Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

05/07/2005 14:20

Famasul avalia resultados do tratoraço

Famasul Notícias

Nesta sexta-feira (8/07), produtores rurais de Mato Grosso do Sul estarão reunidos na sede da Famasul – Federação da Agricultura e Pecuária de Mato Grosso do Sul, com objetivo de analisar os resultados da manifestação Tratoraço – Alerta do Campo. A mobilização aconteceu em Brasília, nos dias 28, 29 e 30 de junho, reunindo mais de 25 mil produtores o propósito de sensibilizar a sociedade para a crise da agropecuária nacional e solicitar às autoridades governamentais medidas saneadoras para setor rural.



Para o presidente da Famasul, Léo Brito, o tratoraço foi um sucesso, que além de ter mostrado a união da classe, as propostas para melhorar o setor do agronegócio brasileiro, foram atendidas. “O tratoraço superou nossas expectativas no campo da mobilização da classe, agora precisamos de ações concretas, vamos nos reunir e analisar os resultados da manifestação e aguardar a efetivação das promessas” esclarece Brito.



A comissão nacional do tratoraço foi recebida pelo Presidente da República, Luís Inácio Lula da Silva, que se comprometeu a rever as questões do agronegócio brasileiro. Entre as propostas feitas, pelos produtores rurais, através da CNA – Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil, Federações da Agricultura de 12 Estados e Sindicatos rurais, algumas foram atendidas pelo governo. Entre essas, a liberação do FAT/BNDES, R$ 3 bilhões para aquisição de Cédula de Produto Rural Financeira (CPRF) e outros recebíveis emitidos pelos produtores, junto aos fornecedores/fabricantes de insumos, máquinas e equipamentos, com taxas adequadas, para os produtos com dificuldade de comercialização. Em resposta, o governo atendeu os encargos financeiros dessa negociação, que serão 8,75% ao ano para os produtores rurais e 5% para os fornecedores/fabricantes.



Outra conquista importante foi a liberação de recursos para a subvenção ao prêmio do seguro rural e será criado o fundo de catástrofe. Essa medida pretende indenizar o produtor cuja lavoura foi afetada por problemas climáticos, substituindo a política paliativa de simples prorrogação do custeio. O governo também atendeu ao pedido de importação de agroquímicos do Mercosul. Possibilitará a importação de 27 substâncias ativas e suas formulações, com a possibilidade de ampliar a importação de outros países. Essa medida permitirá uma economia para os produtores de US$ 750 milhões/ano.



Também foi estabelecida a autorização do regime de drawback. O governo irá retirar a cobrança do Adicional de Frete para Renovação da Marinha Mercante (AFRMM), que é de 25% sobre o valor do frete. A economia, por exemplo, na importação de fertilizantes, poderá resultar em uma redução de até 10% no preço do produto.



Porém entre as propostas, a renegociação de dívidas antigas, foi atendido com restrição. Serão beneficiados somente os produtores que estavam adimplentes até 31/12/2004. E a resposta de autorizar a prorrogação das parcelas vencidas e as que virão vencer em 2005, pelo prazo de até 5 anos, foi respondida com indefinição. O governo pretende até terça-feira (X/XX) uma busca de solução pra a prorrogação do custeio das culturas afetadas por problemas climáticos ou de comercialização.


Outra solicitação respondida com restrição foi em relação às medidas de apoio à comercialização e competitividade da agricultura, que propõe fixar o preço de exercício do contrato de opção arroz irrigado em R$ 25,00/50kg, para assegurar a comercialização de 1,5 milhão de toneladas. Entretanto o governo admitiu a correção do preço mínimo do arroz e o preço de exercício para o contrato de opção. A proposta do governo, de R$ 23,00/50kg para o preço mínimo do arroz irrigado, não atende a expectativa dos produtores. Por isso, as negociações continuam.



A respeito da elevação dos limites para crédito de custeio e de comercialização, a resposta foi parcialmente atendida. O governo admitiu o aumento de até 15% para os limites de financiamentos para os recursos controlados do crédito rural para o custeio, para os produtores que apresentarem um plano de recuperação de matas ciliares e reserva legal. O setor defende o limite de R$ 700 mil para as lavouras de algodão, arroz irrigado, milho, feijão, mandioca, trigo, soja e sorgo e de R$ 250 mil para as demais lavouras e pecuária.

Mirela Ramos

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)