Cassilândia, Domingo, 27 de Maio de 2018

Últimas Notícias

29/11/2007 17:24

Fiscal: TJ mantém decisão do Estado e nega reintegração

TJMS

Em julgamento realizado na sessão de ontem (28), do Tribunal Pleno do Tribunal de Justiça de Mato Grosso do Sul, por maioria, os desembargadores denegaram a segurança no mandado de nº 2007.007472-1, em que W.A. de O. impetrou mandado de segurança em face do governador do Estado, que editou o Decreto Estadual “P” nº 555, de 26 de fevereiro de 2007, anulando o Decreto “P” nº 425, de 29 de dezembro de 2006, que tratava da reintegração do impetrante no cargo de Fiscal de Rendas, lotado na Unidade Gestora Regional de Fiscalização Centro-Oeste.

O impetrante alegou que, em 24 de novembro de 2000, requereu sua adesão ao programa de demissão incentivada (PDI) e que, 10 dias depois, solicitou o cancelamento de sua adesão ao PDI, o que não foi aceito, sendo exonerado pelo Decreto “P” nº 176, de 14 de dezembro de 2001. Posteriormente, o governador declarou nulo o ato de exoneração, reintegrando-o ao cargo, conforme decreto de dezembro de 2006. Entretanto, com a edição do Decreto “P” nº 555, foi anulado o decreto anterior que reintegrava o impetrante ao cargo de fiscal de rendas.

Enfatiza o impetrante, no recurso, que não foi obedecido o devido processo legal administrativo para que pudesse se defender das alegadas irregularidades em sua reintegração no cargo. Alega também que não houve instauração de processo administrativo.

O detentor do pedido de vista, Des. Romero Osme Dias Lopes, condutor do voto vencedor, afirmou que a reintegração do impetrante no final de 2006 foi ilegítima, “procedida por conduta duvidosa e corporativista”. O magistrado alegou ausência de direito líquido e certo do impetrante, prescrição ocorrida na esfera administrativa no pedido de reintegração e irregularidade no deferimento do processo administrativo.

Em seu voto, o desembargador considerou que o procedimento administrativo obedeceu ao devido processo legal e ainda contestou o fato de que W.A. de O. requereu judicialmente sua reintegração ao cargo somente 5 anos e 10 meses depois da exoneração, após ter recebido e usufruído da quantia de aproximadamente 400 mil reais que recebeu de indenização pelo PDI. A decisão pela denegação da segurança acompanhou parecer da Procuradoria-Geral de Justiça.

Autoria do Texto:Secretaria de Comunicação Social

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 27 de Maio de 2018
Sábado, 26 de Maio de 2018
14:57
Cassilândia
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)