Cassilândia, Sábado, 03 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

29/03/2009 17:27

Ginasta lança campanha na net para custear tratamento

Thais Leitão , ABr

Rio de Janeiro - Com uma lesão considerada grave no punho direito, a ginasta Jade Barbosa decidiu recorrer aos fãs para arrecadar os recursos necessários para se manter no esporte e garantir o tratamento. A atleta lançou uma campanha em seu site oficial para vender camisetas com a sua marca. Jade reclama do descaso das entidades esportivas do país.

A ginasta disse que até agora não foi procurada por nenhum representante do Flamengo, clube que defende desde os 6 anos de idade, do Comitê Olímpico Brasileiro (COB) ou da Confederação Brasileira de Ginástica (CBG), que, segundo a atleta, sabia da lesão há mais tempo e não lhe relatou o problema.

Desde o fim das Olimpíadas de Pequim, ela descobriu a lesão que a impede de treinar no mesmo ritmo de antes e de competir em alto nível. Talvez seja necessário fazer uma cirurgia.

“Eles – a equipe da CBG – dizem que eu não pedi ajuda, mas não vou agora simplesmente chegar lá e pedir. Eles eram responsáveis por mim durante os quatro anos que passei em Curitiba, para treinar. Fui levada ao médico, mas nunca chegaram pra mim e disseram: ‘você tem esse problema, quer competir ou não?’ Ou ainda: ‘pára um tempo agora e depois volta.’ Também não recebi apoio, sequer um telefonema, das outras entidades”, reclama a adolescente de 17 anos, que conquistou medalha de ouro e de bronze nos Jogos Pan-Americanos de 2007 e foi eleita, no mesmo ano, a melhor atleta do país, pelo COB.

Com um olhar que não esconde a tristeza, ela evita dizer, no entanto, que guarda mágoa. Garante que prefere encontrar forças no apoio que vem recebendo dos fãs, da família e dos amigos.

“Tenho que me sustentar neles, que gostam de mim como Jade e não só como Jade Barbosa”, afirma a ginasta, que já faz planos. “Devo voltar a competir, talvez com uma mão só, em agosto. Não posso perder o ritmo das disputas, porque na próxima Olimpíada espero estar bem melhor.”

Jade acredita que, ao lançar a campanha de venda das camisetas pela internet, está chamando a atenção da sociedade para um problema que não é só dela.

“Muitas outras meninas já passaram por isso. A diferença é que eu ganhei medalha. E elas? Vão ter que ficar frustradas para o resto da vida. Eu sou exemplo para ginastas mais novas e não quero que nenhuma delas também sofra isso”, diz a atleta, que durante o treino foi abordada inúmeras vezes por meninas da categoria infantil do clube, que acenavam e mandavam beijos, sendo sempre correspondidas.

A presidente da Federação de Ginástica do Rio de Janeiro, Andréa João, também reclama da falta de apoio financeiro. De acordo com ela, a entidade quase precisou fechar as portas em 2006 por falta de verbas. Desde então, funciona em sua casa.

“O problema no país é ainda pior no Rio, porque, como o Comitê Olímpico Brasileiro funciona aqui, só ele recebe apoio financeiro dos governos estadual e municipal. As federações estaduais são deixadas de lado. Só que, para um atleta chegar a esse nível de competição, ele precisa treinar de oito a dez anos. E para isso não há recursos. Acabamos perdendo muitos talentos que desistem diante de tantas dificuldades”, lamentou.

As secretarias municipal e estadual de Esportes foram procuradas, mas até o fechamento dessa reportagem não haviam dado retorno. A Confederação Brasileira de Ginástica também não atendeu os telefonemas da reportagem da Agência Brasil. O Comitê Olímpico Brasileiro informou, por meio de sua assessoria de imprensa, que não se pronunciaria sobre o caso. O Ministério do Esporte informou, também por meio da assessoria de imprensa, que repassa recursos para as confederações e que elas são as responsáveis pelo acompanhamento dos atletas.

Já o vice-presidente de Esportes Olímpicos do Flamengo, João Henrique Areas, informou que o clube enfrenta sérios problemas financeiros e que comunicou os atletas da impossibilidade de manter o esporte na entidade. Areas disse, ainda, que em nenhum momento foi procurado pela ginasta pedindo apoio médico.




Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
06:50
Loterias
Sexta, 02 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)