Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Setembro de 2020

Últimas Notícias

02/10/2003 16:39

Gêmeas siamesas são separadas com sucesso no DF

Caio Barbieri/Agência Brasil

Desde o dia 17 de setembro, o motorista Francisco das Chagas da Silva e a dona de casa Maria José da Silva vivem apreensivos. Eles são os pais de Lorena e Letícia, irmãs gêmeas ligadas pela região do umbigo, as chamadas onfalópagas, único caso de sobrevivência de siamesas registrado no Distrito Federal. “Geralmente esse tipo de criança falece nos primeiros minutos após o parto”, diz o pediatra Márcio Morem, responsável pelo berçário patológico do Hospital de Base de Brasília. “Letícia e Lorena mudaram as nossas vidas”, revela o pai. “Elas são um exemplo de luta”, completa Maria José da Silva.

A mãe teve um acompanhamento pré-natal todo feito da rede pública de Saúde, em Brasília. Desde o início já sabia que seriam gêmeos, mas não poderia imaginar que seriam siamesas. “Só na hora do parto que percebemos que se tratava de um caso como esse”, informa o médico Morem. As meninas viraram a paixão de enfermeiras e funcionários do Hospital de Base de Brasília. “Não tem quem olhe e não se apaixone por essas gracinhas”, derrete-se uma das enfermeiras de plantão.

Não demorou muito para surgir o assunto da marcação da cirurgia de separação das crianças, mas os médicos mostravam insegurança, por ser um caso delicado e as crianças terem uma saúde frágil. Exames e mais exames foram feitos nos bebês. A rotina das crianças era estressante: berçário - sala de exames – berçário, umas três ou quatro vezes por dia. “Quase não conseguia vê-las”, protesta o pai. A maior preocupação de todos era na dúvida sobre a reação das únicas gêmeas siamesas nascidas no Distrito Federal.

Na verdade, outros casos de nascimento de siameses já foram registrados em Brasília. “Mas nenhum sobreviveu”, afirma o médico Ubiratan Moreira. Nesse período, um fato preocupou a equipe médica. Uma das meninas, Letícia, teve uma crise de apnéia – suspensão temporária da respiração –, natural em bebês recém-nascidos. Os médicos informaram que isso acontece por causa do pouco desenvolvimento do aparelho respiratório. A medicação foi dada e Letícia teve uma noite tranqüila, sem alterações clínicas. A outra irmã parecia lutar pela sobrevivência de Letícia. “Ela não dormiu em nenhum momento”, informa a plantonista.

Enfim, a data da cirurgia foi marcada: 1º de outubro. Os pais, Francisco e Maria, estavam muito preocupados. “Já perdemos um bebê com 15 dias de vida”, relembra a mãe.

Cerca de três horas foram necessárias para a equipe de quatro cirurgiões concluir a cisão das meninas. A equipe médica esteve de prontidão durante todo esse tempo. O pai, aflito, andava de lá para cá. A mãe aguardava serenamente, em estado de prece, a aparição dos médicos com alguma novidade. “Quando o doutor chegou com a notícia, nem acreditei. Foi milagre de Deus”, emocionam-se.

Os médicos podem comemorar o êxito da cirurgia. Na manhã de hoje, a mãe e o pai eram só sorrisos. “É muita bênção do Senhor”, diz a mãe, religiosa fervorosa.

Os médicos acreditam na recuperação rápida das meninas. “Se tudo correr bem, elas voltam para o berçário em 36 horas”, revela o cirurgião responsável pela UTI, Idelrico Lima. Eles temem o surgimento de hemorragia ou infecção. “Elas são muito novas. Possuem pouca imunidade no corpo”, completa.

Um corte de aproximadamente 8 centímetros vai marcar a barriga das meninas. Os pais não tinham palavras para agradecer pelo êxito na operação.

Nas próximas 24 horas, provavelmente, mais uma vitória estará a caminho. O prazo de risco pós-cirurgia acaba e as chances de uma vida normal se aproximam. O “milagre”, denominado pela mãe, vai ser motivo de mais comemoração da família e da equipe médica do hospital.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Setembro de 2020
Quarta, 23 de Setembro de 2020
11:00
Corrida/Nutrição/Fitness
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)