Cassilândia, Domingo, 17 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

02/08/2008 08:10

Estiagem começa a castigar gado apreendido pelo Ibama

Lourival Macêdo/ABr


São Félix do Xingu (Pará) - O gado apreendido pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) na Fazenda Lourilândia, na Estação Ecológica da Terra do Meio, no Pará, já começa a sentir os efeitos da estiagem e de falta de manejo, como a separação de acordo com a idade e características físicas do animal para colocá-lo nos pastos adequados as suas necessidades de alimentação.

Outro fator que causa a perda de peso é a concentração de todo o rebanho nas pastagens ao redor da sede da propriedade. O adensamento de gado no local esgotou rapidamente a pastagem e, na falta do capim, as reses comem folhas. "Algumas delas são tóxicas", informou o coordenador da Operação Boi Pirata, do Ibama, Weber Rodrigues Alves.

"Algumas das reses foram mortas por erva tóxica, a Vick – ela tem esse nome porque a folha macerada tem cheiro da pomada Vick Vaporub", explicou o chefe do Ibama aos enviados da Agência Brasil e da Rádio Nacional à Estação Ecológica da Terra do Meio.

A equipe de repórteres visitou três dos dez pastos da fazenda. Num deles, avistou uma concentração de urubus. No local também havia duas carcaças de animais, que o chefe do Ibama ainda não tinha conhecimento.

"Pode ter sido sabotagem, mas pela aparência essas duas reses foram vítimas da erva tóxica", admitiu Rodrigues, minimizando uma possível ação de pecuaristas insatisfeitos por terem que deixar a área.

Para evitar a morte de mais reses por falta de capim nas proximidades da sede da propriedade, o coordenador do Ibama determinou a abertura de todas as porteiras dos pastos. Ao mesmo tempo, mandou colocar cadeados nas porteiras e colchetes de arame que dão acesso à fazenda. Com isso, o gado fica livre dentro da propriedade, mas impedido de sair dela.




O número de reses apreendidas era de 3.500 cabeças, nas contas dos técnicos da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), vinculada ao Mistério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). Na recontagem feita pelos agentes do Ibama, foram encontradas 3.146 animais. "São 1.455 vacas, 252 bezerros, 234 bezerras, 689 novilhas, 220 garrotes de 18 meses, mais 192 bois de engorda, dois bois de carro, dois reprodutores e mais ou menos 100 rezes que se encontram no mato e ainda não foram conferidas", enumerou Rodrigues.

O rebanho está sendo cuidado pelo peão Antônio Ferreira da Silva, conhecido na região como Ceará. Ele foi contratado pelo Ibama por R$ 25,00 ao dia. "Ele trabalhava para um pecuarista em regime escravo - sem carteira assinada. Como a cabeça dele pode estar a prêmio aqui, vamos transferi-lo para outra região", disse o coordenador do Ibama. Na última terça-feira (29), Rodrigues levou Ceará de helicóptero para abrir uma conta bancária em Altamira, na qual possa depositar o seu dinheiro.

Como o gado necessita de sal para suprir as deficiências minerais que o capim não consegue retirar do solo, Ceará contou que passou a colocar sal nos cochos para o gado lamber. "Eu coloco dois sacos, um de sal branco e outro de mineral e um outro pó, chamado Fós 30, duas vezes por dia para evitar a intoxicação por erva", disse Ceará. No entanto, ao passar pelos coxos, a equipe da Agência Brasil e da Rádio Nacional constatou que apenas um - próximo à sede e onde havia poucas vacas - estava com sal. Os demais estavam vazios.


Por causa das más condições da única via de acesso à Estação da Terra do Meio, a maioria dos pecuaristas transporta o gado às margens da estrada. De acordo com informações dos profissionais do ramo, em distâncias longas, o rebanho precisa estar bem sadio para agüentar a jornada. E sadio implica em estar gordo, já que vai perdendo peso ao longo do caminho, explicou Ceará, que tem 10 anos de experiência nessa atividade.


"Quando o gado está sadio, ele caminha mais de 15 quilômetros por dia, e se alguma rês está fraca ela não dá conta de acompanhar o rebanho. E se não parar ou deixá-las para trás, as reses vão morrendo pelo caminho". disse Ceará. "Quando isso acontece", acrescentou, "o prejuízo é grande".

Rodrigues disse que um veterinário do Ibama esteve no local para verificar o controle sanitário e o estado do rebanho. Segundo o profissional, o gado estava gordo e em boas condições. Ainda segundo o cooordenador da Operação Boi Pirata, o veterinário também constatou que a vacinação obrigatória contra a febre aftosa foi aplicada no dia 10 de junho.


Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Domingo, 17 de Dezembro de 2017
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)