Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

29/08/2009 15:40

Garantida a posse do comprador de imóvel leiloado no MT

TJ MT

Os membros da Quinta Câmara Cível do Tribunal de Justiça mantiveram os efeitos de ordem judicial original que determinou a desocupação amigável de imóvel adquirido em leilão extrajudicial e reconheceu como legítimo o direito à posse pelo comprador. O atual ocupante da residência não teve êxito em sua tentativa de se manter no imóvel, que foi levado a leilão pela Caixa Econômica Federal em razão da inadimplência. No Agravo de Instrumento, argumentou que não foi intimado pessoalmente da execução extrajudicial e que não lhe foi propiciado prazo para regularizar a situação, caracterizando-se dessa forma o seu cerceamento de defesa.

Consta dos autos que o ocupante do imóvel contraiu financiamento junto à CEF por meio de contrato particular de compra e venda para financiar o imóvel em questão. Como várias parcelas não foram pagas, o bem foi vendido em leilão extrajudicial promovido pelo banco. Ao adquiri-lo, o comprador constatou que estava ocupado, ocasião em que ingressou com ação de imissão de posse, uma vez que se tornou legítimo proprietário do imóvel.

De acordo com o relator do processo, desembargador Carlos Alberto Alves da Rocha, o agravante estava ciente de que se encontrava inadimplente com as prestações junto a CEF e, portanto, sujeito a ação do agente financeiro. Mesmo assim, segundo o relator, não tomou providências no sentido de renegociar sua dívida junto com o banco. Quanto à alegação de que o caso em questão ainda é objeto de contestação na Justiça Federal de Mato Grosso, o magistrado se apoiou em jurisprudência para determinar que a sentença de Primeiro Grau não deveria ser reformada, já que o juízo federal julgou improcedente uma ação para anular o leilão.

Entendimento semelhante foi consignado em decisão do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, cuja conclusão foi de que sendo o objeto da ação intentada na esfera federal diverso do da ação de imissão de posse, não há falar em óbice para a posse dos adquirentes, sendo que, no caso de procedência daquela, restará à recorrida o direito às perdas e danos. Dessa forma, a câmara julgadora decidiu não acolher o recurso e ordenar a imissão de posse ao comprador. Participaram do julgamento o juiz convocado José Mauro Bianchini Fernandes (primeiro vogal) e Sebastião de Moraes Filho (segundo vogal).


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)