Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

23/11/2009 09:37

Família de Rogerinho fala sobre crime à Ana Maria Braga

Ângela Kempfer, Campo Grande News

A família do garoto Rogério Mendonça, morto aos 2 anos depois de uma briga no trânsito em Campo Grande, é convidada hoje do Programa de Ana Maria Braga.

Avó, mãe, irmã e o tio de Rogerinho viajaram ao Rio de Janeiro para falar sobre o crime, ocorrido na quarta-feira passada.

O tio, Aldemir Pedra, que dirigia a camionete L-200, envolvida na briga que acabou com tiros que mataram o menino, também participa do Programa.

No estúdio, a família conta detalhes sobre o assassinato e como estão agora, 5 dias após a morte.

A mãe, Ariana Mendonça, levou fotos de Rogerinho e lembrou de momentos com o filho. “Tirei ele da escola neste ano, por medo da gripe suína, de tanto medo que eu tinha de perder ele. A gente vivia grudado, ele dizia todos os dias que me amava”.

Da apresentadora Ana Maria Braga, os parentes receberam conforto. “Não sei qual o tamanho da dor de vocês, mas admiro a força”, comentou.

A avó Adriana Mendonça contou que a Polícia espera o avô do menino, João Alfredo Pedra, se recuperar do tiro que levou para prestar depoimento e esclarecer o que levou o jornalista Agnaldo Gonçalves a atirar contra a camionete , depois de uma discussão com o tio do garoto.

“A Polícia diz que quer saber se o homicídio foi por motivo fútil. Se matar uma criança desse jeito não é motivo fútil, então o que é?”, questiona Adriana.

O tio, Aldemir, tentou durante toda a entrevista, negar qualquer responsabilidade em relação ao crime. Ele admitiu que “bateu-boca” com Agnaldo, mas lembrou que nada justificaria uma reação a tiros.

“Eu estava ao lado dele, ele poderia ter atirado em mim, mas atirou em direção das crianças”, acusou.

A mãe levou a menina Ana Maria, de 5 anos, ao programa, e contou que a menina não dorme mais, depois de ter visto o irmão baleado. Ela estava no carro com Rogerinho, no momento do crime. “O pai dele também não come”, disse sobre o pai do garoto.

Um especialista também foi chamado para participar do programa e falou sobre a violência que transforma discussões banais em tragédias. “Espero que a pessoa que atirou sinta culpa, porque em alguns casos que pessoas são capazes de cometer crimes monstruosos e não aprender com isso”, disse o psicólogo Antônio Egídio Nardi.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)