Cassilândia, Quarta-feira, 23 de Maio de 2018

Últimas Notícias

04/01/2012 15:49

Estudante consegue na Justiça revisão da nota da redação do Enem

Amanda Cieglinski, Agência Brasil

Brasília – Um estudante de São Paulo conseguiu na Justiça a revisão da nota obtida na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011. A prova do aluno que estuda no colégio particular Lourenço Castanho tinha sido anulada, mas depois que a Justiça concedeu uma liminar para que ele pudesse ter acesso à correção, a nota passou de zero para 880 pontos – em uma escala que vai até mil.

O edital do exame não prevê a possibilidade de recurso. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), com o pedido encaminhado pela Justiça para que o aluno tivesse acesso ao espelho da redação, foi chamada uma nova banca avaliadora que corrigiu novamente o texto e alterou a nota. Segundo o ministério, há mais 15 ações na Justiça movidas por candidatos do Enem pedindo revisão da redação.

Cada redação é corrigida por dois corretores e caso haja discrepância superior a 300 pontos nas notas atribuídas, um terceiro corretor é chamado para avaliar e dar a pontuação final. De acordo com o edital, a nota do candidato será zero se a página estiver em branco, se o texto tiver menos de sete linhas, se a redação fugir do tema proposto ou não estiver escrita à caneta de tinta preta. No caso do estudante de São Paulo a razão para a anulação inicial da nota teria sido fuga ao tema.

A própria escola contratou um advogado para pedir na Justiça a revisão da pontuação do estudante, que é bolsista. Segundo a diretora da instituição, Sylvia Gouvea, o aluno tem ótimo desempenho e por isso a direção achou estranho que ele tivesse a redação anulada. “Ele ainda não pode ver a prova. Nós ainda vamos continuar buscando que a liminar seja cumprida [e a escola possa ter acesso à correção] para esclarecer o que houve”.

Edição: Rivadavia Severo


Repórter da Agência Brasil

Brasília – Um estudante de São Paulo conseguiu na Justiça a revisão da nota obtida na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011. A prova do aluno que estuda no colégio particular Lourenço Castanho tinha sido anulada, mas depois que a Justiça concedeu uma liminar para que ele pudesse ter acesso à correção, a nota passou de zero para 880 pontos – em uma escala que vai até mil.

O edital do exame não prevê a possibilidade de recurso. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), com o pedido encaminhado pela Justiça para que o aluno tivesse acesso ao espelho da redação, foi chamada uma nova banca avaliadora que corrigiu novamente o texto e alterou a nota. Segundo o ministério, há mais 15 ações na Justiça movidas por candidatos do Enem pedindo revisão da redação.

Cada redação é corrigida por dois corretores e caso haja discrepância superior a 300 pontos nas notas atribuídas, um terceiro corretor é chamado para avaliar e dar a pontuação final. De acordo com o edital, a nota do candidato será zero se a página estiver em branco, se o texto tiver menos de sete linhas, se a redação fugir do tema proposto ou não estiver escrita à caneta de tinta preta. No caso do estudante de São Paulo a razão para a anulação inicial da nota teria sido fuga ao tema.

A própria escola contratou um advogado para pedir na Justiça a revisão da pontuação do estudante, que é bolsista. Segundo a diretora da instituição, Sylvia Gouvea, o aluno tem ótimo desempenho e por isso a direção achou estranho que ele tivesse a redação anulada. “Ele ainda não pode ver a prova. Nós ainda vamos continuar buscando que a liminar seja cumprida [e a escola possa ter acesso à correção] para esclarecer o que houve”.

Edição: Rivadavia Severo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Quarta, 23 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Terça, 22 de Maio de 2018
10:00
Receita do dia
Segunda, 21 de Maio de 2018
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)