Cassilândia, Quinta-feira, 08 de Dezembro de 2016

Últimas Notícias

17/09/2010 18:31

Fabricante do Creatina rebate proibição de propaganda do produto

Agência Brasil

Brasília – Em resposta à determinação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que suspende as propagandas do suplemento alimentar Creatina, a fabricante Probiótica Laboratórios afirmou que as informações de seu material publicitário são baseadas em estudos científicos internacionais e que não existem efeitos colaterais negativos comprovados.

A determinação da Anvisa, publicada hoje (17) no Diário Oficial da União, exige a suspensão das propagandas do produto “que podem induzir o consumidor a ingerir quantidade excessiva do alimento”. A Anvisa determina que se deve consumir, no máximo, 3 gramas diárias, salvo em caso de recomendação médica, quando o uso pode chegar a 6 gramas. Em seu material publicitário, a Probiótica sugere a ingestão de 20 gramas diárias nos primeiros cinco dias.

Segundo o gerente de Marketing da empresa, Marcelo Bella, a quantidade de 20 gramas na fase inicial, seguida de uma rotina de consumo de 5 gramas, é recomendada em muitos países. “Nos baseamos em informações de instituições acadêmicas respeitadas e, além disso, não existe nenhum efeito colateral da creatina relatado na literatura médica nos últimos dez anos”, disse.

A resolução da Anvisa diz ainda que o alimento “não produz os benefícios esperados” como crescimento muscular, aumento dos níveis de força e melhoria da performance na prática esportiva. De acordo com o gerente de Marketing, essas informações são veiculadas na propaganda como uma forma de esclarecer seu consumidor, já que, pela legislação, é obrigatório que o rótulo informe que o \"Creatina é um produto destinado a complementar os estoques endógenos de creatina\".

“A legislação não obriga a informar o que o produto faz e suas indicações. Esses termos técnicos são insuficientes para informar atletas que, na maioria das vezes, não têm acesso a nutricionistas ou médicos esportivos”, afirmou.

A empresa vai suspender toda a campanha publicitária do produto, mas afirma que buscará apoio de entidades de classe para discutir com a Anvisa uma mudança na legislação sobre o produto.

Edição: Lana Cristina

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 07 de Dezembro de 2016
20:20
Loteria
10:00
Receita do dia
09:00
Maternidade
03:14
Loteria
Terça, 06 de Dezembro de 2016
10:00
Receita do Dia
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)