Cassilândia, Quarta-feira, 26 de Abril de 2017

Últimas Notícias

11/02/2009 13:10

Frente Parlamentar Evangélica faz ato contra infanticídi

Ivan Richard, ABr

Brasília - A Frente Parlamentar Evangélica na Câmara vai encaminhar um requerimento ao Ministério Público Federal (MPF) para que o órgão investigue as causas da morte da criança indígena Tititu Suruwaha. A suspeita é de que a menina, que sofria de um problema hormonal congênito, tenha morrido devido à falta de medicamento que era repassado pela Fundação Nacional de Saúde (Funasa).

A presidente da organização não-governamental (ONG) Atini Voz pela Vida, que atua em aldeias indígenas, Márcia Suzuki, explicou que logo ao nascer, a criança indígena foi vítima de uma tradição de sua aldeia que costuma enterrar vivos os bebês que nascem com deficiência, o chamado infanticídio. Para não matar a filha, os pais de Tititu abandonaram a aldeia em busca de tratamento.

A criança nasceu pseudo-hermafrodita e com uma deficiência hormonal. Depois de a criança passar por cirurgia, os pais voltaram à aldeia, mas a menina precisaria tomar uma medicação por toda a vida. A Funasa ficou responsável por encaminhar a medicação à aldeia, que fica no sudeste do Amazonas.

O presidente da frente parlamentar, deputado João Campos (PSDB-GO), disse que é preciso identificar os responsáveis. "Se houver identificação de alguém que colaborou para a morte, a responsabilidade terá que ser determinada e o órgão público, a autoridade pública precisará responder por isso".


A Funasa informou está sendo elaborado um relatório de atendimento pela equipe que acompanhava a menina, mas ainda não há data de quando o documento estará pronto. A fundação informou ainda que Tititu tinha cuidados médicos desde que nasceu e que fazia exames periódicos em Manaus (AM).

Em um ato realizado hoje (11) na Câmara, parlamentares, representantes de ONGs que trabalham em aldeias indígenas e da sociedade civil cobraram do poder público medidas para evitar que os rituais de infanticídio ocorram nas aldeias.

De acordo com Márcia Suzuki, algumas etnias, como a Kuikuro, Kamayurá, Ikpeng, localizadas no Alto Xingu, em Mato Grosso, praticam o infanticídio. Uma das alternativas para evitar que as mães com bebês deficientes tenham que matar os filhos é promover a realização de exames pré-natal.

"Com isso, poderíamos evitar que as mães passem por esse problema. Se fosse identificado problema com o feto, se ele não puder ser curado ainda na gestação, a mão sairia da aldeia para ter seu filho", argumentou Márcia.

Ela acrescentou que o infanticídio é praticado também em caso de nascimento de gêmeos.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 26 de Abril de 2017
Terça, 25 de Abril de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)