Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

07/03/2006 09:03

Fim da verticalização: emenda será promulgada na quarta

Agência Câmara

O Congresso Nacional vai promulgar nesta quarta-feira (8), às 11h30, a emenda à Constituição que põe fim à verticalização das coligações partidárias, anunciaram hoje os presidentes da Câmara, Aldo Rebelo, e do Senado, Renan Calheiros. Segundo Renan, a emenda entra em vigor imediatamente.
O presidente da Câmara, Aldo Rebelo, afirmou que a promulgação não é uma atitude de confronto com o Judiciário. "Não há razão nem há possibilidade de qualquer tipo de confronto. Os Poderes se orientam pelos princípios constitucionais – o da harmonia e o da independência. Cada um tem as suas responsabilidades, as suas atribuições. O Poder Judiciário tem as atribuições reconhecidas, plenas e soberanas. O Poder Legislativo também é detentor das suas atribuições, como o Poder Executivo. Acho que temos marchado com harmonia e independência e essa relação deve ser preservada porque interessa à população e interessa ao País."

Posição do TSE
A decisão recente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), de manter a verticalização para as eleições deste ano, significou apenas uma reposta a consulta sobre a lei ordinária, afirmou o senador. "O TSE não é tribunal constitucional. O Supremo [Tribunal Federal (STF)] é o único com competência para julgar questões relativas à Constituição".
Renan Calheiros criticou a decisão do TSE de manter a verticalização para as eleições deste ano alegando o princípio da anualidade - determinação constitucional segundo a qual as regras eleitorais têm de entrar em vigor pelo menos um ano antes do pleito ( art. 16). O senador lembrou que a primeira decisão do TSE pela verticalização ocorreu em fevereiro de 2002, a menos de um ano das últimas eleições presidenciais.
Segundo Renan Calheiros, o Congresso não vai entrar com nenhuma ação para garantir a vigência da emenda, por considerar que a promulgação a torna automática. O senador lembrou que entidades, como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), já anunciaram que entrarão no Supremo com uma ação direta de inconstitucionalidade (ADI). Nesse caso, explicou o senador, o STF forçosamente terá de se pronunciar sobre o assunto.
Em relação à decisão final do Supremo, o presidente do Senado enfatizou: "Eu não acredito que o Supremo faça uma opção pelo conflito de Poderes. Não seria bom para ninguém; seria ruim para o País".


Reportagem - Mauro Ceccherini/Rádio Câmara
Edução - Sandra Crespo


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)