Cassilândia, Terça-feira, 25 de Abril de 2017

Últimas Notícias

01/12/2004 12:40

Estudo destaca o que pensa o empresário

Agência Notisa

Pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco sugere que empresários industriais podem estar defendendo a educação brasileira objetivando conseguir benefícios para a classe.


Quando um empresário estimula a educação na vida do empregado, ele tem realmente consciência de que ela seja direito social de todos os cidadãos? Para responder a essa pergunta, a Universidade Federal de Pernambuco fez um estudo, publicado na revista Educação e Pesquisa (Volume 29, nº2), investigando o papel que o empresariado reserva à educação profissional. O resultado preocupa: empresários podem estar usando como desculpa o estímulo à profissionalização para adaptar a educação brasileira aos seus próprios interesses.

O estudo foi baseado em documentos técnicos da Confederação Nacional da Indústria (CNI), da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e em depoimentos de lideranças dessas instituições em diversos periódicos brasileiros. Contrastando vários textos, contendo proposições de diferentes representantes das entidades empresariais, com literatura voltada para os rumos da educação no país, o artigo aponta o que chama de “contradições” entre os discursos.

Em um documento da CNI, por exemplo, a pesquisa mostra um fragmento no qual a instituição valoriza a profissionalização do empregado. Contudo, em outro trecho do mesmo documento, a pesquisa destaca uma das “contradições”. “O contraditório nesse documento da CNI é que, de imediato, assim que se dispôs a defender estratégias de requalificação de trabalhadores, principalmente para aqueles em condições de vulnerabilidade, apontou, logo em seguida, para a constatação de que os programas de treinamento têm tido pouca contribuição para os trabalhadores voltarem ao mercado de trabalho”, explica no texto o pesquisador.

Para o autor do artigo, esse estímulo à educação por parte do empresariado industrial seria uma estratégia para aproximar a educação brasileira de seus interesses: “o empresariado nacional, de diversas formas, buscou demonstrar ao governo e à sociedade como um todo que havia a necessidade do sistema educacional sofrer alterações de forma a se tornar coetâneo e articulado aos interesses industriais”, destaca, apontando também que o empresariado industrial tenta ampliar seus limites, procurando atuar cada vez mais sobre a educação brasileira. Isto, agora, estaria incidindo sobre o ensino regular, a escola: “também houve o interesse em ter maior controle sobre as ações e o desempenho das instituições escolares. Nesse sentido, esteve sempre presente a sua intenção de participar da gestão do sistema de ensino e exigir que o Estado estabelecesse mecanismos de avaliação da qualidade e do desempenho das instituições de ensino”, cita o autor, em referência aos métodos de avaliação dos ensinos médio e superior, adotados pelo governo (Enem e Enade – antigo Provão).

De acordo com a pesquisa, o “empresariado brasileiro, além de se reorganizar institucionalmente revigorando e dando novas direções às suas organizações representativas como a Fiesp e CNI, buscou também intervir mais diretamente na política nacional, via candidatura de vários empresários, destacando como momento expressivo a eleição para a Assembléia Nacional Constituinte, em 1986”.

Segundo o estudo, o modelo econômico defendido pelo empresariado industrial reflete a importância que dão aos seus próprios interesses que, muitas vezes, diferem dos interesses da coletividade: “a defesa do empresariado por uma economia mais aberta ao capital estrangeiro, com menor intervenção estatal, rompendo com o modelo de substituição de importações demonstra que seu interesse fundamental é a confecção de um modelo econômico e político que coloque a reprodução dos seus interesses em primeiro plano mesmo que, em decorrência disso, ampliem-se as contradições sociais”, destaca o pesquisador.

O estudo também aponta a flexibilização das leis de trabalho como uma importante ferramenta utilizada pelos grupos industriais, objetivando o aumento de seus lucros: “o empresariado não abre mão de seus lucros para a redução do desemprego e encontra na flexibilização das relações de trabalho a saída mais aconselhável para geração de novos postos de trabalho”, define o texto do artigo que propõe mais estudos que visem a investigar os interesses do empresariado industrial em intervir na educação brasileira, para que se conheça quem ganha e quem perde com as alterações no processo educacional.



Agência Notisa (jornalismo científico - science journalism)

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 25 de Abril de 2017
Segunda, 24 de Abril de 2017
10:00
Receita do dia
Domingo, 23 de Abril de 2017
09:00
Maternidade
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)