Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

25/02/2005 08:38

Funasa divulga nota sobre morte de criança indígena

Dourados News


Leia na íntegra a nota de esclarecimento da FUNASA (Fundação Nacional de Saúde) sobre o quarto caso de morte por desnutrição de indígena em Dourados.

Nota: No dia 24/02, uma menina de um ano e três meses, da etnia Guarani-Kaiowá, residente na aldeia Bororó, do município de Dourados (MS), veio a falecer às 3h. A menina, que tinha síndrome de Down, apresentava quadro de desequilíbrio hidroeletrolítico grave (desidratação), infecção intestinal e desnutrição protéico calórica.

A menina recebia acompanhamento das equipes multidisciplinares da Fundação Nacional de Saúde (Funasa) há cerca de um ano. A equipe de médicos, enfermeiros e agentes de saúde nas aldeias, semanalmente realizam avaliação de peso e estatura de 90% das crianças menores de cinco anos em todo o estado.

A criança passou por duas pesagens. Como foi constatada perda de peso, programou-se a internação para esta sexta-feira (25). Na madrugada, entretanto, a criança, que nasceu com baixo peso em função da síndrome de Down, teve o quadro agravado. As equipes de atendimento foram chamadas de imediato providenciaram a remoção para o Centro de Reabilitação Nutricional de Dourados (Centrinho). A menina, porém, não resistiu, vindo a falecer no caminho.

A Funasa tem acompanhado a situação da desnutrição infantil em Dourados em conjunto com outros órgãos do Governo Federal como o Ministério do Desenvolvimento Social e a Fundação Nacional do Índio. No dia 22/02, o presidente da Funasa, Valdi Camarcio, e o diretor do Departamento de Saúde Indígena da Fundação, Alexandre Padilha, estiveram na região para acompanhar de perto as ações desenvolvidas. Na oportunidade, decidiu-se pelo reforço da equipe médica que trabalha no local, com o envio de mais um grupo composto de médicos, enfermeiros e educadores em saúde. Além disso, a Fundação forneceu mais dois veículos às equipes locais para agilizar o atendimento à população.


Entre as ações já em curso destacam-se:
- Ampliação da vigilância nutricional para gestantes;
- Parcerias com a Funai, Ministério do Desenvolvimento Social, organizações sociais locais, prefeituras, conselhos de defesa da criança para o cuidado das crianças e das famílias que estão abaixo da curva nutricional;
- Transferência da chefia do Departamento de Saúde Indígena (Dsei) para Dourados por tempo indeterminado;
- Descentralização das unidades de referência para reabilitação nutricional, implantando-as em outros quatro municípios: Paranhos, Japorâ, Murandae e Amambaí;
- Instalação de uma casa de reabilitação nutricional em aldeia de Amambaí;
- Constituição de um comitê conjunto na prefeitura de Dourados, Funasa, Funai, Conselho Local de Saúde, profissionais da educação indígena e sociedade local para articular as ações de redução da descentralização e mortalidade infantil.

Estas ações são complementares a medidas em curso desde 2004 que têm contribuído para a queda da desnutrição infantil de Dourados, como a implantação do Programa de Vigilância Alimentar e Nutricional pela Funasa e conveniada local. A ação de atenção básica visa diagnosticar e acompanhar o estado nutricional da população, principalmente de grupos vulneráveis como crianças menores de cinco anos, identificando os casos de risco nutricional, e suas causas, para o subsídio de intervenções adequadas.

Os dados do programa mostram que entre 2003 e 2004 houve redução da desnutrição em crianças menores de cinco anos de idade na região. Em 2003, 15% das crianças avaliadas apresentavam desnutrição e 16% estavam em risco nutricional. Estes percentuais caíram em 2004 para 12% de casos de desnutrição e 15% de risco nutricional. Este último são crianças que ainda não apresentam desnutrição, mas que já precisam de atenção por parte das equipes de saúde e dos cuidados familiares e da comunidade. O programa atende 90% das crianças indígenas menores de cinco anos.

Destacam-se, ainda, as ações no Centro de Reabilitação Nutricional-Missão Kaiowá de Dourados (Centrinho), credenciado pelo Sistema Único de Saúde. Depois de sua criação, no final de 2002, o percentual de reincidência de crianças tratadas por desnutrição, que tiveram alta-, caiu de 60%, em 2002, para 31%, em 2003, e 10% no ano passado. Em 2004, ano em que foi concluída a revitalização do Centrinho, obteve-se a menor taxa de óbitos por desnutrição (quatro contra 17 no ano de sua instalação).



Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 08 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)