Cassilândia, Domingo, 19 de Novembro de 2017

Últimas Notícias

06/06/2017 18:53

Governador vai ao STF para anular delação da JBS e pede troca de relator

Lucas Junot e Anahi Zurutuza, Campo Grande News

 

O governador Reinaldo Azambuja (PSDB) foi ao STF (Supremo Tribunal Federal) para tentar anular a colaboração premiada da JBS. Citado nos depoimentos dos irmãos Joesley e Wesley Batista e outros cinco integrantes da empresa, o chefe do Executivo fez dois pedidos a corte máxima que podem suspender ou atrasar os processos envolvendo a delação.

O habeas corpus impetrado que começou a tramitar no dia 1º deste mês pede que as delações retrocedam à PGR (Procuradoria Geral da República) para homologação de um novo acordo, onde o MPF (Ministério Público Federal) não deixe de oferecer denúncia contra os empresários.


De acordo com o advogado Gustavo Passarelli da Silva, que representa Reinaldo no processo, o entendimento da defesa do governador de que o ministro Edson Fachin não poderia ter homologado a delação, visto que a legislação brasileira (Lei 12.850), que define organização criminosa e dispõe sobre investigações criminais e meios de obtenção de provas, torna obrigatória a denúncia contra “líderes de organizações criminosas”, como o governador, por meio da defesa, classificou, os irmãos Batista.


O defensor se baseia no quarto parágrafo da lei, onde estão previstos os casos em que o Ministério Público pode deixar de oferecer denúnciac. “Se o colaborador não for o líder da organização criminosa ou se for o primeiro a prestar colaboração”, frisa o advogado.


“O objetivo do habeas corpus é questionar a forma como a homologação foi realizada, considerando que os critérios e requisitos previstos na legislação não foram seguidos”, esclarece Passarelli.


Na prática, se acatado, o pedido torna nulo todo o conteúdo das delações, o que torna necessário um novo acordo e novos depoimentos de Wesley e Joesley à PGR. “Seria necessário restituir o processo à Procuradoria, fazer as adequações e então dar prosseguimento, sem a possibilidade de não ser oferecida denúncia contra os delatores”, enfatiza o defensor.


O pedido apresentado no fim da semana passada e, segundo o advogado, não tem prazo fixado para apreciação. O habeas corpus foi distribuído para o ministro Celso de Melo, decano do STF.


Outro pedido – Também na semana passada, a defesa de Azambuja apresentou uma questão de ordem ao STF. O pedido é para que a relatoria da delação da JBS seja trocada.


Nesta terça-feira (6), o relator, ministro Edson Fachin, que também toma conta do conteúdo relacionado à Operação Lava Jato, decidiu levar ao plenário o julgamento da questão de ordem. A presidência do STF é que marcará a data para o julgamento do pedido.


A defesa do governador advogado argumenta basicamente que o ministro não teria “preferência” na distribuição da delação da JBS, porque o conteúdo não está estritamente ligado à Lava Jato. O trecho em que o governador é citado, para o advogado, não tem qualquer conexão com a operação que “abalou as estruturas” da política no Brasil.
“Existem fatos relacionados à operação e fatos não relacionados. Ele tinha de ter separado e colocado o que não era [da Lava Jato] na distribuição livre [por sorteio]”, explica Passarelli.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 19 de Novembro de 2017
Sábado, 18 de Novembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sexta, 17 de Novembro de 2017
19:49
Cassilândia
10:28
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)