Cassilândia, Terça-feira, 16 de Janeiro de 2018

Últimas Notícias

17/12/2017 08:30

Estudo mundial testará novo anticorpo para prevenção ao HIV

Correio do Estado

Um estudo que avalia a utilização de um novo tipo de anticorpo na prevenção do HIV é a mais recente iniciativa de combate à doença, que ainda mata milhões de pessoas no mundo inteiro. No Brasil, a pesquisa é liderada pelo Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI), ligado à Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz).

Nomeado com a sigla A.M.P (Anticorpos Mediando Prevenção), o estudo promete combater 90% dos subtipos do HIV. A ideia é utilizar um anticorpo neutralizante, feito em laboratório e aplicado na veia.

Ao todo, estão previstas as participações de 2.700 voluntários nas Américas do Norte e do Sul e 1.500 na África Subsariana. Nos Estados Unidos, o recrutamento começou em março de 2016. Já no Brasil, os voluntários começaram a se apresentar em março de 2017. Atualmente, são 80 voluntários em território nacional, com meta de 140 até maio do ano que vem.

“No momento estamos recrutando os voluntários para a pesquisa. Pessoas saudáveis, entre 18 a 50 anos e que se identifiquem como gays, bissexuais, travestis, mulheres ou homens transexuais podem participar. O participante virá até a clínica cerca de uma vez a cada quatro semanas para exames e consultas e receberá uma infusão do anticorpo a cada oito semanas”, explicou a coordenadora do projeto no Brasil, Brenda Hoagland.

Vacina

Segundo o Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI/Fiocruz), o estudo é mais um passo para se chegar a uma vacina eficiente contra o HIV. Isso porque os resultados da pesquisa podem trazer aos cientistas um melhor entendimento de como o anticorpo funciona.

O A.M.P. é fruto de parceria com centros de pesquisa de variados países com o HIV Vaccine Trials Network (HVTN) e o HIV Prevention Trials Network (HPTN).

Boletim Epidemiológico

Boletim Epidemiológico de HIV/Aids, divulgado no início de dezembro em Cutiriba (PR), revela que os casos de Aids e a mortalidade provocada pela epidemia estão caindo no Brasil. Segundo dados da publicação, em 2016 a taxa foi de 18,5 casos por 100 mil habitantes – uma redução de 5,2% em relação a 2015, quando era registrado 19,5 casos. Já no número de mortes houve queda de 7,2%, a partir de 2014. Os resultados vão de encontro ao período em que foi ampliado o acesso ao tratamento em todo o País.

Segundo o Ministério da Saúde, as políticas de assistência ampliaram o diagnóstico do HIV, diminuíram o tempo para iniciar o tratamento e, consequentemente, aumentaram o número de pessoas recebendo a terapia antirretroviral.

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Segunda, 15 de Janeiro de 2018
Domingo, 14 de Janeiro de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)