Cassilândia, Segunda-feira, 05 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/06/2007 16:05

Fetems volta a discutir reajuste sem muita expectativa

Sandra Luz/Campo Grande News

“Complicada”. Foi o adjetivo escolhido pelo presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores na Educação de Mato Grosso do Sul) Jaime Teixeira para classificar a negociação sobre reposição salarial da categoria com o governador André Puccinelli (PMDB), que terá nova rodada na segunda-feira, dia 25. Os representantes pedem aumento de 3,41% como reposição inflacionária medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) no período de 2006. O governador alega falta de condições financeiras e tem reiterado que o reajuste será de 0%; a categoria nega greve de imediato.

Conforme Teixeira é praticamente inviável entrar em greve pela reposição das perdas inflacionárias, porém, uma paralisação não está descartada para o segundo semestre caso a posição do governo continue endurecida. O presidente da Fetems esclarece que os servidores só cruzam os braços se o governo fechar o diálogo, situação que não aconteceu. Por este motivo, a categoria espera avançar em outros pontos, como a instituição de uma política salarial permanente com a incorporação da regência de classe; equiparação dos vencimentos do grupo técnico-administrativo; instituição da tabela para esse grupo e convocação dos aprovados no concurso de 2006.

Teixeira revela que nesses quatro pontos a expectativa é positiva. Ele afirma que hoje faltam cerca de 500 merendeiras e agentes de limpeza, profissionais que não podem ser contratados, como ocorre com os professores. A situação dos docentes é considerada mais tranqüila com 13 mil efetivos e 4 mil contratos aproximadamente. A carência de técnicos para atender as 368 escolas impõe restrições a quem está na ativa. “Os profissionais terminam afastados por problemas de saúde devido à dupla jornada”.

Na avaliação do sindicalista, a possibilidade de sucesso na negociação como um todo adia, mas não descarta uma eventual greve. Teixeira explica que a categoria não aceita o argumento do governo do Estado da falta de recursos porque conhece a receita composta da Educação. A reunião entre professores e o governador está marcada para esta segunda-feira, dia 25, às 14 horas.

Fetems volta a discutir reajuste sem muita expectativa
Sábado, 23 de Junho de 2007 12:14
Sandra Luz




“Complicada”. Foi o adjetivo escolhido pelo presidente da Fetems (Federação dos Trabalhadores na Educação de Mato Grosso do Sul) Jaime Teixeira para classificar a negociação sobre reposição salarial da categoria com o governador André Puccinelli (PMDB), que terá nova rodada na segunda-feira, dia 25. Os representantes pedem aumento de 3,41% como reposição inflacionária medida pelo IPCA (Índice de Preços ao Consumidor Amplo) no período de 2006. O governador alega falta de condições financeiras e tem reiterado que o reajuste será de 0%; a categoria nega greve de imediato.

Conforme Teixeira é praticamente inviável entrar em greve pela reposição das perdas inflacionárias, porém, uma paralisação não está descartada para o segundo semestre caso a posição do governo continue endurecida. O presidente da Fetems esclarece que os servidores só cruzam os braços se o governo fechar o diálogo, situação que não aconteceu. Por este motivo, a categoria espera avançar em outros pontos, como a instituição de uma política salarial permanente com a incorporação da regência de classe; equiparação dos vencimentos do grupo técnico-administrativo; instituição da tabela para esse grupo e convocação dos aprovados no concurso de 2006.

Teixeira revela que nesses quatro pontos a expectativa é positiva. Ele afirma que hoje faltam cerca de 500 merendeiras e agentes de limpeza, profissionais que não podem ser contratados, como ocorre com os professores. A situação dos docentes é considerada mais tranqüila com 13 mil efetivos e 4 mil contratos aproximadamente. A carência de técnicos para atender as 368 escolas impõe restrições a quem está na ativa. “Os profissionais terminam afastados por problemas de saúde devido à dupla jornada”.

Na avaliação do sindicalista, a possibilidade de sucesso na negociação como um todo adia, mas não descarta uma eventual greve. Teixeira explica que a categoria não aceita o argumento do governo do Estado da falta de recursos porque conhece a receita composta da Educação. A reunião entre professores e o governador está marcada para esta segunda-feira, dia 25, às 14 horas.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 05 de Dezembro de 2016
Domingo, 04 de Dezembro de 2016
09:00
Maternidade
Sábado, 03 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)