Cassilândia, Sábado, 16 de Dezembro de 2017

Últimas Notícias

03/02/2014 13:56

Estelionatário faz de cela escritório e dá golpe em paciente com câncer

Campo Grande News
Estelionatário faz de cela escritório e dá golpe em paciente com câncer

Enquanto solto, Valfrido Gonzalez Filho, 34 anos, aplicava dos mais diversos golpes em Campo Grande, passando-se por médico, advogado, delegado, desembargador, supervisor de hospitais, padre, pastor e até vereador. No entanto, preso desde agosto de 2012, o estelionatário transformou a cela do presídio em um “escritório” e, apenas com um telefone celular em mãos, ele passou a fazer vítimas também em São Paulo e no Paraná.

“O modo de agir dele já é conhecido da Polícia em quase todo o país, por isso as pessoas sempre estão me enviando ocorrências registradas em outras cidades. Nesses casos, Valfrido se passa por médico, oferecendo remédios a preços mais baratos e também exigindo dinheiro para custear o tratamento”, diz o delegado Wellington de Oliveira, responsável pelas investigações.

Em Campo Grande, na sexta-feira (31), Valfrido aplicou o golpe em uma vítima do Hospital do Câncer. “Ele se passou por um oncologista que trabalha lá e inclusive a vítima compareceu na delegacia. O curioso nessa historia é que o médico retornou a ligação para ele, que novamente se identificou como Dr. Paulo e na ocasião ele pediu desculpas, mas ressaltando que iria continuar com o seu trabalho”, conta o delegado.

Este é o golpe mais recente, no qual ele contava com a ajuda de uma namorada, que tinha os valores depositados em sua conta bancária. Já no Paraná, em janeiro deste ano, cinco pacientes em Curitiba compareceram a delegacia. Os casos envolvem os hospitais Marcelino Champagnat, Constantini, Erasto Gaertner, Pequeno Princípe e Nossa Senhora das Graças.

Na Capital Paulista, ele é suspeito de entrar em contato com a mãe de uma paciente internada na Maternidade Celso Pinheiro. “Ele ligou diretamente para a mãe de uma paciente, dizendo que ela estava com uma célula e, caso não tomasse o medicamento correto, evoluiria para um câncer. A vítima então repassou R$ 7,5 mil a ele”, comenta o delegado.

Nos hospitais Sírio Libanês e Alberto Einsten, recentemente Valfrido ligou para parentes, se identificando como Dr. Pablo, o mesmo profissional que atendia a vítima. “Ele inclusive repassou por MSN o número da conta que as pessoas deveriam fazer o depósito, sendo 4 transferências que totalizaram R$ 10 mil”, diz o delegado.

Em julho de 2013, Valfrido já havia aplicado golpes no mesmo hospital, sendo que recebeu R$ 7,6 mil de uma pessoa e R$ 1,1 mil de outra no hospital Santa Izabel. Todos os valores chegavam à conta da sua namorada, identificada como Aliria Vera da Paixão. Esta jovem, que inclusive o visitava com frequência no Estabelecimento Penal de Segurança Máxima, também poderá ser indiciada por estelionato.

“Cada ocorrência registrada se tornará um inquérito policial em separado, o que agravará a pena do Valfrido. Neste período, a namorada sacava imediatamente os valores da sua conta bancária e guardava em casa”, explica o delegado.

Alerta – No caso de hospitais, o delegado ressalta que as unidades deveriam alertar os pacientes e até mesmo os parentes sobre possíveis golpes. Outra medida também seria a colocação de panfletos informativos nestes locais.

“As pessoas devem saber que o médico jamais liga para pedir dinheiro para remédios, principalmente porque este tipo de negociação deve ser feito pessoalmente. E também não repassam contas de terceiros para depósito”, diz.

Como ele tem acesso a celular se esta preso? È a namorada não vai ser presa?
 
paulo neres carvalho em 03/02/2014 16:47:10
Envie seu Comentário
Os comentários feitos no Cassilândia News são moderados. Antes de escrever, observe as regras e seja criterioso ao expressar sua opinião. Não serão publicados comentários nas seguintes situações:

1. Sem o remetente identificado com nome, sobrenome e e-mail válido. Codinomes não serão aceitos.
2. Que não tenham relação clara com o conteúdo noticiado.
3. Que tenham teor calunioso, difamatório, injurioso, racista, de incitação à violência ou a qualquer ilegalidade.
4. Que tenham conteúdo que possa ser interpretado como de caráter preconceituoso ou discriminatório a pessoa ou grupo de pessoas.
5. Que contenham linguagem grosseira, obscena e/ou pornográfica.
6. Que transpareçam cunho comercial ou ainda que sejam pertencentes a correntes de qualquer espécie.
7. Que tenham característica de prática de spam.

O Cassilândia News não se responsabiliza pelos comentários dos internautas e se reserva o direito de, a qualquer tempo, e a seu exclusivo critério, retirar qualquer comentário que possa ser considerado contrário às regras definidas acima.
Restamcaracteres.
 
imagem transparente
Últimas notícias
Scroller Top
Sábado, 16 de Dezembro de 2017
Sexta, 15 de Dezembro de 2017
10:00
Receita do dia
Quinta, 14 de Dezembro de 2017
21:14
Loteria
Scroller Bottom

  • Idalus Internet Solutions
  • TOP DataCenter e Internet
  • Disponível na AppStore
  • Disponível no Google Play
Rua Sebastião Leal, 845, CEP: 79.540-000, Cassilândia (MS)