supressão da etapa de fevereiro representa uma economia de R$ 12 milhões ao produtor com custo do manejo, vacina e profissionais que aplicam a vacina.

“Só no último semestre o custo da produção teve um crescimento de cerca de 33%. Aliado a outros fatores, como a baixa cotação da arroba, o produtor acaba acarretando prejuízos”, disse Dagoberto por meio de sua assessoria de imprensa.

Os opositores às mudanças estão principalmente entre os médicos veterinários que consideram as mudanças temerárias. O presidente do Conselho Regional de Medicina Veterinário, Roberto Bacha, diz que a suspensão da etapa de fevereiro deve ser vista “com cautela”.

“Qualquer modificação na campanha deve ser feita com muita segurança. È necessário que seja elaborado um inquérito sorológico, para verificar se ainda há atividade viral dentro do rebanho, e até o momento esse relatório não nos foi apresentado”, argumenta.

Outra preocupação é a liberação do produtor de devolver os frascos usados. Os críticos da medida dizem que, ao suspender a exigência, as autoridades sanitárias perdem o controle efetivo sobre a fiscalização e abrem uma brecha para que, se quiserem, alguns produtores podem simplesmente adquirir notas de vacinas sem promover a imunização do rebanho.

“Qual é a dificuldade em entregar os frascos? Por que abrir mão de uma medida que afiançava um bom procedimento”, questiona Bacha, ressaltando que qualquer alteração na campanha deve ter a anuência do Ministério da Agricultura.

Em 1999, o Mato Grosso do Sul registrou um foco de aftosa em Naviraí, a 352 quilômetros de Campo Grande, que atingiu cerca de 150 animais e resultou no abate de mais de 400 e provocou grandes prejuízos ao setor com o fechamento de mercados externos.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Sexta, 25 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)