Cassilândia, Segunda-feira, 18 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

13/12/2006 07:09

Garantido os recursos para o mínimo de R$ 375

Agência Senado

A Comissão Mista de Planos, Orçamentos Públicos e Fiscalização (CMO) concluiu nesta terça-feira (12) a votação de mais dois relatórios setoriais do Orçamento da União para 2007, garantindo recursos para um salário mínimo de R$ 375 a partir de abril do ano quem vem.

Por volta das 13h, o colegiado aprovou em termos finais o texto da área de Trabalho, Previdência e Assistência Social. Antes, havia acolhido o relatório definitivo do tema Agricultura e Desenvolvimento Agrário, ao terminar o exame dos destaques que foram apresentados para modificar pontos específicos no texto básico aprovado na noite anterior.

Ainda na manhã desta terça-feira, foi aprovado o relatório referente a área de Educação, Cultura, Ciência e Tecnologia e Esporte, apresentado pelo deputado Paulo Rubem Santiago (PT-PE). O exame dos destaque, no entanto, ficou para ser examinado à tarde. Nessa área, os gastos globais chegam a R$ 32,7 bilhões.

O maior orçamento dessa área é o da pasta de Educação, com R$ 26,4 bilhões, dos quais R$ 2 bilhões estão reservados para o recém-criado Fundeb. Os recursos vão complementar, por meio de transferências, os gastos com de estados e municípios com o ensino fundamental, agora incluindo a pré-escola.

Salário Mínimo

Na área de Trabalho, Previdência e Assistência Social, a votação confirmou os termos do relatório apresentado pelo senador Leomar Quintanilha (PPCdoB-TO) que garantiu recursos para que o salário mínimo seja elevado de R$ 350 para R$ 375 a partir de abril do ano quem vem. Com essa decisão, os parlamentares deixaram de lado a orientação da equipe econômica para que o valor fosse elevado apenas a R$ 367, para refletir o ritmo menor tanto da inflação como da economia neste ano.

Depois das mudanças definidas na comissão, o orçamento global das pastas ministeriais dessa área temática fechou em R$ 249 bilhões. Desse total, R$ 190,3 bilhões correspondem aos gastos da área da Previdência Social, dos quais R$ 181,3 bilhões referentes às despesas do Regime Geral da Previdência Social - que vai operar no próximo ano com um déficit previstos de R$ 46,4 bilhões, com crescimento de 13,1% sobre esse ano.

O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome vai dispor de R$ 24,3 bilhões no ano que vem. Já o Ministério do Trabalho e Emprego contará com R$ 35,2 bilhões - incluindo R$ 31,5 bilhões do Fundo de Amparo ao Trabalhador (FAT), em parte transferido para financiar projetos de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social.

Pedido elevado

Foram apresentadas a essa área temática 1.515 emendas, cujos valores globais corresponderam a R$ 9,2 bilhões. Cerca de R$ 509 milhões foram destinados à cobertura de 1.433 emendas individuais. Para as 82 emendas coletivas, foram utilizados mais R$ 667,6 milhões. Na soma, as emendas absorveram aproximadamente R$ 1,2 bilhão, valor bem distante em relação ao demandado pelos parlamentares.

- Vou recorrer ao relator-geral para que nos ajude com aporte de recursos para a redução dessa disparidade - prometeu também o relator da área.

Defesa animal

O relator de Agricultura e Desenvolvimento Agrário, senador Jonas Pinheiro (PFL-MT), aproveitou destaque que permitiu ampliar em mais R$ 35 milhões as despesas na área de defesa sanitária animal e vegetal. Com esse reforço, essa área de despesa - de onde saem as verbas para o combate à febre aftosa - terá no próximo ano R$ 86 milhões, a proposta do governo já previa R$ 51 milhões.

Pinheiro conseguiu ampliar as despesas na área de defesa animal utilizado mais R$ 15 milhões repassados pelo relator-geral, senador Valdir Raupp (PMDB-RO). Além disso, explicou que redirecionou à área outros R$ 20 milhões antes alocados em emendas de comissões. Ainda assim, os parlamentares cobraram mais recursos para as ações de defesa animal.

- Vou pedir ao relator geral para que elevar os gastos com defesa sanitária animal ao menos a cem milhões - acenou.

Gorette Brandão / Repórter da Agência Senado

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)