Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

23/01/2008 07:18

Ex-presidente do Cofen acusado de desvio vai ficar preso

STJ

Condenado em uma ação penal a 19 anos e oito meses de reclusão, após acusação de chefiar uma organização criminosa que teria desviado cerca de R$ 50 milhões do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), o ex-presidente da entidade Gilberto Linhares Teixeira vai continuar preso. O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Francisco Peçanha Martins, no exercício da presidência, negou outro pedido em favor do acusado.
Ele foi preso com mais 14 acusados, na Operação Predador da Polícia Federal, em janeiro de 2005. Segundo a denúncia do Ministério Público Federal (MPF), a investigação identificou uma série de dirigentes do Cofen que atuavam em licitações fraudulentas por meio de direcionamento na escolha da proposta vencedora para uma empresa vinculada à quadrilha ou pelo superfaturamento do preço final.

O MPF afirmou, ainda, que Nelson Parreiras, presidente anterior da instituição, e, na época da denúncia, vice-presidente do Conselho Regional de Enfermagem de Goiás, e João Amorin, vice-presidente do Cofen na gestão de Linhares, também participavam do grupo, que responde a processo por peculato, formação de quadrilha, fraude em licitação, lavagem de dinheiro e falsidade ideológica.

A chamada Operação Predador foi deflagrada depois de investigações realizadas a partir de um inquérito da Delegacia Fazendária, de 1998. Foram expedidos 18 mandados de prisão preventiva e 20 mandados de busca e apreensão nos estados do Rio de Janeiro, Piauí, Alagoas, Goiás, Rio Grande do Norte e Sergipe. Entre os acusados, estão três ex-presidentes e vários membros ligados à diretoria do conselho.

No presente habeas-corpus, a defesa alega constrangimento ilegal em razão do excesso de prazo na formação de culpa. Segundo afirmou, o paciente estaria preso há 28 meses sem julgamento, devendo, assim, ser expedido o alvará de soltura.
Ao manter a prisão, o vice-presidente do STJ, ministro Francisco Peçanha Martins, destacou que, salvo excepcional hipótese, não cabe habeas-corpus contra decisão que denega a liminar em outro habeas-corpus sob pena de indevida supressão de instância. “O juiz a quo não vislumbrou constrangimento ilegal a ser reparado de plano”, observou.

O ministro revelou, também, que, em acórdão proferido em outro habeas-corpus anteriormente impetrado em favor do paciente, ficou esclarecido ter sido este réu na ação penal 2005.51.01.503399-1, que tramitou no juízo da 6ª Vara Criminal Federal do Rio de Janeiro, tendo sido decretada sua prisão preventiva em 28 de janeiro de 2005. Ressaltou, ainda, que a sentença condenatória é de 18 de abril de 2006, com aplicação de pena de 19 anos e oito meses de reclusão, além de pagamento de dias-multa.

“Não há, portanto, prima facie [à primeira vista], flagrante ilegalidade na decisão impugnada, a qual traduz apenas uma análise provisória a ser confirmada ou não pelo órgão colegiado competente do tribunal a quo”, acrescentou Peçanha Martins.

O processo segue agora para o Ministério Público Federal, que vai se manifestar sobre o caso. Posteriormente, retorna ao STJ, onde será examinado pela Quinta Turma. A relatora do caso é a ministra Laurita Vaz.



Coordenadoria de Editoria e Imprensa

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
10:00
Receita do dia
Quarta, 13 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)