Cassilândia, Quinta-feira, 24 de Maio de 2018

Últimas Notícias

17/05/2005 09:59

Estudo: mulheres que apresentam ondas de calor

Agência Notisa

Uma das características diretamente associadas à menopausa, as ondas de calor ainda são motivo de muitas dúvidas para médicos e pesquisadores. Contudo, freqüentes estudos na área buscam, a partir de perfis traçados, sanar muitas dessas questões.

Freqüentemente citadas por mulheres na menopausa, as ondas de calor, segundo artigo publicado na Revista Brasileira de Ginecologia e Obstetrícia de novembro/dezembro de 2004, podem ser definidas como “períodos transitórios de intenso calor na parte superior do corpo, braços e face, sendo freqüentemente acompanhadas de enrubecimento da pele e sudorese profusa (abundante)”. Segundo a autora e pesquisadora Danielle Santos-Sá e sua equipe, as ondas de calor podem provocar ainda calafrios, palpitações e até mesmo sensação de ansiedade.

Como muito pouco se sabe até o presente momento sobre os fatores que levam mulheres de diferentes regiões do mundo a sofrerem com os mesmos sintomas, foi realizado pelo Departamento de Tocoginecologia da Faculdade de Ciências Médicas da Universidade Estadual de Campinas o primeiro estudo de base populacional sobre este tema. Para tal, 456 mulheres com idades entre 45 e 60 anos foram entrevistadas (das quais 20% faziam uso de terapia hormonal).

Variáveis como idade, estrato social, número de abortos, hábito de fumar e uso de método anticoncepcional hormonal e não hormonal foram levados em consideração. A partir desses dados foi possível constatar que, dentre as mulheres que mencionaram apresentar ondas de calor, 54% eram brancas, 70% afirmaram ser casadas ou viver com parceiros, 63% não fizeram menção a emprego remunerado e 80% pertenciam as classes C, D ou E. Em relação a reprodução, 94,3% caracterizaram-se como multíparas (um ou mais partos de acordo com a pesquisa). Métodos contraceptivos não hormonais foram utilizados por 57,2% das entrevistadas que afirmaram ter as ondas de calor enquanto 63,2% fizeram uso de métodos a base de hormônios. Outros 22% afirmaram ser tabagistas, sendo que dessas 53,3% fumavam de um a 10 cigarros por dia, com uma média de tempo de tabagismo calculada em 20 meses.

De acordo com os autores, “vários estudos sugerem que pode haver diferenças culturais e biológicas que influenciam a forma como as mulheres vivenciam e referem às ondas de calor”, mas ainda existem muitas dúvidas sobre quais fatores poderiam determinar a presença ou não das ondas. Eles lembram que em pesquisas anteriores realizadas no mundo todo sobre o estado menopausal as “mulheres caucasianas foram as que mais referiram sintomas psicossomáticos, ao passo que o grupo afro-americano foi o que mais relatou sintomas vasomotores, principalmente ondas de calor”. No caso específico das ondas de calor alguns dados mostram que a prevalência nos Estados Unidos varia entre 68 e 82%, na Suécia fica em torno de 60% e na Austrália é de aproximadamente 62%. Já no estudo realizados em Campinas os pesquisadores puderam verificar que essa prevalência é de 70,3%.

As ondas de calor podem, segundo o artigo, “ter impacto negativo na qualidade de vida, por causar alterações no sono, que resultam em fadiga, irritabilidade, esquecimento, desconforto físico e efeitos negativos sobre o trabalho”, além de estarem associadas a doenças como Alzheimer, osteoporose e também depressão. Apesar de considerarem ainda muito incipientes os estudos nessa área, os autores defendem a realização de mais pesquisas: “outros estudos são necessários, principalmente avaliando os fatores predisponentes e a intensidade das ondas de calor e dos sintomas vasomotores em geral”, concluem.

Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quinta, 24 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)