Cassilândia, Quinta-feira, 13 de Agosto de 2020

Últimas Notícias

27/03/2015 12:12

Frigoríficos fecham as portas e quase mil ficam desempregados no Estado

Campo Grande News

Mato Grosso do Sul terá cerca de mil novos desempregados nos próximos dias. Duas empresas frigoríficas confirmaram fechamento das portas e demissões, a Beef Nobre, de Campo Grande, e a Fribrasil Alimentos, de Caarapó, cidade a 283 quilômetros da Capital.

Veja Mais
› Encontro reúne cidades para divulgar projeto de abertura de empresas
› Economia brasileira cresceu apenas 0,1% em 2014, diz IBGE

Segundo o administrativo Tiago Pereira, 27 anos, da Beef Nobre, todos os 400 funcionários estão cumprindo aviso prévio.

Mau momento - Para ele, a explicação para o fechamento é o mal momento do setor no país. "O mercado de carne está ruim no Brasil todo. Não é um problema da empresa, mas do setor", garantiu ao Campo Grande News.

Diferente de Pereira, Wilson Gregório, do Sindicato dos Trabalhadores das Indústrias de Carne e Derivados de Campo Grande, acredita que o setor não vive crise. "Se tem frigorífico que não está bem, é ponto isolado. Pode até ter alguma dificuldade, mas as empresas estão mantendo os trabalhadores. Se os frigoríficos do Estado estão abatendo todos os dias é porque estão vendendo", alegou.

Problema pontual - Para Gregório, o fechamento da Beef Nobre é reflexo da prisão recente do proprietário, Reginaldo da Silva Maia, 54 anos, investigado na operação “Labirinto de Creta”, da Polícia Federal, por lavagem de dinheiro, sonegação fiscal e falsidade ideológica. Os crimes causaram rombo de R$ 200 milhões aos cofres públicos.

"De certa forma, a prisão e o envolvimento do nome dele nas investigações manchou a empresa, dificultou os negócios, sem contar no monopólio da JBS", afirmou. Para ele, a rede de frigoríficos JBS detém o mercado de carne, gerando concorrência desleal.

Crise - Enquanto o Beef Nobre suspenderá as atividades no próximo dia 14 de abril, sem previsão de retorno, segundo Pereira, o frigorífico Fribrasil Alimentos anunciou fechamento da unidade de Caarapó, interior do Estado, no dia 31, próxima semana.

O abate de até 500 bovinos por dia será suspenso e cerca de 500 funcionários serão demitidos. Todos estão de aviso prévio. O advogado da Fribrasil, Rodrigo Machado Siviero, disse que a companhia estava tomando prejuízo há vários meses, o que motivou a decisão.

Explicação da empresa - "Eu não sei se a decisão é definitiva ou se há planos para retomar o abate quando o cenário for outro", afirmou Siviero à revista Exame. Ele confirmou as demissões e explicou que os débitos previstos no plano de recuperação judicial deverão ser pagos normalmente, mesmo com o fechamento.

Para o prefeito da cidade, Mário Valério (PR), a notícia traz grande preocupação. "Tentamos intermediar com o Governo do Estado, pedimos ajuda, mas o frigorífico não tem interesse em continuar aqui", lamenta.

"Eles (a empresa) disseram que a política de incentivo do Estado, dada aos frigoríficos, não é boa para eles porque aqui a concorrência é muito grande. Por isso, não conseguimos continuar a negociação", contou o prefeito ao Campo Grande News.

Governo do Estado - À nossa equipe o governador Reinaldo Azambuja (PSDB) afirmou que fechamentos são retratos da atual economia. "Nossa economia está em retração, baixo crescimento, aumento de tributos como energia, combustível, PIS, COFINS e juros. É uma preocupação não apenas de Mato Grosso do Sul, mas de todo o país. É o retrato na nossa economia", pontua.

Para Azambuja, a situação não favorece monopólio. "O mercado é de livre concorrência. Um grande aglomerado como o (grupo) JBS, que já é o maior produtor de carne tanto no Brasil, Estados Unidos e Austrália, tem agressividade na compra de novas plantas", considera.

Fortalecimento - "Mas o importante em Mato Grosso do Sul é que essas empresas continuem a gerar emprego, a industrializar mais. A JBS deve ampliar suas plantas aqui no Estado e até agregar valor ao produto. Agora... Nós temos que buscar um equilíbrio", analisa.

"Eu vou atender os frigoríficos menores, o Estado já dá um bom incentivo nesse setor, mas vamos analisar de forma conjunta o que podemos fazer para fortalecer esse segmento", finalizou o governador.

O Campo Grande News entrou em contato com a JBS no começo da manhã desta sexta-feira (27). Representante da empresa ficou de retornar, mas até o fechamento desta matéria nenhuma resposta foi recebida.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 13 de Agosto de 2020
Quarta, 12 de Agosto de 2020
10:00
Receita do Dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)