Cassilândia, Sábado, 10 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

25/11/2004 10:00

Fernandinho Beira-Mar permanecerá preso em São Paulo

STJ

O traficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar, permanecerá preso na penitenciária de Presidente Bernardes, em São Paulo, e submetido ao regime disciplinar diferenciado. A decisão é da Terceira Seção do Superior Tribunal de Justiça (STJ), que negou provimento ao recurso, um agravo regimental, por meio do qual a defesa pretendia cassar liminar anterior que impediu a transferência do traficante para o Rio de Janeiro.

A liminar foi concedida em junho deste ano pelo ministro Hamilton Carvalhido no julgamento de um conflito de competência. Na ocasião, após analisar o caso, o ministro suspendeu a eficácia da decisão do Tribunal de Justiça de São Paulo (TJSP) que havia determinado a imediata transferência de Beira-Mar de São Paulo para o Rio de Janeiro. A liminar vale até o julgamento do conflito de competência pela Terceira Seção do STJ.

Ao votar pelo não-provimento do agravo regimental, o relator do caso, ministro Paulo Gallotti, sustentou não estar evidenciada a demora injustificada do julgamento do conflito de competência, como alegou a defesa de Beira-Mar. Ele ponderou que o atraso decorre da necessidade de "obtenção de melhores elementos de convicção para a solução da controvérsia". O relator afirmou ainda que o próprio Beira-Mar interpôs, no curso do processo, recursos que contribuíram para a demora do julgamento do conflito.

No recurso, a defesa do traficante também sustentou não estar fundamentada a decisão liminar, o que contraria a Constituição Federal, e enfatizou que Beira-Mar encontra-se preso ilegalmente no regime disciplinar diferenciado, conhecido por RDD. Segundo os advogados, o traficante está submetido a esse regime especial há mais de 500 dias, tempo superior ao estabelecido na legislação.

Ao proferirem seus votos, os ministros Gilson Dipp e Nilson Naves reconheceram que Beira-Mar está, de fato, submetido ao RDD por tempo superior ao permitido em lei. Este último observou que votaria contrariamente ao provimento do recurso por se tratar de um agravo de regimento e não de uma ação de habeas-corpus. O agravo foi negado, por unanimidade, pela Terceira Seção. O agravo regimental é um tipo de recurso que serve como um pedido de reconsideração e tem por objetivo fazer com que a questão, antes decidida apenas pelo relator, seja julgada pelo colegiado.

Luiz Gustavo Rabelo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 10 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do dia
Sexta, 09 de Dezembro de 2016
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)