Cassilândia, Terça-feira, 12 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

04/01/2012 15:49

Estudante consegue na Justiça revisão da nota da redação do Enem

Amanda Cieglinski, Agência Brasil

Brasília – Um estudante de São Paulo conseguiu na Justiça a revisão da nota obtida na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011. A prova do aluno que estuda no colégio particular Lourenço Castanho tinha sido anulada, mas depois que a Justiça concedeu uma liminar para que ele pudesse ter acesso à correção, a nota passou de zero para 880 pontos – em uma escala que vai até mil.

O edital do exame não prevê a possibilidade de recurso. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), com o pedido encaminhado pela Justiça para que o aluno tivesse acesso ao espelho da redação, foi chamada uma nova banca avaliadora que corrigiu novamente o texto e alterou a nota. Segundo o ministério, há mais 15 ações na Justiça movidas por candidatos do Enem pedindo revisão da redação.

Cada redação é corrigida por dois corretores e caso haja discrepância superior a 300 pontos nas notas atribuídas, um terceiro corretor é chamado para avaliar e dar a pontuação final. De acordo com o edital, a nota do candidato será zero se a página estiver em branco, se o texto tiver menos de sete linhas, se a redação fugir do tema proposto ou não estiver escrita à caneta de tinta preta. No caso do estudante de São Paulo a razão para a anulação inicial da nota teria sido fuga ao tema.

A própria escola contratou um advogado para pedir na Justiça a revisão da pontuação do estudante, que é bolsista. Segundo a diretora da instituição, Sylvia Gouvea, o aluno tem ótimo desempenho e por isso a direção achou estranho que ele tivesse a redação anulada. “Ele ainda não pode ver a prova. Nós ainda vamos continuar buscando que a liminar seja cumprida [e a escola possa ter acesso à correção] para esclarecer o que houve”.

Edição: Rivadavia Severo


Repórter da Agência Brasil

Brasília – Um estudante de São Paulo conseguiu na Justiça a revisão da nota obtida na redação do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) de 2011. A prova do aluno que estuda no colégio particular Lourenço Castanho tinha sido anulada, mas depois que a Justiça concedeu uma liminar para que ele pudesse ter acesso à correção, a nota passou de zero para 880 pontos – em uma escala que vai até mil.

O edital do exame não prevê a possibilidade de recurso. De acordo com o Ministério da Educação (MEC), com o pedido encaminhado pela Justiça para que o aluno tivesse acesso ao espelho da redação, foi chamada uma nova banca avaliadora que corrigiu novamente o texto e alterou a nota. Segundo o ministério, há mais 15 ações na Justiça movidas por candidatos do Enem pedindo revisão da redação.

Cada redação é corrigida por dois corretores e caso haja discrepância superior a 300 pontos nas notas atribuídas, um terceiro corretor é chamado para avaliar e dar a pontuação final. De acordo com o edital, a nota do candidato será zero se a página estiver em branco, se o texto tiver menos de sete linhas, se a redação fugir do tema proposto ou não estiver escrita à caneta de tinta preta. No caso do estudante de São Paulo a razão para a anulação inicial da nota teria sido fuga ao tema.

A própria escola contratou um advogado para pedir na Justiça a revisão da pontuação do estudante, que é bolsista. Segundo a diretora da instituição, Sylvia Gouvea, o aluno tem ótimo desempenho e por isso a direção achou estranho que ele tivesse a redação anulada. “Ele ainda não pode ver a prova. Nós ainda vamos continuar buscando que a liminar seja cumprida [e a escola possa ter acesso à correção] para esclarecer o que houve”.

Edição: Rivadavia Severo

Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Terça, 12 de Dezembro de 2017
Segunda, 11 de Dezembro de 2017
20:42
Loteria
10:00
Receita do dia
Domingo, 10 de Dezembro de 2017
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)