Cassilândia, Sexta-feira, 25 de Maio de 2018

Últimas Notícias

17/08/2006 08:51

Fécula de mandioca poderia diminuir importação de trigo

Douradosnews


O Brasil deverá importar este ano em torno de sete milhões de toneladas de trigo, objetivando completar o volume necessário ao seu consumo interno, que é de cerca de 10 milhões de toneladas de grão. O aumento da importação de trigo deve-se à queda na safra brasileira, que será menor em todo o País este ano – em torno de 30%, conforme a Conab (Companhia Nacional de Abastecimento). “É uma incoerência o Brasil comprar trigo estrangeiro se tem a disposição uma matéria-prima que pode substituir parte desta importação”, critica o Presidente da ABAM, Hermes Campos Teixeira, referindo-se ao amido/fécula de mandioca, que pode substituir até 10% do trigo estrangeiro usado no segmento de panificação, e até 40% nos segmentos de massas e biscoitos.

Em entrevistas a veículos de comunicação do Brasil, a Abitrigo (Associação Brasileira das Indústrias de Trigo) o Presidente da entidade, Francisco Samuel Hosken, tem manifestado preocupação com a necessidade do País de importar trigo para suprir seu consumo. As importações atuais de trigo estão girando em torno de 50% das necessidades do grão, conforme notícia veiculada pela Agência Estado, no dia quatro deste mês.

Esta dependência, sobretudo do trigo argentino, que é o maior exportador para o Brasil (95% do total importado) está provocando aumento de preços do trigo no País, e movimentações dos industriais do setor no sentido de tentar fazer o Governo reduzir a zero a TEC (Tarifa Externa Comum) para as importações de trigo de fora do Mercosul. O Governo não se rendeu à pressão dos industriais do setor de trigo brasileiros, decidindo manter a TEC em 12% (conforme a Agência Estado, 14.08.06).

Com a quebra de safra também na Argentina, devido à estiagem, aliada à restrição às exportações, impostas por aquele País, a Abitrigo fala em desabastecimento no Brasil. Hosken declarou à Agência Estado que se houver dificuldades para importar trigo da Argentina, os moinhos vão buscar a matéria-prima em outros países. “Não vamos deixar de abastecer o mercado. Vamos pagar o preço que for, mesmo que gere um custo mais alto para o consumidor”, disparou.

Na mesma linha de raciocínio, o Presidente do Sindicato da Indústria do Trigo do Estado de São Paulo, Luís Martins, em entrevista ao Programa Globo Rural (TV Globo, dia 13.08.06) ressalta que o Brasil terá de importar trigo também do Canadá, Estados Unidos, Rússia, Ucrânia e Polônia. Isso contribuirá para aumentar os gastos com exportações do grão, visto que para trazer trigo desses países o Brasil terá de investir ainda mais capital, pelo fato de serem países distantes, que não usufruem das isenções de impostos do Mercosul. “O produtor nacional vai ficar contente, porquê o trigo vai custar mais”, declarou Martins na entrevista ao Globo Rural.

“Com uma simples quebra de resistência dos grandes importadores de trigo do Brasil podemos amenizar o problema, reduzindo a remessa de recursos para o exterior, gastos hoje com a compra de trigo, tendo como resultado uma economia mais fortalecida”, pondera o Presidente da ABAM, destacando que o benefício econômico da mistura oferece ganhos não somente aos panificadores, que vão comprar o produto final (farinha de trigo misturada com o amido/fécula de mandioca), mas, também, a outros integrantes da cadeia produtiva da mandioca.

O setor industrial ganha com a ampliação do mercado, o aumento da produção e a conseqüente manutenção ou aumento na oferta de emprego. O setor agrícola dos municípios produtores de mandioca lucra com a elevação do consumo de raiz, que requererá aumento da produção - para se obter um quilo de amido/fécula de mandioca são necessários quatro quilos de raiz. “Tudo isso repercutirá.em maiores oportunidades de emprego e renda no País”, ressalta o Presidente da ABAM.

O consumidor ganhará em qualidade de alimentação. Entre as vantagens está o fato de que o pãozinho feito com a mistura de trigo e amido/fécula de mandioca dura até seis horas a mais que o pão que utiliza apenas farinha de trigo. Além disso, o pãozinho fica mais crocante, com miolo mais branco e cheio, não ressecando de um dia para o outro. Outra vantagem é que o valor nutricional do pãozinho é preservado, pois o moinho estará, simplesmente, substituindo amido de trigo por amido de mandioca.

“Eu, como brasileiro, jamais iria ser favorável a se utilizar o amido de mandioca misturado à farinha se soubesse que isso provocaria qualquer mudança nas suas características nutricionais, ou que gerasse alteração no sabor do pão, que tirasse o gostinho do tradicional café da manhã de nossa população”, declara Teixeira.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sexta, 25 de Maio de 2018
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)